Luiza Saturnino Braga

I was born in Rio de Janeiro and studied in Brazil since graduation with Bachelor Degree in Education with specialization in Technology from PUC – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. I lived in Denmark for a couple of years. I returned to Brazil and worked in various positions till I got a translation certification from Associação Alumni in São Paulo in 2004. Since 1997, I have been working as a translator, mainly doing subtitlings for major companies as well as translating and proofreading websites, documents, and general texts. Recently I have translated three books.

Email Luiza Saturnino Braga

Últimos posts por Luiza Saturnino Braga

Netizen Report: Israel analisa novas leis para vigilância pública e repressão à liberdade de expressão

O Netizen Report da Global Voices apresenta um panorama dos desafios, conquistas e novas tendências dos direitos digitais no mundo.

O que aconteceu com os direitos digitais nos últimos sete anos? 300 edições dirão a você

Esta semana estamos analisamos os sete anos de cobertura sobre direitos digitais no mundo, em comemoração à edição de número 300!

Feminicídio: “O mais importante é tratar o assunto com humanidade”

"A realidade atual que mostra a nuvem [de palavras] sobre feminicídios nos faz refletir [...] uma falta de sensibilização em relação ao tema...".

A vida de uma etíope, trabalhadora doméstica no Líbano: “Eles me batiam todos os dias com um fio elétrico”

Lensa é uma das muitas imigrantes que trabalham como domésticas no Líbano, forçadas a trabalhar e viver em condições difíceis sob o infame sistema do "kafala" (que significa "patrocínio").

Síria: histórias da queda do subúrbio de Ghouta Oriental, em Damasco

O subúrbio de Ghouta Oriental, em Damasco, tem sido cenário de intenso sofrimento ao longo dos sete anos de guerra na Síria. É o mais cruel e duradouro exemplo da estratégia do regime de “morra de fome ou se renda” e...

Como as mulheres pagam pela guerra sem fim da esterilização forçada na Índia

Em 2015-16, 82% das mulheres que foram esterilizadas fizeram o procedimento em um centro do governo. Entre as mulheres que usavam pílula anticoncepcional, mais da metade (54%) foi a uma unidade particular. Para o planejamento familiar, o governo destina 85%...

“Você e essa perda jamais serão esquecidos”: a realidade mortal de ser jornalista no Afeganistão

"Que dia doloroso. Que trabalho difícil. Que momento obscuro em Cabul. TariqMajidi está cobrindo o funeral de seu colega."

Netizen Report: o que Irã, Paquistão e Rússia têm em comum? Eles baniram o Telegram.

O Netizen Report da Global Voices apresenta um panorama dos desafios, conquistas e novas tendências dos direitos digitais no mundo.

Indignação no México por cruel assassinato de três estudantes de Cinema

Indignação no México após divulgação de novo episódio de violência atroz contra jovens estudantes. As vítimas desta vez: três estudantes de Cinema.

Como o abuso de poder e o “karoshi” continuam a causar sérios problemas para trabalhadores japoneses

O "abuso de poder", que inclui intimidação verbal, abuso emocional e forçar empregados a fazer horas extras sem pagamento estão se tornando perigos reais no Japão.

Após incêndio fatal na Rússia, insensibilidade do governo e “trolagens” geram indignação

O trágico incidente em Kemerovo expôs não só a insensibilidade dos oficiais russos ao sofrimento popular e a falta de habilidade para gerenciar crises, como também a suscetibilidade da sociedade à trolagem on-line, tanto patrocinada pelo governo como externa.

“Black in Tokyo”: um documentário sobre a vida no Japão

O filme segue o cotidiano de cinco estrangeiros negros, cujas origens vão desde a África Ocidental até os Estados Unidos, desvendando os diferentes desafios culturais e oportunidades de viver na capital do Japão.

A mentalidade suicida na iminência da guerra no nordeste da Ásia

"Como desertores norte-coreanos relataram, há a possibilidade de que Kim Jong Un empregue táticas kamikaze se considerar que o país não conseguirá enfrentar os ataques dos EUA."

Como a Apple está abrindo caminho para uma ‘ditadura na nuvem’ na China

Agora que a Apple cedeu ao Partido Comunista Chinês, quanto tempo levará para que outras empresas de tecnologia resistam à pressão?

Estado Islâmico deixou a cidade síria de Raqqa, mas minas terrestres continuam mutilando e matando

"Enviei um dos meus filhos para verificar nossa casa perto da torre do relógio, mas quando ele chegou, as minas estavam esperando por ele na porta da frente da casa".