Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Camboja: Monges impedidos de fazer abaixo-assinado

Usuário do Flickr Jinja postou imagens da ação policial contra monges no Camboja.

Police attack monks

Tem mais imagens na Liga Cambojana para a Promoção e Defesa dos Direitos Humanos. .

Os monges estavam protestando contra a detenção no Vietnã, no início deste ano, do monge cambojano Tim Sakhorn. De acordo com a petição online, Tim Sakhorn foi preso por autoridades cambojanas em 30 de junho, alegadamente por “realizar as atividades que são prejudiciais à amizade Camboja-Vietnã”. O monge foi obrigado a tirar a bata e depois disso o seu paradeiro é desconhecido. Em agosto, as autoridades vietnamitas anunciaram que prenderam Tim Sakhorn por atividades que prejudicam a unidade do Vietnã.

Os monges também querem que o Vietnã devolva as terras do Camboja terras que eles afirmam que o Vietnã teria ocupado no passado. A luta contra a polícia começou quando os monges se dirigiam à Embaixada Vietnamita para entregar uma petição.

Blogueiros no Camboja e no exterior comentaram o assunto.

1. Monges lutando na rua

2. Polícia x Monges.

(ambos do Details are Sketchy)

3. O retorno do assunto: Kampuchea Krom

(de Erik W. Davis do buddh•ism ad•junkt)

(Obrigado a John Weeks pelos links – todos levam a textos em inglês)

(Texto original de Preetam Rai)

 

O artigo acima é uma tradução de um artigo original publicado no Global Voices Online. Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.