Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Violência no noroeste de Myanmar provoca onda de discursos de ódio contra rohingyas e fotos falsas na Internet

Exemplo de propaganda de ódio contra os budistas em Myanmar, acusados de cometerem limpeza étnica contra os rohingyas. Imagem capturada do Twitter, em 4 de setembro.

As redes sociais em Myanmar foram inundadas por discursos de ódio, fotos de jornais falsas e narrativas racistas depois dos confrontos entre as forças armadas do país e o Exército da Salvação Arakan Rohingya (ARSA, sigla em inglês) em 25 de agosto de 2017, próximo à fronteira do noroeste do país com Bangladesh.

Os enfretamentos se estenderam por dias e o governo de Myanmar imediatamente classificou o ARSA como grupo terrorista, enquanto iniciava uma série de “operações de limpeza” agressivas no estado de Rakhine. O governo e o ARSA culparam um ao outro pelas mortes de civis durante o conflito.

A violência continua e o governo birmanês tem tentado realocar cidadãos não muçulmanos que perderam suas casas na região, mas os rohingyas, que chegam a aproximadamente 1 milhão de pessoas, não tiveram a mesma sorte. Dezenas de milhares de refugiados muçulmanos rohingyas estão cruzando a fronteira com Bangladesh para escapar da violência.

Enquanto múltiplos grupos étnicos foram afetados pelo conflito, a mídia internacional enfatizou o tratamento do governo de Myanmar aos rohingyas não militantes que fugiam da violência e muitas matérias citaram atrocidades cometidas por militares contra rohingyas. Enquanto isso, a imprensa local chamou atenção para as mortes de pessoas de outros grupos étnicos que viviam na região e fugiram devido aos ataques do ARSA.

A comunidade internacional fez um apelo para que o governo de Myanmar desse fim à violência e tomasse medidas para ajudar os refugiados. Entretanto, alguns em Myanmar criticaram os meios de comunicação internacionais, acusando-os de serem parciais por “ignorarem” as dificuldades passadas pela população budista do país que também foi deslocada pelos confrontos entre governo e ARSA.

Ataques às narrativas internacionais

Propagandas com discurso de ódio, notícias e fotos falsas têm infestado as redes sociais em Myanmar nos últimos anos, mas esse conteúdo tornou-se bem mais violento depois de 25 de agosto. Essas tensões geraram uma “guerra de informação” na internet com uma enxurrada de propaganda maliciosa na busca de reformular a narrativa internacional dominante sobre o conflito.

Nesse conteúdo está muito presente a descaracterização dos rohingyas, classificados como bengalis. O estado de Rakhine é lar de muitas minorias étnicas como os rakhines, mros, rohingyas e os dai-nets. Diferente dos outros grupos, o governo birmanês não reconhece os rohingyas, de maioria muçulmana, como grupo étnico. Em vez disso, eles são chamados de “bengalis”.

Ilustração amplamente compartilhada que compara “a visão do mundo” ou o ponto de vista da comunidade internacional com a “realidade”. Imagem retirada do Twitter, em 4 de setembro.

Os bengalis representam um dos maiores grupos étnicos do sul da Ásia. Mas em Myanmar, a palavra bengali ganhou novo significado. Tornou-se pejorativa para se referir aos rohingyas como imigrantes ilegais de Bangladesh. Essa designação, assim como o insulto “kalar”, tornou-se xingamento racista comumente dirigido aos rohingyas em Myanmar, tanto nas redes sociais como fora delas.

Há também posts que acusam meios de comunicação internacionais de mostrar apenas o sofrimento dos rohingyas.

Outra imagem amplamente compartilhada sobre o atual conflito em Myanmar que sugere que a imprensa internacional ignora as mortes de minorias não rohingyas em Rakhine. Imagem tirada do Twitter em 4 de setembro.

A imagem abaixo insinua que os rohingyas, de alguma maneira, conseguiram manipular os meios de comunicação internacionais na divulgação de informação equivocada sobre o conflito:

Imagem amplamente compartilhada no país sobre o atual conflito, insinuando que os rohingyas têm demasiado controle sobre a imprensa internacional. Captura de imagem do Twitter feita em 4 de setembro.

Imagens como a de cima, entre outras com representações mais gráficas dessas ideias, viralizaram nas redes sociais em Myanmar.

Campanhas coordenadas de difamação na Internet

Além dos compartilhamentos espontâneos das imagens, observadores notaram tendências [trends] de compartilhamentos que apontam que estes foram coordenados.

O analista independente Raymond Serrato detectou um estranho pico de 1,5 mil novas contas no Twitter com hashtags provocadoras que apareceram depois dos confrontos de 25 de agosto. Muitas dessas contas duvidosas espalharam mensagens pro-governo bem como destacaram hashtags como #Bengali ou #BengaliTerrorists [terroristas bengalis]. Não se sabe quem está por trás das contas, mas esse tipo de fenômeno “Twitter brigade” ocorreu em vários outros países como Índia e Emirados Árabes Unidos

Em outra situação, uma campanha do Facebook pedia a usuários que fizessem comentários negativos nas páginas da BBC Burmesa e da Voice of America (VOA) e desse uma estrela para as reportagens sobre rohingyas, e cinco estrelas para a página do Conselheiro de Estado de Myanmar no Facebook. Páginas de comentários idênticas de contas únicas (veja exemplos abaixo) indicam um esforço coordenado para desacreditar esses meios de comunicação.

Comentários na página da BBC Myanmar no Facebook. Imagens de 25 de agosto.

Comentários na página da VOA. Imagem feita em 4 de setembro.

Esforços online coordenados de difamação também se estenderam ao hackeamento de contas. Jornais locais divulgaram que várias páginas do governo birmanês foram hackeadas no inicio de setembro, supostamente uma retaliação ao tratamento do governo dado aos refugiados rohingyas.

Fotos falsas

É grande a dificuldade de se obter informação precisa sobre o conflito. Jornalistas nacionais e internacionais têm enfrentado obstáculos na tentativa de acessar a região. Checar a veracidade da informação e das imagens que são veiculadas sobre esses locais tem sido um desafio. Com frequência esse vácuo de informação é preenchido por imagens adulteradas ou mesmo tiradas em outros países. Esse tipo de artimanha tem sido usada por ambos os lados como propaganda enganosa.

Abaixo, dois exemplos de posts difamando os rohingyas (note a terminologia do hashtag):

Exemplo de posts com discurso de ódio contra rohingyas. Imagem capturada em 4 de setembro.

Alguns exemplos de fotos a favor dos rohingyas que mais tarde ficou comprovado serem do Nepal e da Indonésia:

Exemplo de notícias falsas com fotos reutilizadas de outros lugares. A imagem no topo à esquerda aparece nesta reportagem sobre uma inundação no Nepal em 13 de agosto. As imagens na parte superior direita e inferior esquerda precisam ter a autenticidade confirmada, pois aparecem no Twitter após os atos de violência. A imagem abaixo à direta foi tirada em Banda Aceh, Indonesia. Foto do Twitter, de 4 de setembro.

O governo de Myanmar criou uma pagina oficial no Facebook “Information Committee” [Comitê de Informação] para servir de plataforma para verificar informações sobre a situação em Rakhine, mas devido às circunstâncias, seu conteúdo também é recebido com reservas.

As propagandas conflituosas e as notícias falsas continuam a inundar a Internet e o acesso às zonas de conflito permanece limitado. Logo, persiste a dificuldade em verificar as reais condições da região pós-conflito.

Este artigo foi escrito por um autor convidado que prefere se manter anônimo por questões de segurança.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.