Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Denúncias vinculam o Papa Francisco à “Guerra Suja” da ditadura argentina

[Todos os links da postagem direcionam para páginas em inglês, exceto quando indicado o contrário.]

A eleição do Jesuíta argentino Jorge Bergoglio como novo Papa Católico tem levantado questões sobre o alegado envolvimento do ex-cardeal com a Ditadura Militar argentina (1976-1983), incluindo com acusações de que ele teria envolvimento com o sequestro de dois padres liberais.

As acusações envolvendo Bergoglio, o primeiro latinoamericano e argentino a ser escolhido papa, não são novas, mas ressurgem em um momento crítico para a Igreja Católica enquanto esta  luta para melhorar sua imagem em todo o mundo.

Em janeiro de 2011, Hugh O'Shaughnessy escreveu uma coluna para o jornal inglês The Guardian na qual ele se refere aos “pecados da igreja argentina” durante a chamada ‘Guerra Suja‘:

[…] It has been clear for years that the upper reaches of the Argentinian church contained many “lost sheep in the wilderness”, men who had communed and supported the unspeakably brutal western-supported military dictatorship that seized power in that country in 1976 and battened on it for years. Not only did the generals slaughter thousands unjustly, often dropping them out of aeroplanes over the River Plate and selling off their orphan children to the highest bidder, they also murdered at least two bishops and many priests. Yet even the execution of other men of the cloth did nothing to shake the support of senior clerics, including representatives of the Holy See, for the criminality of their leader General Jorge Rafael Videla and his minions.

[…] Tem estado claro há anos que os estratos superiores da igreja argentina continham muitas “ovelhas perdidas na selva”; homens que tinham comungado e apoiado incrivelmente brutal ditadura apoiada militarmente pelo ocidente (EUA) que tomou o poder no país em 1976 e nele permaneceu por anos. Não apenas os generais massacraram injustamente milhares de pessoas, por vezes os jogando de aviões sobre o Rio da Prata e vendendo seus filhos órfãos a quem pagasse melhor, mas eles também assassinaram dois bispos e muitos padres. No entanto, mesmo a execução de homems do clero não abalou o apoio de clérigos mais elevados na hierarquia, incluindo representantes da Santa Sé, para a criminalidade de seu líder, o general Jorge Rafael Videla e seus asseclas.

Hayes Brown em Think Progress comentou sobre o alegado envolvimento da igreja com o regime:

Years later, one priest told a panel of judges that the church at the time was “scandalously close to the dictatorship” in turning a blind eye, “to such an extent that I would say it was of a sinful degree.” Former Argentine dictator Jorge Videla claimed in an interview years removed from power that the Church was definitely “consulted” throughout the crackdown. That included offering their good offices and discouraging families from searching for relatives who had “disappeared.”

Anos mais tarde um padre disse a um grupo de juízes que a igreja daquele tempo era “escandalosamente próxima à ditadura” na arte de fechar os olhos, “a tal ponto que eu diria que era de um grau pecaminoso.” O ex-ditador argentino Jorge Videla afirmou em uma entrevista anos após ser afastado do poder que a Igreja foi definitivamente “consultada” durante toda a repressão. Isso incluía oferecer seus bons ofícios e a desencorajar famílias de procurar parentes que tinham “desaparecido”.

Em um artigo para o Global Post, publicado em 13 de março de 2013, John Otis explicou uma das acusações dirigidas a Bergoglio:

Image from Wikimedia Commons, by  presidencia.gov.ar, under Creative Commons license  (CC BY-SA 2.0)

Image da Wikimedia Commons, por presidencia.gov.ar, sob licença Creative Commons (CC BY-SA 2.0)

In fact, an Argentine lawyer in 2005 filed a complaint charging Bergoglio with involvement in the 1976 kidnapping of two liberal Jesuit priests, an episode recounted in the book El Silencio, or The Silence, by Argentine investigative journalist Horacio Verbitsky.

Bergoglio has long denied any involvement. And after he was appointed archbishop of Buenos Aires in 1998, he tried to make amends. He insisted that Catholic officials in Argentina wear garments symbolizing penance for sins committed by clergy during the dictatorship.

Na verdade, um advogado argentino em 2005 apresentou uma queixa acusando Bergoglio de envolvimento no sequestro de dois padres jesuítas liberais em 1975, um episódio recontado no livro El Silencio, ou O Silêncio, do investigaro argentino Horacio Verbitsky.

Bergoglio há muito tempo negou o envolvimento. E depois dele ser nomeado arcebispo de Buenos Aires em 1998, ele tentou fazer as pazes. Ele insistiu que autoridades católicas na Argentina vestiam roupas que simbolizavam penitência pelos pecados cometidos pelo clero durante a ditadura.

O The Los Angeles Times cobriu o processo contra Bergoglio em 2005.

