Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

‘L Japan’: casal de Kobe fala sobre vida lésbica em canal do YouTube

L Japan

L Japan é um canal do YouTube de um “Casal Lésbico Internacional que vive na região de Kansai: Miho (japonesa) e Clare (americana)”.

“Fazer vídeos tem sido para nós uma válvula de escape divertida e criativa, além de uma forma gratificante de se assumir abertamente, com orgulho”, diz Clare que, junto de sua parceira Miho, produz o “L Japan”, um canal do YouTube em que elas vlogam sobre a vida lésbica no Japão. Miho e Clare se autoidentificam como lésbicas.

“Decidimos começar o nosso canal primeiro porque, embora tenhamos encontrado outros casais lésbicos no Japão, todos eram compostos por duas japonesas e, portanto, ninguém como nós”, disse Clare em uma entrevista à Global Voices. “E pessoalmente eu queria criar um recurso para outras mulheres como eu, que queriam sair com mulheres no Japão, mas sempre acharam ser impossível”.

Clare nasceu na Flórida, nos Estados Unidos, enquanto Miho é da Prefeitura de Nara. Ambas agora moram na cidade portuária de Kobe, ao oeste de Osaka, e estão juntas há um ano e meio.

“Temos vídeos conversando em japonês sobre diferentes assuntos, fazemos algumas atividades divertidas, saímos em encontros”, disse Clare à Global Voices. “Também tenho vídeos em que gravo sozinha, em inglês, sobre a vida lésbica no Japão”.

Miho e Clare começaram o canal em novembro de 2019, e até agora publicaram quase trinta vídeos. No vídeo abaixo, Clare e Miho viajam à Nara para conhecer os pais de Miho, e também para refletir sobre o ano que está por vir. Embora os vídeos sejam gravados em japonês, o YouTube disponibiliza legendas em inglês.

“A família da Miho (em Nara) aceitou muito bem a nossa relação, inclusive os avós dela, de 87 e 91 anos”, disse Clare, que também disse notar que, em geral, como uma mulher lésbica, a vida é mais confortável no Japão.

“Os japoneses parecem não ter uma opinião construída sobre a comunidade LGBT, o que por um lado torna o ativismo (como lutar pela mudança de leis sobre casamento entre pessoas do mesmo sexo) difícil, mas sair em geral muito fácil”, observa Clare. “Andamos de mãos dadas sem problema algum, e dizemos às outras pessoas que somos um casal. Alguns ficam confusos, mas nunca tivemos reações negativas”.

O casamento homoafetivo e a legalização da parceria entre pessoas do mesmo sexo continuam sendo questões-chave para a comunidade LGBTQ+ vivendo no Japão. No início de fevereiro, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, rejeitou os pedidos pela legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Na ausência de uma liderança nacional para lidar com essas questões, autoridades locais e municiais no Japão estão cada vez reconhecimento mais as parcerias entre pessoas do mesmo sexo, o que resulta em importantes implicações para temas como propriedade compartilhada, planejamento patrimonial e planejamento de aposentadoria.

“A união entre pessoas do mesmo sexo ainda não é reconhecida onde vivemos (em Kobe), mas existe um aumento em áreas próximas e acredito que seja apenas uma questão de tempo para Kobe também implementar o sistema de “parceria”, disse Clare. “De qualquer forma, planejamos nos casar de verdade fora do Japão, mesmo que não seja reconhecido aqui”.

No entanto, Clare diz que, no fim, o objetivo delas é oferecer uma perspectiva divertida e informativa sobre viver no Japão.

“Mesmo que coloquemos tags nos nossos vídeos como ‘casal lésbico’ ou ‘casal internacional’, o que realmente queremos é que as pessoas vejam que não somos tão diferentes dos outros casais”, disse Clare.

Assista aos vídeos de Miho e Clare no canal L Japan no YouTube, incluindo essa introdução a gírias lésbicas japonesas:

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.