Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Com pouca repercussão nacional, escolas de Goiás são desocupadas com violência

Secundaristas em luta em Goiás. Foto: Reprodução/Youtube

Secundaristas em luta em Goiás. Foto: Reprodução/Youtube

Relatos de ameaças e violência policial nas escolas de Goiás, ocupadas desde o fim do ano passado por estudantes secundaristas, tem surgido nas redes sociais na última semana.

No dia 14 de janeiro, a Justiça de Goiás determinou a reintegração de posse das escolas das cidades de Goiânia e Anápolis. Os estudantes alegam terem sido retirados dos estabelecimentos com violência pela polícia. Também dizem ter sido agredidos por pais de alunos e diretores das escolas. A maioria dos ocupantes tem entre 13 e 16 anos.

Os goianos protestam contra os planos do governo estadual de entregar a administração das instituições à organizações privadas e à Polícia Militar. No Brasil, várias escolas secundárias são administradas pelas forças armadas ou pela polícia, uma política criticada por educadores. Em setembro, o Comitê dos Direitos da Criança das Nações Unidas emitiu um relatório sobre o Brasil demonstrando preocupação diante da presença do setor privado e militar no sistema educacional básico do país.

Inspirados pelo movimento estudantil de São Paulo — que conseguiu a revogação de uma medida que fecharia mais 90 escolas –, os secundaristas goianos passaram a ocupar suas escolas no fim do ano passado. No entanto, diferentemente da mobilização paulista, as ocupações de Goiás tem recebido pouca cobertura da imprensa nacional, com a repercussão se restringindo às redes sociais e à mídia local.

Caricatura da secretária de educação de Goiás Raquel Teixeira que mandou cortar a água e a energia das escolas ocupadas e, ao ser questionada, disse "quem nunca cometeu um erro?". Imagem via Zé Ninguém.

Caricatura da secretária de educação de Goiás Raquel Teixeira que mandou cortar a água e a energia das escolas ocupadas e, ao ser questionada, disse “quem nunca cometeu um erro?”. Imagem via Zé Ninguém.

No dia 25 de janeiro, estudantes do Colégio Ismael Silva de Jesus, localizado em Goiânia, relataram que policiais pularam o muro da escola e agrediram os alunos ocupantes. Segundo a página no Facebook Secundaristas em Luta – GO:

Nesse momento os alunos, ainda machucados, estão resistindo na porta da escola enquanto sofrem violência de pessoas da comunidade. Dois ocupantes foram ATROPELADOS na porta. E um dos estudantes que foi atropelado foi pro hospital com fratura exposta.

Apoiadora do movimento, a funcionária da Universidade Federal de Goiás (UFG) Mariana Barbosa, que chegou à escola minutos após o ocorrido, confirmou em seu Facebook que os alunos foram agredidos e expulsos por policiais e alguns membros da comunidade local. Após a agressão, estes últimos passaram a anunciar, em um carro de som, que as matrículas no colégio para o ano letivo de 2016 estariam abertas.

Ela também denunciou ter sofrido ameaças por policiais enquanto levava os estudantes agredidos para o Ministério Público para que eles denunciassem o ocorrido:

Ao passarmos por uma rua um pouco mais afastada da escola e bem vazia, nossos carros foram fechados por mais três carros, sem nenhum tipo de identificação policial, nem nos veículos e muito menos uniformes ou distintivos nos policiais. Fecharam a gente, sairam de seus carros com arma na mão mandando a gente descer e colocar a mão na cabeça. Assim fizemos. Nos trataram com muita truculência. Gritaram com as crianças, não nos deixaram pegar nossos celulares para avisar o advogado, revistaram os carros, revistaram nossas bolsas, jogaram as cosias dxs meninxs no asfalto.

Um secundarista descreveu em vídeo a ação da polícia no colégio Ismael Silva de Jesus:

O Colégio Estadual Rui Barbosa, que havia sido ocupado dois dias antes, também foi alvo da polícia no dia 25. Alunos relatam na página Ocupação Rui Barbosa terem sido expulsos do local com violência.

Já os estudantes do colégio Lyceu de Goiânia denunciaram no dia 26 de janeiro o rompimento deliberado de um cano de gás da escola, numa tentativa de sabotagem da ocupação:

Hoje sentimos um cheiro muito forte e quando fomos procurar o problema encontramos o cano de gás do Lyceu serrado, vazando, NA IMINÊNCIA DE UMA EXPLOSÃO. O acesso é fácil pra quem está na rua, pularam e sabotaram o encanamento.

Ainda que estivéssemos cientes da violência direta ~que já começamos a sofrer~, ainda que soubéssemos que seríamos vítimas da opressão e da ditadura marconista, não esperávamos que algo tão sério pudesse acontecer contra o movimento.

Essa situação é muito séria, colocou em risco a vida e integridade física dos ocupantes.

Na noite do dia 26, estudantes protestaram na sede da Secretaria de Educação de Goiás (SEDUCE) e alguns permanecem acampados no local. De acordo com a página Zé Ninguém, que vem postando vídeos e fotos das ocupações:

Após um dia de truculência, violência policial, reintegração de posse sem órdem judicial e chegar ao extremo de TENTATIVA DE ASSASSINATO. Estudantes, professores e apoiadores colocaram um basta no autoritarismo do governo, que privatizou o ensino público sem abrir nenhum canal de dialogo ou mesmo uma audiência pública.

O prédio da SEDUCE acabou de ser OCUPADO por dezenas de pessoas!

Cano de gás do colégio serrado e oferecendo perigo de explosão e à vida dos estudantes ocupados. Imagem via perfil "Ocupação Lyceu de Goiânia", uso livre.

Cano de gás do colégio Lyceu de Goiânia serrado. Foto: Ocupação Lyceu de Goiânia/Facebook

O professor Rafael Saddi afirmou em sua página pessoal que ele e outros professores apoiadores do movimento estariam sendo perseguidos pela polícia civil por apoiar a luta dos estudantes:

Só queria dizer que o delegado que está chefiando a operação, que pretende me incriminar junto com outros professores e estudantes por organização criminosa, corrupção de menores, dano ao patrimônio público e furto (me incriminar por quebrar e furtar escolas, é mole?) é o mesmo delegado que chefiou a operação 2,80.

Esta Operação 2,80 foi a que prendeu os 03 estudantes da luta pelo transporte coletivo.

A página Secundaristas em Luta – GO ainda denunciou que o Conselho Tutelar estaria telefonando para pais de alunos os ameaçando.

A Universidade Federal de Goiás (UFG) lançou nota de repúdio à violência contra os estudantes. Pelas redes sociais, diversos ativistas tem prestado solidariedade.