Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Ossétia do Sul: Pensamentos de um Fotojornalista sobre a Guerra

Veja a página especial da cobertura do Global Voices sobre crise na Ossétia do Sul (em inglês).

Relatos de primeira mão sobre a zona de conflito no Cáucaso continuam a aparecer aqui e ali na blogosfera russófona. No dia 8 de setembro, um mês depois do início da guerra na Ossétia do Sul e Geórgia, o fotojornalista russo Oleg Klimov publicou seus pensamentos [Ru] sobre como ele vê a guerra, qual o seu cheiro, sobre a imprensa e a propaganda, e sobre o que parece ser a natureza humana universal de realizar saques em tempos de guerra.

[Oleg Klimov's photo of peacekeepers “between Tskhinvali and Gori”]

[Oleg Klimov's photo of a post-funereal “wake amidst the ruins in Tskhinvali”]

[Oleg Klimov's photo of “a village between Tskhinvali and Gori”]

Worst of all I dislike the smell of war. Its stench. A combination of burned damp wood, plastic and the smell of dead bodies. “A parfume.” A sense of war smell is one of the five important senses, an ability to perceive and recognize the smell of the events of the past. I've always regretted that photos, like money, do not smell… If they smelled, we'd definitely be all sick now. At the beginning, at least, more than from the graphic pictures of dismembered bodies and other horrors…

Tonight, I watched a “documentary” from Vesti-24 [on a Russian state-owned channel]. Turns out Georgians have been “genociding” Ossetians and the Abkhaz throughout centuries. I really don't understand where the law on “inciting ethnic hatreds” is. This hatred is being imposed not just on the level of “politicians and journalists,” but on the level of peoples. And the peoples hate each other. And “the smartest politicians” say that on a human level, it is possible to understand the people… Expect that it is exactly on a human level that it's impossible to understand this.

Georgian houses are being burned and looted. The same is happening to the Ossetian houses. And they'll continue to burn and loot them. Perhaps, this is human nature. It always happens this way during “ethnic wars.” It was there in Bosnia and Kosovo. In Pala (close to Sarajevo), in the [neutral zone], detachments of “Russian Cossacks” and [mercenaries] were among those who did the looting. There was a whole “system” to it: risking their lives, they were delivering carpets, TV sets, etc., to the Serbian zone and selling them wholesale to the middlemen, who, in their turn, were selling the “trophy goods” at civilian markets. I witnessed this in person and heard attempts at justification: “freelance mercenaries” have nothing left to do because no one is paying them for “heroism at someone else's war.”

Outside Tskhinval (and inside the city, too) any car near a deserted house means one thing: looters. If you ask them, “What are you doing?”, they'll respond: “Oh, nothing, our relatives used to live here…” There've been instances of murder, however, as well. Of women, too, not just men. And there is blackmail. For example, at one village the local police rounded up the residents and issued an ultimatum to them: “If you don't pay $10,000, we'll burn the whole village!” (This is almost official info from the Dutch embassy.)

[…]

“[foto de Oleg Klimov das forças de paz ‘entre Tskhinvali e Gori‘]

[foto de Oleg Klimov de uma ‘lamentação pós-funeral entre as ruinas de Tskhinvali‘]

[foto de Oleg Klimon de ‘uma vila entre Tskhinvali e Gori‘]

O que eu mais detesto é o cheiro da guerra. O seu fedor. Uma combinação de madeira húmida molhada, plástico e o cheiro de cadáveres. ‘A parfume’. O sentido do cheiro da guerra é um dos cinco sentidos importantes, uma habilidade de perceber e reconhecer o cheiro de eventos do passado. Eu sempre lamentei que as fotos, assim como o dinheiro, não tenham cheiro… Se elas tivessem, definitivamente estaríamos todos nauseados agora. Desde o princípio, no mínimo, mais do que pelas imagens fortes de corpos desmembrados e outros horrores…

Na noite passada assistí um ‘documentário’ do Vesti-24 [em um canal controlado pelo Estado Russo]. Pelo que parece os Georgianos vem ‘genocidando’ os Ossétios e os Abkhazis através dos séculos. Eu realmente não entendo onde foi parar a lei contra a ‘incitação de ódio étnico’. Este ódio está sendo imposto não apenas no nível dos ‘políticos e jornalistas’, mas também no nível das pessoas. E as pessoas odeiam umas às outras. E os ‘políticos mais espertos’ dizem que, em um nível humano, é possível entender as pessoas… Mas o esperado é que seja exatamente no nível humano que seja impossível entender isso.

As casas georgianas estão sendo incendiadas e saqueadas. A mesma coisa está acontessendo com as casas ossétias. E eles vão continuar a queimá-las e saqueá-las. Talvez isso seja da natureza humana. Isso sempre acontece deste jeito durante ‘guerras étnicas’. Aconteceu na Bósnia e Kosovo. Em Pala (perto de Sarajevo), na [zona neutra], destacamentos de ‘Cossacos Russos’ e [mercenários] estavam entre aqueles que faziam os saques. Havia todo um ‘sistema’ para isso: arriscando suas vidas, eles estavam levando tapetes, aparelhos de TV, etc., para a zona Sérvia e os vendiam no atacado pra intermediários, que, por sua vez, estavam vendendo os ‘espólios de guerra’ em mercados civis. Eu testemunhei isso pessoalmente e ouvi tentativas de justificação: ‘mercenários de ocasião’ não tem como não fazê-lo, porque ninguém os está pagando para serem ‘heróis em uma guerra alheia’.

Fora de Tskhinval (e dentro da cidade, também), qualquer carro perto de uma casa deserta significa apenas uma coisa: saqueadores. Se você pergunta a eles, ‘o que vocês estão fazendo?’, eles irão lhe responder: ‘Ah, nada, nossos parentes moravam aqui…’. Contudo, alguns assassinatos ocorreram, também. [Assassinatos] de mulheres, também, e não só de homens. E também há extorsão. Por exemplo, em uma vila a polícia local reuniu os moradores e lhes deu um ultimato: ‘se vocês não pagarem $10.000, nós iremos queimar a vila inteira!’ (esta é uma informação quase oficial da embaixada holandesa)

[…]”

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.