Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Drag “cholita” enfrenta desafios de estereótipos de gênero e folclore na periferia argentina

Captura de tela do vídeo “Ramita Seca”, produzido por Elisa Portela via YouTube, apresentando coreografia e interpretação de “Bartolina Xixa”, uma personagem drag inspirada na estética indígena andina.

No meio de um grande lixão cercado de neblina, uma figura de saia rosa pastel e longas tranças dança uma vidala, uma forma de poesia tradicional acompanhada de música típica do folclore argentino.

É Bartolina Xixa, a personagem andina “drag folk” criada por Maximiliano Mamaní, que reavalia o folclore do norte argentino a partir de uma perspectiva de gênero e busca a descolonização com foco nos povos indígenas.

Em seu trabalho mais recente, “Ramita Seca, la colonialidad permanente”, o artista escolheu a locação ao ar livre de Hornillos, localizada na Quebrada de Humahuaca, uma região declarada Patrimônio Cultural e Natural da Humanidade pela UNESCO em 2003.

vidala tem muitos simbolismos. Composta pela cantora e compositora Aldana Bello, a letra aborda o tema da exploração mineira e as atrocidades perpetradas contra as comunidades indígenas:

Esta vidala que canto / Sangra de pena y dolor / Las injusticias de siglos / Siguen en pie y con ardor […] En zona andina hay mineras / Contaminan la ilusión / El agua, la tierra y todo / Lo que anda a su alrededor

Esta vidala que canto / Sangra de tristeza e dor / As injustiças dos séculos / Seguem de pé e com ardor […] Na zona andina há mineradoras / Elas poluem sonhos / A água, a terra e tudo / o que anda ao seu redor.

Mamaní nasceu em Jujuy, localizada no extremo noroeste da Argentina, e cresceu na região vizinha de Salta. Ele estudou antropologia na Universidade Nacional de Salta e trabalha como professor de dança folclórica.

Com Bartolina Xixa, Mamaní desafia estereótipos encontrados na arte popular, em que os papéis de gênero perpetuam estruturas binárias que deixam de fora uma gama de identidades. Como Mamaní aponta em uma entrevista ao site argentino VOS:

Hago danzas folklóricas argentinas, peruanas y bolivianas. Me gusta la música popular, por eso me surgió la necesidad de reflexionar sobre el folklore y pensar que a mí, como marica, se me negaba la posibilidad de mostrarme a la hora de construir una coreografía y armar una pareja de baile…

Faço danças folclóricas argentinas, peruanas e bolivianas. Eu gosto de música popular, é por isso que eu senti a necessidade de refletir sobre o folclore e pensar que a mim, como gay, foi negada a oportunidade de me mostrar quando se trata de construir uma coreografia e ter um parceiro de dança.

E acrescenta:

Me di cuenta de que a muchas personas les pasa lo mismo porque el folklore está pensado desde una lógica heterosexual. Se le dan ciertos atributos a los varones, a los gauchos, como la fuerza, la firmeza y el galanteo. Es el que dirige. Las mujeres, en tanto, son sumisas, complacientes.

Percebi que a mesma coisa acontece com muitas pessoas porque o folclore é pensado a partir de uma lógica heterossexual. Certos atributos são dados aos homens, os gaúchos [por exemplo], como força, firmeza e cortejo. Ele é quem conduz. As mulheres, entretanto, são submissas, complacentes.

Uma homenagem a uma heroína aimara

Os questionamentos sociais de Mamaní não se limitam ao mundo do folclore, eles também falam sobre as tendências que dominam a estética global com as quais a “drag” é abordada, uma estética na qual o artista diz estar ligada aos estereótipos das noções de feminino do ocidente.

Sua personagem “drag” é um desvio dessa tendência: inspirada por Bartolina Sisa Vargas, uma líder aimara que se rebelou contra o Império espanhol e posteriormente foi capturada, torturada e assassinada em La Paz, na Bolívia, em 1782, Mamaní presta homenagem a essa mulher andina, a cholita, “uma mulher trabalhadora, chefe de família, que sai para o trabalho todos os dias e tem laços com a família, a comunidade, os antepassados e as tradições”.

Bartolina Xixa durante uma apresentação em Buenos Aires, em junho de 2018. Foto de Elisa Portela, usada com permissão.

