Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Além da história oficial, livro conta como Edir Macedo criou império com Igreja Universal, banco e partido político

Glberto Nascimento passou boa parte da carreira cobrindo assunto ligados à religião e política | Imagem: Divulgação/Ed.Companhia das Letras/Usado com permissão

Aos 75 anos, o bispo brasileiro Edir Macedo tem um império: é o dono da segunda maior rede de televisão do Brasil (Record), um partido político (Republicanos), um banco, lidera uma das comunidades neopentecostais mais fortes do mundo, a Igreja Universal do Reino de Deus, criada por ele mesmo nos anos 1970, e é próximo ao presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

A história da ascensão de um dos homens mais poderosos do país é contada no livro “O Reino – A história de Edir Macedo e uma radiografia da Igreja Universal” (Companhia das Letras, 2019), do jornalista Gilberto Nascimento, experiente na cobertura de assuntos ligados à religião em publicações como Folha, Estadão, O Globo e Istoé.

Foram quatro anos de trabalho investigativo sobre como poder religioso, político e econômico se entrelaçam com fé e ambição. No livro, Macedo não é vilão, nem herói. De Didi à Bispo Edir Macedo, o autor caminha por assuntos polêmicos, desde o surgimento da Universal, a eleição do Presidente Jair Bolsonaro e a expansão de grupos neopentecostais no país.

Divulgação (Ed. Companhia das Letras)

A pesquisa de Nascimento mergulhou em documentos e processos no Judiciário, denúncias do Ministério Público, relatos de pessoas que vivenciaram lado a lado a instituição Universal, assim como uma extensa pesquisa bibliográfica composta por livros acadêmicos, revistas e jornais datados desde o final de 1980.

Hoje a Igreja Universal do Reino de Deus é uma das mais poderosas do mundo, com mais de 10 mil templos espalhados pelo Brasil e pelo exterior. Com 1,8 milhão de seguidores, segundo o livro, influencia a política, a moral e os costumes da sociedade brasileira.

Nascimento retrata como as conexões das esferas do poder contribuíram para a ascensão do legado de Macedo, que diversificou negócios desde emissoras de comunicação à administradora de cartão de crédito e plano de saúde.

Nascimento conversou por telefone com o Global Voices. A entrevista a seguir foi editada e condensada.

Global Voices: O que te levou a contar a história de Edir Macedo?

Gilberto Nascimento: Já existia a biografia oficial do Edir Macedo, no livro “O Bispo”, escrito pelo jornalista Douglas Tavolaro [diretor de jornalismo da TV Record, de Macedo, na época da publicação — ed] e os três volumes de “Nada a Perder”, escritos pelo próprio Edir Macedo [livros que ganharam adaptação no cinema]. A história não oficial não havia sido contada. E muitos ex-integrantes da Igreja, que tiveram papel importante nela, praticamente não existem no relato oficial. Muitos deles queriam contar a sua versão para fatos marcantes ocorridos na Igreja, que presenciaram. É importante registrar esses acontecimentos, mostrar o crescimento vertiginoso da Universal e o imenso poder religioso, político e econômico acumulado pelo bispo Macedo. É o único brasileiro a ter sob seus domínios uma Igreja, uma rede de televisão, um partido político e um banco.

GV: O que foi deixado da história oficial contada que essas testemunhas da Igreja da Universal achavam importante contar?

GN: Em biografia oficial, a tendência quase sempre é do personagem citado só publicar aquilo que for interessante para ele, que vai mostrar que ele é bom, generoso, um ser humano perfeito. Se um jornalista faz uma história de um personagem ele irá contar tudo, não só o que é bom. Nos livros escritos por Edir Macedo, a história é contada a partir da visão e do interesse dele. Os problemas na justiça são citados em um parágrafo, que diz que é tudo inverdade,  ele se diz o tempo todo perseguido pela Igreja Católica e pela Rede Globo. Tem muitos fatos ali que não saíram de intrigas, mas de denúncias formuladas pelo Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual, por documentos e por denúncias de ex-integrantes da igreja, de fiéis que foram à Justiça. Meu livro vai contar outra parte da história dele, com intrigas, desavenças internas e denúncias.

GV: Por que essas pessoas não foram ouvidas antes?

GN: Quem não tem história para contar que interessa para o Bispo não vai ser citado. E aqueles que saíram da igreja, que eram amigos e aliados, mas romperam, não aparecem.

GV: Diante da realidade brasileira atual qual é a importância da publicação deste livro?

GN: O livro mostra o surgimento e a evolução de uma das mais atuantes igrejas neopentecostais do mundo, o poderio alcançado pelas bancadas da Universal e de outras igrejas evangélicas, o fortalecimento do ativismo evangélico no país, que influi decisivamente hoje na discussão e aprovação de pautas conservadoras no Legislativo e, inclusive, ajudou a levar ao Palácio do Planalto o atual presidente da República, Jair Bolsonaro. Creio que o livro ajuda a entender um pouco o que acontece hoje no Brasil e porque fomos nos meter nesse buraco.

