Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

No Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha, não deixe de conhecer estas 7 guerreiras negras do Brasil

Teresa de Benguela foi uma líder quilombola no Brasil do século 18, durante o Brasil colonial. Viveu no atual estado do Mato Grosso. Imagem: reprodução

Teresa de Benguela foi uma líder quilombola durante o Brasil colonial. Viveu onde hoje é o estado do Mato Grosso. Imagem: Reprodução web

Este post foi publicado originalmente no blog da Agência Mural, com quem o Global Voices mantém uma parceria de conteúdo.

Hoje, 25 de julho, é celebrado o Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha, instituído em 1992 durante o 1º Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-Caribenhas. A data é um marco internacional da luta e resistência da mulher negra contra a opressão de gênero, o racismo e a exploração de classe. É um dia para reconhecer a presença e a luta das mulheres negras nesse continente.

No Brasil, também se celebra no mesmo dia o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra. Tereza foi uma líder quilombola no Mato Grosso durante o século 18.

As correspondentes da Agência Mural — agência de jornalismo das periferias de São Paulo, no Brasil — aproveitaram a data para homenagear algumas guerreiras negras periféricas que são inspiradoras para elas.

Lélia Gonzales

Por Semayat Oliveira, correspondente de Cidade Ademar

Lélia Gonzales (esquerda) e Semayat Oliveria (direita).

Lélia Gonzales (esquerda) e Semayat Oliveria (direita).

“No meio do movimento das mulheres brancas, eu sou a criadora de caso, porque elas não conseguiram me cooptar. No interior do movimento havia um discurso estabelecido com relação às mulheres negras, um estereótipo. ‘As mulheres negras são agressivas, são criadoras de caso, não dá para a gente dialogar com elas’, etc. E eu me enquadrei legal nessa perspectiva aí, porque para elas a mulher negra tinha que ser, antes de tudo, uma feminista preocupada com as questões que elas estavam colocando”, disse Lélia Gonzales em entrevista para o jornal do MNU — Movimento Negro Unificado, em maio de 1991.

Lélia nasceu em 1º de fevereiro de 1935, em Belo horizonte, e faleceu em 10 de julho de 1994, no Rio de Janeiro. Intelectual, professora, antropóloga e militante fundamental na história do movimento negro, fez parte da criação do Instituto de Pesquisas das Culturas Negras (IPCN-RJ), do Movimento Negro Unificado, do Nzinga Coletivo de Mulheres Negras-RJ, do Olodum-BA e outras frentes.

Ela é uma inspiração não só por ter sido pensadora fundamental na consolidação do conceito do feminismo negro no Brasil, mas, também, pela autenticidade de sua escrita, combativa, embasada e, ao mesmo tempo, irônica e leve — na medida do que se pode ser.

Seus textos oferecem uma leitura intrigante, uma viagem que ensina e provoca, atiça a reflexão e a ação. “Se a gente dá uma volta pelo tempo da escravidão, a gente pode encontrar muita coisa interessante. Muita coisa que explica essa confusão toda que o branco faz com a gente porque a gente é preto. Prá gente que é preta então , nem se fala”. Este é um trecho do artigo Racismo e sexismo na cultura Brasileira (1984\Lélia Gonzales). Fica o convite.

Leia um compilado de textos e artigos de Lélia aqui.

Sharylaine Sil

Por Lívia Lima, correspondente em Artur Alvim

mulheresnegras3

Sharylaine Sil (direita) e Lívia Lima (esquerda)

Para homenagear a minha amada zona leste, eu escolhi falar da Sharylaine Sil, que tem sua origem na região do Aricanduva. Ela foi pioneira da cultura hip-hop em São Paulo e uma das únicas mulheres no início do movimento, na década de 80. Fez parte do primeiro grupo de rap feminino, o Rap Girls, e a ela é atribuído o primeiro registro fonográfico rap de uma mulher no Brasil, em 1986.

