Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

As sete histórias que mais marcaram os leitores do Global Voices em 2017

Histórias favoritas dos leitores do Global Voices em 2017.

O Global Voices publicou mais de 1600 matérias em inglês em 2017, abordando desde ‘eco-coolers’ que funcionam sem eletricidade até os segredos intraduzíveis das línguas minoritárias. Esses artigos foram escritos, pesquisados e traduzidos pelos mais de 1200 membros da nossa comunidade que vivem e trabalham em mais de 170 países ao redor do planeta.

Nossos leitores estão dispersos por todo o mundo. Tendo em vista que nossos artigos dialogam com diferentes públicos de formas diferentes, pode ser complicado identificar as “principais” ou “melhores” histórias do Global Voices. Cada uma delas tem um propósito. Entretanto, podemos ter uma ideia disso graças aos cliques, curtidas, compartilhamentos e comentários que tivemos no Facebook.

Tendo isso em mente, aqui estão algumas das histórias favoritas dos nossos leitores em 2017.

Ognen Čemerski com sua amiga Jasna Koteska durante a marcha estudantil, em 14 de novembro de 2014. Imagem de Vančo Džambaski, CC BY-NC-SA.

1. Tradutor macedônio de “Moby-Dick” Ognen Čemerski, 42, foi um linguista meticuloso e educador dedicado

Quando falamos em cliques, comentários e compartilhamentos, este artigo, escrito pelo editor do Global Voices para a Europa Oriental e Central, Filip Stojanovski (e traduzido para o português pela Bruna Vidor e Souza) foi uma das histórias mais populares de 2017 na página do Facebook do Global Voices. Ognen Čemerski, morto em agosto, dedicou 12 anos à tradução de “Moby Dick” para o macedônio.

The main problem of translating a book from 1851 about sailing and whaling was that the Macedonian language lacked maritime terminology. Most of the ethnic Macedonian population had been landlocked during the last centuries, having little contact with the sea in general and sailing in particular. In order to overcome this, Čemerski had to re-construct the vocabulary by first discovering the origins of the English terms, and then trace their equivalents in Macedonian or other Slavic languages.

O principal problema ao traduzir um livro de 1851 sobre navegação à vela e caça a baleias era que o idioma macedônio não possuía terminologia marítima. A maioria da população étnica da Macedônia tem vivido cercada de terra durante os últimos séculos, tendo pouco contato com o mar em geral e com a navegação em particular. Para superar esse obstáculo, Čemerski teve que reconstruir o vocabulário, primeiro descobrindo as origens dos termos em inglês, e então traçando seus equivalentes em macedônio e outras línguas eslavas.

Leia o artigo aqui (em português)

Imagem ilustrativa do usuário do Flickr andresAzp: “Prostestos noturnos do dia 15 de fevereiro em Altamira. Caracas, Venezuela. Publicada sob licença Creative Commons (CC BY-NC-ND 2.0)

2. Segundo o governo venezuelano, protestos são “terrorismo”

Esta história foi uma das mais compartilhadas na página do Facebook do Global Voices em 2017:

Six protesters have died, President Maduro's government is accused of using torture on protesters to obtain false confessions of “terrorism,” and evidence of police abuse is circulating on social media. Despite the clampdown, the protests in Venezuela haven't stopped since the end of March.

“The money is never enough, there are no medicines, and the streets are full of criminals, and you won't let me protest on top of it all?,” one protester, who was tortured by the police, said […]

Seis manifestantes morreram, o governo do presidente Maduro é acusado de torturar os manifestantes para obter confissões falsas de ‘terrorismo’, e evidências de abuso policial estão circulando nas redes sociais. Mesmo com a repressão, os protestos na Venezuela continuam desde o fim de março.

‘Nunca há dinheiro suficiente, não há remédios, e as ruas estão cheias de criminosos, e vocês vão me impedir de protestar, apesar disso tudo?’, disse um manifestante torturado pela polícia […]

Leia o artigo aqui

Imagem: Erin Gallagher

3. Um artista americano está tatuando “RESISTA” por uma boa causa

Este artigo sobre um tatuador dos Estados Unidos que oferece de graça tatuagens com a mensagem “RESISTA” a quem doar 100 dólares ou mais para caridade também figurou como um dos posts mais compartilhados do Global Voices no Facebook.

Nate Kaschak works at A Psychic Unicorn, a tattoo and art studio owned by Rhi and Chris Wallace in the town of Kingston, Pennsylvania, population around 14,000. […]

Kaschak says he was tired of so much negativity online and wanted to encourage people to be more proactive instead of complaining.

Nate Kaschak trabalha no A Psychic Unicorn, um estúdio de tatuagem e arte que pertence a Rhi e Chris Wallace, e que fica na cidadezinha de 14 mil habitantes de Kingston, Pensilvânia […]

Kaschak disse que estava farto de tanta negatividade na internet e que queria incentivar as pessoas a deixarem de reclamar e serem mais proativas.

