Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

A brasileira que passou de imigrante sem documentos a uma cadeira no Congresso espanhol

A brasileira Maria Dantas, de jaqueta jeans, foi eleita deputada na Espanha. Foto: Mariana Araújo, usada com permissão.

Este texto, de autoria de Maria Badet e Rodrigo Borges Delfim, foi publicado no site MigraMundo e é republicado pelo Global Voices por meio de uma parceria de conteúdo.

Pela primeira vez na história da Espanha, uma deputada federal de origem brasileira é eleita para ocupar uma das vagas no Congresso dos Deputados. Maria Dantas foi eleita pelo partido Esquerda Republicana da Catalunha (ERC) no último dia 28 de abril, dentro do processo para renovação do Congresso e do Senado da Espanha.

A indicação de Dantas para o cargo é resultado de anos de ativismo social realizados no partido e a seu trabalho em defesa dos direitos humanos na Catalunha. A deputada era a quinta na lista do partido no Congresso, que elegeu um total de 15 parlamentares. A ERC é a primeira força política catalã no Congresso espanhol – ao todo foram 350 cadeiras em disputa nesta legislatura.

Maria Dantas nasceu em 1969 em Aracaju, capital do estado de Sergipe, na região Nordeste do Brasil. É advogada e ativista social e vive há 25 anos em Barcelona. A deputada chegou ao Estado espanhol para realizar estudos de 2º e 3º ciclos em Direito Ambiental, Filosofia Jurídica, Moral e Política, e Finanças. Atualmente, trabalha em uma empresa catalã na área de finanças, mas há anos dedica seu tempo livre ao ativismo contra o racismo e o fascismo, e pela defesa dos direitos humanos, civis, e políticos das pessoas.

A deputada é membro, entre outras organizações, da plataforma Unidade Contra o Fascismo e o Racismo (UCFR). Entre movimentos com os quais já colaborou estão o Tras la Manta (“Depois do cobertor”, em tradução livre do espanhol e do catalão; o movimento dá suporte aos vendedores de rua em Barcelona), a Associação Intercultural Latinos por Catalunha, e a Agência de Comunicação Intercultural (Itacat).

Há cerca de dez anos, conseguiu a cidadania espanhola, o que permitiu a ela ter direitos políticos. Nos últimos oito anos, ela participou do setor de cidadania e migração e no setor de movimentos sociais da Esquerda Republicana de Catalunha (ERC).

Maria Dantas homenageando Marielle Franco após sua vitória na Espanha. Foto: Mariana Araújo, usada com permissão.

Nascida em uma família humilde, Dantas viveu em situação indocumentada por muitos anos na Espanha e sabe em primeira mão as dificuldades que essa realidade acarreta. Em entrevista ao MigraMundo por telefone após a eleição, ela dedicou a vitória aos movimentos sociais:

“Agradeço muito aos movimentos sociais pelo apoio. É importante que haja mulheres e minorias no governo para mudar paradigmas.”

Dantas vestia uma camiseta com a imagem de Marielle Franco, vereadora do Rio de Janeiro assassinada em março de 2018, durante a comemoração da sua vitória nas urnas espanholas.

Ao MigraMundo, a deputada eleita afirma ter Marielle como inspiração. Dantas conta que aceitou o convite para integrar a lista do partido com base em um pensamento de Marielle – sobre a importância de atuar não só na base, mas também nas instituições.

“Mudança social é feita desde a base, mas é importante também entrar nas instituições e atuar por dentro.”

A advogada sabe que não terá vida fácil. Ao levantar bandeiras como direitos políticos para imigrantes e vias seguras para que os mesmos possam entrar no país, vai bater de frente com o poderio dos partidos de extrema-direita no Legislativo nacional. Foi esse contexto adverso, no entanto, que serviu a ela como maior incentivo para aceitar o convite de seu partido.

Questionada pelo MigraMundo sobre o avanço da extrema-direita na Espanha — representada pelo partido Vox, que obteve um total de 24 assentos –, Dantas mandou um recado ao deputado Santiago Abrascal, líder da legenda. Será a primeira vez desde a queda da ditadura de Francisco Franco (em 1975) que um partido de inspiração franquista terá lugar no Congresso espanhol.

“Ele vai encontrar uma imigrante nordestina, cabra da peste, que luta há anos em plataformas LGBTI, antifascista e anti-islamofobia”

Passada a eleição, cujo vencedor com 123 cadeiras foi o Partido Socialista, do atual premiê Pedro Sánchez, o próximo desafio é a formação de governo — a formação de alianças para se obter uma maioria no Parlamento.

A ERC, de Dantas, avisou que não fará nenhuma negociação com partidos de direita e extrema-direita.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.