Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Bebida caseira provoca mortes em Moçambique

Luto Nacional (Chitima) - Foto do autor

Luto Nacional (Chitima) – Foto do autor

O assunto que está a abalar Moçambique no geral e em particular a cidade de Tete, no centro do país, tem a ver com a morte de mais de 60 pessoas decorrente da ingerência de uma bebida alcoólica de fabrico caseiro conhecida por Phombe.

A tragédia ocorreu no dia 10 de Janeiro quando um grupo de pessoas que regressava de um funeral decidiu parar num mercado da vila de Chitima para consumir essa bebida tradicional produzida com base na mapira [sorgo], farelo de milho e açúcar. Até ao momento o numero de óbitos não pára de aumentar.

Nessa sequência, o governo de Moçambique decretou três dias de luto nacional desde o dia 12 de Janeiro.

O Jornal Canal de Moçambique deu destaque à notícia:

Tete (Canalmoz) – Subiu para 67 o número de pessoas mortas por intoxicação alcoólica na vila de Chitima, sede do distrito de Cahora Bassa, província de Tete, no centro de Moçambique. As vítimas consumiram uma bebida alcoólica de fabrico caseiro, localmente designada “phombe”. Suspeita-se de que alguém de má-fé e com intuito criminoso tenha colocado veneno durante o fabrico da bebida. As mortes começaram no sábado, e até domingo já se contabilizava mais de 60 mortos e mais de uma centena de internados.

Na mesma notícia, várias foram as pessoas que prontamente começaram a prestar a sua solidariedade às vítimas, Celia Mangue disse:

Meus Deus dê visão aos médicos,que encontrem soluçao adequadas para tratamento das vitimas Chitima,que ainda se estao hospitalizadas.
Pai Celestial coloque a sua mao e conceda cura para o seu povo.
Por uma intençao cristã,rezemos ao Senhor.

Domingos Sande Zacarias fala da necessidade do envolvimento de todos nesse assunto:

Se os da saude ñ sabem que tipo de veneno que está a causar dano: então pode ser um fenómeno estranho: Precisamos de chorarmos os nossos ante-queridos que perderam a vida nessa tragédia: pedimos [direcção] do Senhor Soberano para que nos ouça a nossa lamentação: Não podemos somente esperarmos os da saude, mas também os religiosos e cristãos devem dar a sua [solidariedade] as famílias que estão em [luto].

Camilo Jeremias Maculuve sugere que tipo de punição deve ter o mentor desta tragédia:

É triste, deve aplicar todos os meios até encontrar o assassino e ser severamente punido. 50 anos de prisão

Aliado a essa tragédia em Chitima, houve aqueles que falassem igualmente da situação das chuvas que fustiga algumas províncias de Moçambique, Emília Moiane, jornalista da televisão pública de Moçambique disse:

Este Janeiro esta dificil. Estamos a “levar de todos os lados”. Ate a pensarmos que estamos a distrair a pobreza bebendo um copo, morremos. Maigode! Que Deus proteja a todos os mortos e muita forca a familia. As criancas de Mocuba, so Deus para proteger

Emmerssia Eryca disse:

Enquanto outros preferem rezar por Paris e Nigéria.
Eu rezo por Zambezia onde 100 mil famílias ficaram desalojadas por causa das cheias, e não há passagem terrestre do sul para o Norte de Moçambique. E rezo também pelas vítimas de intoxicação Alcoólica na Vila de Chitima em Tete.

I'll be praying for my country!
‪#‎MOZWEON ‪#‎GodProtectUsPlease

O antigo bastonário da ordem dos advogados de Moçambique, Gilberto Correia, fala da necessidade que se deve ter na venda e consumo de bebidas alcoólicas por parte do Governo:

Já sabemos que em Moçambique cada um faz o negócio que quer e como quer. Mas, já que teremos novo Governo brevemente, espero que não herde os vícios do anterior. A tragédia de Chitima deve servir para que o Governo cumpra o seu papel de regular e regulamentar a venda de bebidas alcólicas. Cumprindo o papel de vistoria, licenciamento, inspecção e punição no sector de fabrico e venda de bebidas alcólicas. Prevenir mortes vãs, através de uma regulação séria, é também boa governação!

No twitter, sucederam publicações relativas a tragédia de Chitima, incluindo da media internacional:

 

 

 

Para além das publicações, vários moçambicanos usam fotos a preto nos seus perfis das redes sociais para expressar condolências sobre este acontecimento trágico.