Elizabeth Kate Switaj juntou um post do Storify entitulado “Papa Francisco e a Ditadura Militar argentina”. Ela cita a blogueira Flavia Dzodan (@redlightvoices), que tuitou extensivamente sobre o assunto em 13 de março de 2013. Em um tuíte, Dzodan pergunta:

@redlightvoices: I speak of the Pope with “hate”? how about the lost lives of 30,000 disappeared, tortured, killed? Those did not deserve better?

@redlightvoices: Eu falo do papa com “ódio”? e quanto à vida dos 30 mil desaparecidos, torturados e mortos? Eles não mereciam algo melhor?

Elizabeth também destacou tuítes do jornalista e escritor argentino Ariel Silvera (@ariel_silvera):

@ariel_silvera: Seriously guys, ‘if he did in fact do it’, he was part of the hierarchy during the dictatorship. They are *ALL* guilty and I am not about…

@ariel_silvera: …to teach a goddamn class of Basic Argentinian History 101. I'm sorry the links aren't in your preferred language. #sorrynotsorry

@ariel_silvera: sério pessoal, “se ele de fato o fez”, ele era parte da hierarquia católica durante a ditadura. Eles são *TODOS* culpados e eu não irei…

@ariel_silvera: …dar uma porcaria de uma aula sobre História Básica Argentina 101. Perdão se os links não estão em sua língua de preferência. #sorrynotsorry

O escritor canadense I. Giraud (@BlueShoes55), a quem Elizabeth citou em seu post, apontou, no Twitter, que nem todos estavam celebrando:

@BlueShoes55: Several Latin American friends not rejoicing: Pope Francis apparently conservative Jesuit; did not speak out against Argentina dictatorship.

@BlueShoes55: Vários amigos latinoamericanos não estão comemorando. O papa Francisco é aparentemente um jesuíta conservador; não se opôs à ditadura argentina.

Asteris Masouras também preparou um post do Storify com reações similares.

O jornalsita investigativo argentino Horacio Verbitsky cobriu o envolvimento da Igreja Católica com a ditadura argentina por anos. A conta do Twitter com seu nome (@VerbitskyH) [es] compartilhou numerosos artigos publicados no jornal Página12 sobre o envolvimento de Bergoglio com a ditadura, incluindo um artigo [es] com cinco testemunhos “confirmando o papel” do atual Papa Francisco durante aqueles anos.

Como dito antes, Bergoglio tem negado [es] estas acusações. A jornalista Sandra Crucianelli (@spcrucianelli) [es] tuitou:

@spcrucianelli: En el libro “El jesuita”, #Bergoglio negó haber sido cómplice del secuestro de dos curas de su entorno. http://www.perfil.com/sociedad/Bergoglio-y-los-70-las-explicaciones-sobre-su-rol-en-la-dictadura-20130313-0038.html …

@spcrucianelli: No livro “O Jesuíta”, #Bergoglio negou ter sido cúmplice do sequestro de dois padres próximos a ele. http://www.perfil.com/sociedad/Bergoglio-y-los-70-las-explicaciones-sobre-su-rol-en-la-dictadura-20130313-0038.html …

A usuária do Twitter Grachy (@Grachy24) [es] respondeu:

@Grachy24: @spcrucianelli y que esperabas que diga SI YO TUVE QUE VER!!! mmmmmmmm

@Grachy24: @spcrucianelli e o que você esperava, que ele disesse SIM EU ESTAVA ENVOLVIDO!!! hmmmmm

De qualquer forma, muitos argentinos saíram em sua defesa.

Mario Pergolini (@PergoliniOK) [es] se referiu à relação do atual governo com Bergoglio e escreve:

@PergoliniOK: Es impresionante como están tratando de difamar a Bergoglio en las redes sociales. Evidentemente, para los k ha sido un golpe durísimo!

@PergoliniOK: É impressionante como estão tentando difamar Bergoglio nas redes sociais. Evidentemente, para os K [apoiadores dos Kirchner] foi um golpe duríssimo!

E Carlos Burgueño (@cburgueno) [es] alertou:

@cburgueno: Ojo con bucear mucho sobre lo que hizo Bergoglio en la dictadura, no vaya a ser que haya salvado a muchos más que todos ustedes juntos.

@cburgueno: Cuidado ao desencavar muito sobre o que fez Bergoglio durante a ditadura,  ele pdoe ter salvo mais pessoas que todos vocês juntos.

Enquanto isso, o Nobel da Paz Adolfo Pérez Esquivel disse à BBC Mundo [es] que Bergoglio não tinha ligação com a ditadura: “Bergoglio é questionado porque dizem que ele não fez o suficiente para tirar os dois padres da cadeia enquanto ele era o superior da Congregação dos Jesuítas, mas eu sei pessoalmente que muitos bispos pediam à junta militar para soltar presos e padres e seus desejos não eram atendidos. Eles eram avisados de que os prisioneiros seriam soltos, mas isto não acontecia.”