GV: Como é a presença da Universal no exterior hoje?

GN: A Igreja é forte hoje na África, principalmente em Angola e Moçambique. No momento, enfrenta uma crise interna em Angola. Bispos e pastores, que ainda estão na Igreja, têm se rebelado contra os brasileiros dirigentes da instituição.

GV: Em países que não são judaico-cristãos existe presença da Universal?

GN: A Universal é forte no Brasil, em Portugal e na África. A igreja sempre encontrou dificuldade para entrar em países onde predomina o Islamismo. Embora esteja presente em dezenas de nações, em algumas regiões tem uma presença pequena. Não há um levantamento preciso sobre o tamanho e a força da Igreja em cada um dos países onde ela se instalou.

GV: Qual a diferença do fiel da Universal de outras igrejas neopentecostais e quais suas ramificações sociais?

GN: As igrejas neopentecostais, em geral, têm como uma de suas principais características a identificação com a teologia da prosperidade. Segundo essa doutrina, a bênção financeira é um desejo de Deus. Prega que o discurso positivo e as doações a Deus levarão o fiel a obter a riqueza material. As igrejas pentecostais mais antigas e tradicionais, como a Assembleia de Deus e a Congregação Cristão do Brasil, têm uma atuação mais discreta, inclusive na ação política e na forma de colher as ofertas. Esses dois segmentos evangélicos, por sua vez, são bem diferentes das igrejas protestantes tradicionais, as chamadas históricas, derivadas diretamente da Reforma Protestante de Martinho Lutero, no século XVI.

GV: Por que o Bispo Macedo demonstrou tanta resistência a incluir filosofia e teologia na formação de seus pastores? Quais são as crenças e princípios da Igreja dele?

GN: Edir Macedo é muito pragmático. Queria pastores com boa oratória e desenvoltura, com capacidade para comandar e liderar multidões e condições de convencer os fiéis a doar para Deus e fortalecer o projeto de sua Igreja. Não iria “perder tempo” com estudos e teorias que poderiam se voltar, depois, contra a própria instituição. Queria religiosos mais práticos e “eficientes”.

GV: Edir Macedo começou a Universal em 1977, quando o Brasil estava sob a ditadura militar. Como foi essa relação dele com o poder e a política através dos anos?

GN: Sobre o período militar, não tive acesso a informações, mas a família dele tinha relação com o Carlos Lacerda, ex-governador do Rio de Janeiro, que foi comunista, apoiou o golpe de 1964, se tornou conservador, depois rompeu com os militares e virou oposição. A Igreja cresce muito no final dos anos 80, [depois da ditadura]. Depois que Edir Macedo compra a TV Record, ele começa uma relação com o governo porque era necessária — ele se aproximou do em busca de apoio para conseguir a concessão e acabou conseguindo. O livro mostra as relações deles com os sucessivos governos. Em 1989, foi a primeira eleição para presidente após o regime militar, então é a partir deste momento que a Igreja adquire expressão e força e passa a conversar com presidentes.

 GV: O que mudou com Bolsonaro para a Igreja Universal? 

Mostro no livro que eles sempre procuraram ter boas relações, com qualquer governo, seja de direita, centro ou esquerda, para entre outras coisas obter mais receptividade no atendimento das suas reivindicações. Agora muda bastante coisa, é um governo que tem uma linha de ação, uma plataforma política muito mais identificada com a Universal e com a pauta de evangélicos conservadores. Bolsonaro já disse que vai nomear um Ministro do Supremo Tribunal Federal “terrivelmente evangélico”. A Record que apoiou e deu espaço para ele durante a campanha já está recebendo verbas de publicidade maiores do que a Rede Globo, que é a maior emissora e tem mais audiência. O partido político comandado pela Universal, o Republicanos, vai abrigar os candidatos apoiados pelo Bolsonaro nas próximas eleições municipais, vai funcionar como uma espécie de legenda de aluguel. [Bolsonaro está tentando criar um partido próprio, mas ele não ficará pronto até às eleições deste ano]

GV: A proximidade com a política foi essencial na expansão da Igreja no Brasil e em outros países? O que seria da Universal sem isso?

GN: Sim. Principalmente aqui no Brasil, a gente sabe que em países da África, Edir Macedo e a Universal sempre procuraram se aproximar dos governantes e inclusive de alguns países em sistema de ditadura, para a Igreja não sofrer restrições na sua atuação. E o que seria da Igreja Universal sem isso? Obviamente encontraria mais dificuldade com a sua expansão. A boa relação com os governantes é uma coisa muito clara para eles, eles prezam muito, e continuam procurando atuar dessa maneira até hoje.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.