Em um episódio do podcast “Relatos Disidentes”, do portal de Salta, VóVè, Mamaní descreve sua personagem:

Suelo decir que le presto mi cuerpo a Bartolina Xixa. [Un personaje que] nace por la urgencia de poder pensar otras formas de hacer folclore, otra forma de entender identidades que me vienen atravesando y que vienen atravesando a un colectivo.

Eu costumo dizer que empresto meu corpo para Bartolina Xixa. [Uma personagem que] nasceu da urgência de poder pensar em outras formas de fazer folclore, outra forma de entender identidades que cruzam minha própria experiência e que atravessam a experiência de todo um grupo.

Desafiando a construção da masculinidade argentina e a “norma LGBT”

O ativismo e a militância de Mamaní atraem as redes sociais – especialmente Facebook e Instagram  – por meio das quais transmitem mensagens provocativas. O melhor exemplo é uma postagem no Facebook que ficou conhecida como o “beijo gay”, e que se tornou viral em novembro de 2018.

O post foi compartilhado durante a partida de futebol entre Boca Juniors e River Plate, com imagens de Mamaní beijando outro homem em frente ao convento San Bernardo, em Salta, enquanto usavam as camisas das equipes rivais e com os dizeres “O Superclássico Beijo Gay”:

Um trecho do texto no post diz:

El super clásico beso Marica, Somos negros, somos villeros, somos del interior de Argentina, somos pobres, no somos el esteriotipo de cuerpo esbelto, somos los rostros negados por la colonialidad, SOMOS MARICAS, empoderadas y subalternas, alejadas del “clásico” gay estereotipado. […] Transitamos nuestra vida en los espacios y en la memoria que siempre son acallados por la heteronorma y la LGBTnorma. […] Un clásico argentino no es un BOCA Y RIVER, un clásico argentino es ver cómo nos estigmatizan, nos insultan, nos expulsan, nos odia, nos matan.

O superclássico Beijo Gay. Somos negros, somos das favelas, somos do interior da Argentina, somos pobres, não somos o estereótipo de um corpo esguio, somos rostos negados pela colonialismo. Somos gays, empoderados e subalternos, longe do gay ‘clássico’ estereotipado […] Vivemos nossa vida nos espaços e nas memórias que são sempre silenciados pela norma hétero e pela norma LGBT […] Um clássico argentino não é um BOCA contra RIVER, um clássico argentino é ver como nos estigmatizam, nos insultam, nos expulsam, nos odeiam, nos matam.

O post recebeu muitos comentários e todos tipos de reações de apoio, rejeição, ridicularização, admiração, amor e ódio dos usuários. A Global Voices falou com Mamaní sobre o post via WhatsApp:

Una cosa interesante fue la de atacarnos diciendo que no éramos argentinos. […] Lo que querían decir era que el rostro de la argentinidad es blanco, es heterosexual, y no tiene atributos morenos, indígenas, ni de diversidades sexuales.

Uma coisa interessante foi ver como nos atacaram dizendo que não éramos argentinos […] O que estavam tentando dizer é que o rosto da Argentina é branco, é heterossexual, e não tem características negras ou indígenas, nem tem diversidade sexual.

Mamaní reconheceu que é cauteloso quando publica nas redes sociais, ciente de como fica exposto a ataques e intolerâncias. Mas não permite que ataques e críticas negativas interfiram em seu objetivo principal de divulgar o trabalho artístico através de sua personagem drag, Bartolina, no espírito do ativismo ambiental, social, político e de gênero.

Ele também enfatizou como, dentro das chamadas comunidades de drag queens e LGBTQ na Argentina, ele é constantemente questionando por sua maneira de expressar a diversidade a partir de uma “perspectiva periférica”, de escolher como personagem um ícone estético da cultura indígena boliviana:

No es lo mismo ser un gay blanco de una ciudad que un gay moreno, con un cuerpo no estandarizado [según los cánones de belleza dominantes], con rostro indígena, que vive en una comunidad alejada de toda la cultura capitalista. [Ser] gay, pobre, trabajador… todo eso va a diferenciar las construcciones.

Não é o mesmo ser um gay branco de uma cidade do que um gay de pele morena, com um corpo fora dos padrões [segundo os padrões de beleza dominantes], com rosto indígena, que vive em uma comunidade distante de toda a cultura capitalista. [Ser] gay, pobre, da classe trabalhadora… tudo isso diferencia as construções.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Bartolina Xixa 🏳️‍🌈 (@bartolinaxixa) on

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.