Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

‘Luanda Leaks': mulher mais rica de África acusada de corrupção e enriquecimento ilícito

Isabel dos Santos | ©NunoCoimbra – Cross-wikimedia CC BY-SA 4.0

Uma investigação denominada “Luanda Leaks”, feita por um colectivo de jornalistas de vários países do mundo e liderada pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ), revelou como Isabel dos Santos, filha do ex-presidente de Angola José Eduardo dos Santos, acumulou uma fortuna de mais de dois mil milhões de dólares de maneira ilícita e com ajuda de firmas de consultoria norte-americanas e europeias.

A investigação teve como base um conjunto de mais de 715.000 documentos fornecidos pela Plataforma para a Protecção de Whistleblowers em África (PPLAAF), uma organização com sede em Paris.

O conjunto de reportagens indica que a empresária utilizou paraísos fiscais para depositar desvios através de várias empresas por si controladas, mas em nome de outros proprietários.

Igualmente, refere-se a realização de despesas acima da facturação para serviços que não eram realizados no concreto durante a gestão de Isabel dos Santos da maior empresa do país, a estatal petrolífera Sonangol.

José Eduardo dos Santos, conhecido como JES e pai da Isabel dos Santos, esteve no poder durante mais de 35 anos em Angola, em uma governação marcada por violações aos direitos humanos e censura à liberdade de expressão, com jornalistas e críticos sendo frequentemente perseguidos.

Em 2016, JES nomeou sua filha para o cargo mais alto da Sonangol.

Isabel foi exonerada do cargo logo que João Lourenço assumiu o poder como presidente de Angola. Lourenço substituiu José Eduardo dos Santos como líder do Movimento Popular pela Libertação de Angola (MPLA) e assumiu a presidência do país após o partido obter maioria parlamentar nas eleições de Agosto de 2017.

Os actos praticados por João Lourenço diferem em grande medida das acções do seu antecessor, dada a forma como o actual Presidente lida com diferentes extractos sociais e como se dedica no combate à corrupção no país.

Por exemplo, em 2019, João Lourenço recebeu e condecorou activistas e jornalistas tidos no passado como contra o estado Angolano. Ainda no mesmo ano, Lourenço disse em entrevista que tinha encontrado os cofres do Estado praticamente vazios.

Após a sucessão de Isabel dos Santos na Sonagol, seguiram-se várias denúncias de corrupção feitas pelo novo dirigente, Carlos Saturnino, de desvios e celebração de contratos com entidades detidas por Isabel dos Santos como sinal de benefícios próprios à frente a empresa petrolífera.

Em 28 de Fevereiro de 2018, Saturnino, também então presidente do conselho de administração da Sonangol (afastado em Maio de 2019), denunciou a existência de uma transferência de 38 milhões de dólares (34,4 milhões de euros) feita pela administração cessante, liderada por Isabel dos Santos, após a sua exoneração.

Como resposta, Isabel tem usado as suas redes sociais e vários jornais no estrangeiro não só para se defender, mas igualmente para denunciar uma suposta perseguição política contra si por parte do estado angolano. Isabel dos Santos, que é detentora de cidadania russa devido à ascendência materna, vive atualmente em Dubai.

Sobre o mesmo caso, a irmã da Isabel dos Santos, Tchizé, sugeriu que ela devolvesse o valor de 75 milhões de dólares ao Estado Angolano:

O que está em causa é a dívida de 75 milhões? Pague, então, se estão pedir euros e não querem kwanzas, apesar de um Estado, normalmente, querer receber na sua moeda, mas se precisa de dólares e está [sic] a pedir à cidadã, a cidadã que mais beneficiou das oportunidades de negócio em Angola, está na hora de a cidadã retribuir tudo o que o Estado lhe proporcionou, propiciando que fizesse grandes negócios e tornar-se a mulher que é hoje… pronto, mande dinheiro para Angola.

Rafael Marques, o jornalista angolano que mais investigou e denunciou os esquemas de corrupção da família dos Santos, falou à DW África e disse:

É uma notícia que efetivamente esperava há anos, mas que também me deixa triste. Deixa-me triste porque só quando os estrangeiros falam é que os próprios concidadãos ouvem, é que o mundo [ouve].

Enquanto jornalista angolano, muitos destes factos que estão a ser revelados nestes documentos já foram por mim revelados, mas ninguém prestava atenção porque se tratava de um jornalista africano.

Só quando os jornalistas europeus e americanos pegaram no assunto é que o assunto tornou-se sério o suficiente para que certos governos e a sociedade de muitos países começassem a prestar atenção. Mas é importante.

Em meio as acusações contra Isabel dos Santos, a empresária tem estado a desvincular-se de várias empresas onde é accionista, com destaque para bancos e empresas de capitais localizadas em Portugal, país onde foi encontrado morto o seu gestor de contas, Nuno Ribeiro da Cunha.

A morte acontece no dia em que ele foi constituído arguido pela Procuradoria Geral da República de Angola (PGR) juntamente com Isabel dos Santos e mais quatro pessoas, na sequência do inquérito realizado à Sonangol.

O inquérito foi aberto em Março de 2018 para apurar as denúncias feitas por Carlos Saturnino, mas não foi conhecido qualquer desenvolvimento até ao aparecimento das recentes denúncias.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.