Ela é inspiradora por ter aberto portas para mais mulheres dentro do hip hop, que por ser uma cultura periférica já enfrenta inúmeras dificuldades e preconceitos e, internamente, possui uma tradição muito masculina e muitas vezes machista. A mulher negra enfrenta sempre mais desafios em todos os espaços e por isso ela é inspiradora, é resistência!

Ouça: https://soundcloud.com/sharylaine

Dandara dos Palmares

por Martina Ceci, correspondente de Mogi das Cruzes

Dandara dos Palmares (esquerda) e Martina Ceci (direita).

Dandara dos Palmares (esquerda) e Martina Ceci (direita).

Existe alguém além de Zumbi. Dandara dos Palmares me faz querer mais sobre a memória da mulher negra. Ela foi mãe de três filhos, lutou — muitas vezes literalmente, com o que conhecia de capoeira — para a libertação verdadeira dos negros e cometeu suicídio para não voltar a viver como escrava.

Dandara inspira força, coragem e inteligência para nós mulheres negras que, ainda hoje, não nos vemos marcadas na história e precisamos lutar constantemente por lugares que ainda não nos permitem habitar.

Djamila Ribeiro

Por Beatriz Sanz (correspondente de Diadema)

mulheresnegras5

Djamila Ribeiro (esquerda) e Beatriz Sans (direita).

No dia da Mulher Negra e latino-americana, eu falo daquela que hoje representa um dos maiores ícones do movimento negro e feminista do Brasil: Djamila Ribeiro, que é mestre em Filosofia pela Unifesp, colunista da Carta Capital e secretária-adjunta da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo.

Ela pertence a uma nova classe de mulheres negras que estão ascendendo ao poder, sem esquecer de suas raízes, trazendo questões que ainda precisam ser debatidas dentro da militância. Ao falar de Djamila, eu automaticamente homenageio todas as mulheres negras que estão ao meu redor. Procuro nunca me esquecer que eu sou porque nós somos. Ubuntu.

Iracema do Nascimento

Por Jéssica Moreira (correspondente de Perus)

mulheresnegras6

Nascida no Jardim São Luiz, na periferia da zona sul de São Paulo, Iracema do Nascimento foi uma de minhas maiores inspirações Negras. Foi a minha primeira e única chefe negra e, ao ver seu Black Power ainda durante a entrevista de emprego, senti que, finalmente, poderia conseguir aquela vaga. Consegui.

Estudou Jornalismo na Unesp, fez mestrado na USP e agora está terminando o Doutorado em Educação na USP também. Além disso, morou em Londres, onde limpou casa, cuidou de criança, num tempo que ninguém da periferia fazia intercâmbio. Por aproximadamente dez anos foi coordenadora executiva da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, onde lutou bravamente pelo Direito à creche às crianças e por maiores investimentos em Educação no Brasil.

Carolina Maria de Jesus

por Priscila Pacheco (correspondente do Grajaú)

mulheresnegras8

Carolina Maria de Jesus (esquerda) e Priscila Pacheco (direita).

Quem é Carolina Maria de Jesus? Carolina é uma escritora brasileira que teve livros traduzidos para mais de 10 idiomas. Escreveu romances, crônicas e poesias. Mulher negra e de família pobre, nasceu no interior de Minas Gerais em 1914, estudou até a segunda série do primário e trabalhou na lavoura ainda criança. Chegou na capital de São Paulo já na vida adulta. Foi morar na favela do Canindé, zona norte, sobrevivia como catadora de materiais recicláveis e escrevia em velhos cadernos. Lá foi descoberta pelo jornalista Audálio Dantas.

Carolina chegou ao mercado editorial, publicou seus escritos, conseguiu comprar uma casa em Santana, também zona norte. No fim da década de 1960, se mudou para um sítio em Parelheiros, extremo sul da capital de São Paulo, e lá ficou até o fim da vida, 1977. Carolina deixou filhos e outros livros que foram publicados postumamente. Diante da história de Carolina, me sinto envergonhada por ter a conhecido há tão pouco tempo e me pergunto: Por que Carolina Maria de Jesus não apareceu nas aulas de literatura que tive na escola?