Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Cuba se colore de amarelo pelos “Cinco Prisioneiros” nos EUA

Perfil de Facebook de usuarios solidarios con la causa de Los Cinco

 [Os links são direcionam a páginas em espanhol]

O dia 12 de setembro de 2013 marca os 15 anos desde a prisão dos cinco cubanos que infiltraram grupos em Miami, nos Estados Unidos, e impediram ações subversivas e guerra psicológica contra o povo cubano. Quatro deles permanecem até hoje em prisões americanas.

Às vésperas do aniversário do aprisionamento e durante toda a semana, um vídeo circulou pelas redes sociais e na televisão cubana, mostrando uma versão popular da música  “Tie a Yellow Ribbon Round the Oak Old Tree” (Amarre Uma Fita Amarela ao Redor do Velho Carvalho), apresentada pelos cantores e compositores cubanos Silvio Rodríguez, Amaury Pérez Vidal, Frank Fernández e Kiki Corona, entre outros.

De acordo com René Gonzáles, um dos cinco prisioneiros cubanos detidos nos Estados Unidos, que recentemente retornou à ilha após cumprir pena de 13 anos:

La idea de la campaña me la dio la gente en la calle… lo que necesitábamos era el lenguaje norteamericano… Un día me desperté y dije: la cinta amarilla! por el significado que tiene en Estados Unidos.

A idéia da campanha chegou até mim pelas pessoas nas ruas… O que necessitávamos era algo que os americanos pudessem se identificar… Um dia eu acordei e disse: a fita amarela! pelo que este ato representa ao Estados Unidos.

Em um discurso retransmitido pela televisão cubana, Gonzáles disse:

Yo cumplí mi sentencia íntegramente, pero tenemos que impedir que eso suceda con mis cuatro hermanos por todo lo que implica y, aunque es duro decirlo, tenemos que recordar que eso para Gerardo implica que si los designios del gobierno norteamericano se cumplen, él moriría en la cárcel.

Eu cumpri toda a minha sentença, mas nós precisamos evitar que o mesmo aconteça com meus quatro irmãos por causa de todas as implicações e, embora seja doloroso dizer, nós precisamos lembrar que, para Gerardo, isto significa que, se as intenções do governo americano forem satisfeitas, ele acabará morrendo na prisão.

Ele ainda complementou:

Durante estos años hemos tenido como protagonista del cariño al pueblo cubano. Ese cariño se ha manifestado de todas las formas posibles en las cartas, en los mensajes, en los dibujos de los niños y ese cariño es el que queremos que sea en esta ocasión el protagonista de la jornada.

Yo he tenido ocasión de sentirlo, de vivirlo, de palparlo, de experimentarlo en las calles de Cuba, de todas las formas posibles y en cualquier punto geográfico de la Isla y ese es el cariño que le estamos pidiendo que se manifieste en esta ocasión, donde ustedes lo hagan de la forma en que quieran, con toda la diversidad que nos caracteriza como cubanos y en la mejor manera que cada cual considere en su aula, en su centro de trabajo, en su barrio, en su proyecto comunitario, que puede ser capaz de manifestarlo.

Durante todos estes anos, o afeto do povo cubano foi da maior importância para nós. Este afeto foi demonstrado de várias maneiras; em cartas, mensagens, desenhos feitos por crianças – e é este mesmo afeto que nós queremos que exista nesta data comemorativa.

Eu tive o privilégio de sentir, de viver, de tocar e de experimentar todo este afeto nas ruas, de todas as possíveis formas e por todos os lugares na ilha; e é este o afeto que nós pedimos que haja nesta ocasião, onde quer que vocês estejam e da forma que vocês escolherem, com toda a diversidade que nos distinguem como cubanos e da melhor maneira que cada um possa fazê-lo – seja na classe da escola, no ambiente de trabalho, na vizinhança ou no projeto comunitário.

Em um artigo emocionado, o Progresso Semanal reportou:

Cualquiera de estos días podrían aparecer cintas hasta en el Morro habanero… Serán las señales de anhelo, espera, fidelidad a cuatro cubanos encarcelados en Estados Unidos desde hace 15 años. René González ha convocado. El pueblo cubano se pronunciará. El pueblo norteamericando podrá captar el reclamo.

Algum dia desses poderiam aparecer fitas até mesmo em El Morro, em Havana. Elas seriam um sinal de saudade, espera e fidelidade para com os quatro cubanos aprisionados nos Estados Unidos há 15 anos. René Gonzales nos convocou. O povo cubano fará de tudo para ser escutado. As pessoas por todo os Estados Unidos entenderão o nosso anseio.

Durante um show da dupla popular cubana Buena Fé, realizado no dia 6 de Setembro no bairro Diez de Octubre em Havana, Israel Rojas declarou: 

Buena Fe concert. Photo Iroko Alejo, used with permission.

Show da dupla Buena Fé. Foto por Iroko Alejo, usada com permissão.

No iba a decir esto, pero ya que estoy acá sobre la canción lo diré. Hay uno de los cinco compañeros que si se cumple lo que está escrito no verá la luz al final del túnel. Es Gerardo. El diario Juventud Rebelde publicó hace un tiempo unos testimonios de Gerardo sobre cómo enamoró a Adriana [su esposa] y me conmovió tanto, me pareció tan humano que sin saberlo al día siguiente nació esta canción que quiero dedicársela a Adriana y a Gerardo, se llama de “Proa a Popa” y quisiera cantársela si vienen un día a un concierto nuestro”.

Eu não ia dizer isto, mas agora que estou aqui falarei sobre a canção: há um membro do grupo dos cinco que, se for obrigado a cumprir sua pena, não verá a luz no fim do túnel. Ele é o Gerardo. Um tempo atrás, o jornal “Juventud Rebelde” publicou algumas declarações feitas por Gerardo sobre como ele se apaixonou por Adriana [sua esposa] e isto me emocionou muito. Pareceu-me tão humano que sem saber nada, esta canção tenha sido criada no dia seguinte. Ela se chama “Proa a Popa”, [De popa a proa], e eu gostaria de cantá-la um dia, se eles viessem a um dos nossos concertos.

De acordo com os criadores do Alamesa, um popular diretório estatal dos restaurantes privados de Havana, que recentemente foi expandido, incluindo a província de Matanzas: “Nós vamos publicar uma lista de comidas amarelas no dia 12; esta é nossa forma de contribuição”.

No entanto, a solicitação do povo cubano também se estende ao porto-riquenho Oscar López Rivera, prisioneiro político que está preso nos Estados Unido há 32 anos. MIguel Fernández, no seu blog Cuba, a ilha infinita, explica: “Neste dia 12 de setembro minha fita amarela será para homenagear os ‘Cinco cubanos’ e o porto-riquenho Oscar López Rivera”.

Tradução editada por Débora Medeiros como parte do projeto Global Voices Lingua