Leia o artigo aqui

Post publicado em status público no Facebook de Lara Quentrall-Thomas, que diz: “Uma notícia maravilhosa! O projeto de lei sobre casamento passou. Idade mínima: 18 anos. 35 votos a favor e 0 contra!!!!”

4. Casamento infantil passa a ser proibido em Trinidad e Tobago

Este artigo (traduzido pela Flávia Villela) foi o que recebeu mais curtidas no Facebook:

On June 9, 2017, Trinidad & Tobago's parliament unanimously passed legislation to outlaw the practice of child marriage, changing the legal marriage age to 18.

[However] religious opposition made what would ordinarily have been a straightforward issue a little more fraught and at one point, there was doubt as to whether the opposition would even support the bill.

O casamento infantil agora é ilegal em Trinidad e Tobago. Em 9 de junho deste ano, o parlamento do país decidiu por unanimidade proibir essa prática, aumentando para 18 anos a idade legal para se casar.

[Mas] com tal oposição religiosa, o que normalmente seria uma questão simples, ficou um  pouco mais complicada e, em determinado momento, houve dúvidas se a oposição apoiaria o projeto de lei.

Leia o artigo aqui (em português)

A mulher “confusa” acima é um dos memes mais conhecidos do Brasil. Na verdade, ela é Nazaré Tedesco, personagem de uma novela de 2004 que sequestrou um bebê e matava quem ficava no seu caminho. | Imagem: Twitter/Reprodução.

5. Se quer entender o Brasil, entenda os seus memes

Brazil ranks as the fourth country with the highest number of internet users in the world. Portuguese is Brazil's only official language and the majority of its population do not speak English. While most of the internet is decidedly anglophone, Brazilians have carved out a large Portuguese-speaking digital territory of their own. And they mainly use it to speak on their own terms — which means, a lot of memes.

O Brasil é o quarto país com o maior número de usuários da internet no mundo todo. O português é a única língua oficial no país e a maioria da população não fala inglês. Apesar de a maior parte da internet ser anglófona, os brasileiros conquistaram um grande espaço na rede, ocupado por falantes de português, que o utilizam do seu próprio jeito — ou seja, abusando dos memes.

Foi daqui que partiu esta história (traduzida pela Melina Coelho) sobre a cultura da internet no Brasil e que também foi amplamente compartilhada, clicada e comentada no Facebook em 2017.

Leia o artigo aqui (em português)

Fertilized Duck Eggs – Hột Vịt Lộn aka Balut

Ovo fecundado de pato – Hột Vịt Lộn aka Balut. Fonte: Flickr / shankar s. (CC BY 2.0)

6. Cinco pratos do Vietnã difíceis de encarar (traduzido por Ana Clara Caribé)

Quando se trata de mais curtidas, compartilhamentos e comentários, nenhuma história em 2017 supera esta, que apresenta alguns pratos marcantes da culinária vietnamita, como o balut:

Balut is a developed fertilized duck egg, boiled and eaten in the shell. At about 19 to 21 days old, the duck embryos will be mature enough for you to feel the crunchy bones. The correct way to eat this delicacy is to add a bit of salt, slurp out the water, and chew on a couple of rau răm or Vietnamese coriander leaves.

Balut é um ovo de pato fecundado, chocado e cozido que se come na casca. Entre os 19 e 21 dias os embriões estão formados o suficiente para que se sinta os ossinhos crocantes. A maneira correta de comer esta iguaria é adicionar uma pitada de sal, sorver o líquido dentro do ovo e mastigar algumas folhas de rau răm, também conhecido como coentro vietnamita.

Leia o artigo aqui (em português)

Bassel Khartabil. Foto de Joi Ito compartilhada pela Wikimedia (CC BY 2.0)

7. Global Voices homenageia Bassel Khartabil, ativista da internet aberta, executado pelo regime sírio

Em 2017 a comunidade do Global Voices ficou em luto pela perda de Bassel Khartabil, morto pelo governo sírio.

A Creative Commons leader in Syria who was active in projects including Mozilla Firefox and Wikipedia, Bassel Khartabil (aka Bassel Safadi) played a pivotal role in extending online access and open knowledge to the public in Syria. He was a close friend of many in the Global Voices community and participated in our 2009 Arab Bloggers Meeting.

Líder da Creative Commons na Síria e ativo em projetos como Mozilla Firefox e Wikipédia, Bassel Khartabil (também conhecido como Bassel Safadi) teve um papel primordial na expansão do acesso à internet e do conhecimento livre ao público na Síria. Ele era um grande amigo de muitos membros da comunidade Global Voices e participou do nosso encontro de blogueiros árabes (Arab Bloggers Meeting) em 2009.

O artigo sobre sua morte foi um dos mais lidos do Global Voices em 2017.

Leia o artigo aqui

Nevin Thompson ajuda a administrar as redes sociais do Global Voices.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.