Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Equador Concede Asilo a Fundador do WikiLeaks Julian Assange

Depois de muito suspense [en], o Equador anunciou que irá conceder asilo político [en] ao fundador do WikiLeaks Julian Assange. O ministro de Relações Exteriores do Equador Ricardo Patiño fez o anúncio às 7 horas da manhã, horário do Equador – 13h no horário de Londres – no dia 16 de agosto de 2012. Conforme o site Justiça para Assange [en] explica:

Assange is currently under the protection of the Ecuadorean embassy. He has requested asylum based on a well-founded fear of persecution, torture or death in the United States in connection with the publication of truthful information of matters of interest to the public through his work with WikiLeaks.

Assange se encontra atualmente sob a proteção da embaixada do Equador. Ele pediu asilo com base em seus temores de ser perseguido, torturado ou condenado à morte nos Estados Unidos, devido à publicação de informação verídica envolvendo assuntos de interesse público através do seu trabalho com o WikiLeaks.

O jornalista cidadão James Albury (@alburyj) tem transmitido um live-stream direto do exterior da embaixada do Equador em Londres.

O perfil no Twitter do site Justiça para Assange (@swedenvsassange) escreveu:

@swedenvsassange: A Latin American country of 13 million people has taken a decision to protect the right to know of the entire world's population. #assange

@swedenvsassange: Um país latino-americano com 13 milhões de habitantes tomou a decisão de proteger o direito de toda a população mundial de saber a verdade. #assange
Press stand opposite the Ecuadoran Embassy in London on August 16, 2012. Photo by See Li, copyright Demotix

A imprensa postada em frente à embaixada do Equador em Londres no dia 16 de agosto de 2012. Foto por See Li, copyright Demotix.

O Escritório de Relações Exteriores e da Commonwealth do Reino Unido (@foreignoffice) reagiu imediatamente ao anúncio:

@foreignoffice: We are disappointed by the statement from Ecuador’s Foreign Minister that #Ecuador has offered political asylum to Julian #Assange.

@foreignoffice: Estamos dcepcionados com o comunicado do ministro de Relações Exteriores do Equador de que o #Equador ofereceu asilo político a Julian #Assange.

@foreignoffice: Under our law, with Mr Assange having exhausted all options of appeal UK authorities are under binding obligation to extradite him to Sweden

@foreignoffice: De acordo com as nossas leis, tendo o sr. Assange exaurido todas as possibilidades de apelo, as autoridades britânicas são obrigadas a extraditá-lo para a Suécia

@foreignoffice: We shall carry out that obligation. The Ecuadorian Government's decision this afternoon does not change that. #Assange

@foreignoffice: Nós iremos cumprir com a nossa obrigação. A decisão do governo do Equador esta tarde não muda isso. #Assange

@foreignoffice: We remain committed to a negotiated solution that allows us to carry out our obligations under the Extradition Act. #Assange

@foreignoffice: Seguimos determinados a encontrar uma solução negociada que nos permita cumprir com as nossas obrigações sob o Ato de Extradição. #Assange

Em resposta a esses tweets, o WikiLeaks (@wikileaks) escreveu:

@wikileaks: Which is of course just spin. The UK is under a binding obligation to recognize asylum, the rights of refugees and its other UN agreements.

@wikileaks: O que, é claro, tem outro lado. O Reino Unido tem a obrigação de reconhecer o asilo, os direitos de refugiados e outros acordos firmados com a ONU.

Internautas do Equador e de todo o mundo têm discutido o tema desde o dia 15 de agosto, quando o Equador recebeu uma carta do Reino Unido. Patiño declarou na quarta-feira, conforme reportou a BBC [en]: “Hoje recebemos uma ameaça explícita do Reino Unido, por escrito, de que eles invadiriam a nossa embaixada em Londres se nós não entregarmos Julian Assange.” O WikiLeaks divulgou [en] uma declaração [en] sobre a ameaça, ressaltando que:

Any transgression against the sanctity of the embassy is a unilateral and shameful act, and a violation of the Vienna Convention, which protects embassies worldwide.

Qualquer transgressão contra a integridade da embaixada é um ato unilateral e vergonhoso, e uma violação da Convenção de Viena, a qual protege as embaixadas no mundo todo.

Depois que a notícia sobre a carta se espalhou, Jacob Appelbaum (@ioerror) convocou quem estivesse em Londres a apoiar Assange:

@ioerror: Are you in London? Go to the Ecuadorian embassy to support Julian Assange,#wikileaks and the right of asylum seekers everywhere!

@ioerror: Você está em Londres? Vá à embaixada do Equador para apoiar Julian Assange, o #wikileaks e os direitos dos que buscam asilo em todo o mundo!

Enquanto isso, o escritor e analista de direitos humanos e política internacional Josh Shahryar (@JShahryar) tuitou:

@JShahryar: Not a Julian #Assange fan, but the British threats to storm the Ecuadoran Embassy in London is shameful and disgusting beyond words.

@JShahryar: Não sou nenhum fã do Julian #Assange, mas a ameaça britânica de invadir a embaixada do Equador em Londres é vergonhosa e nojenta para além do que palavras podem expressar.
A policeman asks the man to move further away from the Ecuadoran Embassy on August 16, 2012. Photo by See Li, copyright Demotix

Um policial pede ao homem que se afaste da embaixada do Equador, em 16 de agosto de 2012. Foto por See Li, copyright Demotix

Após o Equador anunciar que concederia asilo a Assange, o usuário @robertito1991 [es] de Guayaquil, Equador, escreveu:

@robertito1991: Ecuador es el país mas famoso del mundo x darle una cucharada de su propia medicina a USA y a UK #AsiloAssange @LegionJJ @anonopshispano

@robertito1991 [es]: O Equador é o país mais famoso no mundo por dar aos EUA e ao Reino Unido uma colherada do seu próprio remédio #AsiloAssange @LegionJJ @anonopshispano

Mas nem todos os equatorianos ficaram felizes com a notícia, e alguns relembraram  o relacionamento tumultuado do presidente Rafael Correa com a mídia, como @GiannyMoc [es] e Fer Cascante (@FerCascante) [es]:

@FerCascante: Por Dios en que pais vivimos dan #AsiloAssange y no se respeta la libertad de prensa, que contradiccion!

@FerCascante [es]: Pelo amor de Deus, em que país vivemos? Eles concedem #AsiloAssange e não respeitam a liberdade de expressão, que contradição!

Outros, como Elías Suárez (@Slashzer) [es], se mostraram desconfiados:

@Slashzer: Algo quiere Correa que Assange tiene, no lo duden.

@Slashzer [es]: Correa quer algo que Assange tem, não duvidem.

No entanto, outros estão comemorando e parabenizando o governo equatoriano, como David Jimenez Abad (@DavidJimenezA93) [es], de Cuenca, Equador:

@DavidJimenezA93: Bien por Ecuador al otorgar #AsiloAssange y no ceder a presiones internacionales

@DavidJimenezA93 [es]: É bom que o Equador esteja concedendo #AsiloAssange e não cedendo a pressões internacionais.

Como o pesquisador de segurança Dillan Beresford (@d1n) ressalta, este caso não está encerrado:

@d1n: It's not over yet. Political asylum *should* but does not guarantee Julian Assange safe passage into Ecuador.

@d1n: Ainda não acabou. Asilo político *deveria*, mas não garante uma passagem segura de Julian Assange para o Equador.

A cobertura ao vivo do jornal The Guardian [en] relatou que “a Suécia convocou seu embaixador para Estocolmo, qualificando o asilo concedido a Assange como ‘inaceitável.'”

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.