Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Sem esqueçer os ataques em França, tente recordar também os heróis

Durante os últimos 18 meses, a Europa tem assistido a uma onda de ataques que fizeram escalar a tensão social e polarizaram muitas discussões sobre religião e imigração, especialmente em França. Enquanto que os temas de conversa dos media nestes últimos tempos parecem focar-se em se as pessoas devem estar autorizadas a usar burkinis na praia, outras ações dignas de aparecerem nas notícias são rapidamente esquecidas – ações extraordinárias que ajudam a solidificar mais o tecido social de França do que qualquer coisa relacionada com fatos de banho.

O Global Voices apresenta várias histórias de heroísmo durante os últimos ataques em massa em solo francês.

Ataques em Nice a 14 de julho de 2016

Franck, o herói de Nice - foto publicada no Twitter por @Pabliteau

Franck, o herói de Nice. Fptp: Twitter / @Pabliteau

Franck tem 49 anos e dois filhos. Quando Mohamed Lahouaiej Boulhel conduziu um camião por entre uma multidão reunida para assistir ao fogo-de-artifício no Dia da Bastilha em Nice, ele estava a passar perto de lá numa scooter e testemunhou o início da tragédia. Nas suas próprias palavras, é assim que ele recorda o que aconteceu:

On a pris la Promenade au niveau des Bosquets. On avançait tranquillement. En fait, je voulais aller au feu d’artifice, mais on est parti trop tard. Alors j’ai dit à ma femme, ce n’est pas grave allons manger une glace sur le Cours Saleya. On a senti un mouvement de foule venir dans notre dos. On a entendu des cris et des voitures se mettaient en travers. Ma femme m’a dit: ‘Arrête-toi, il y a un truc qui ne va pas’. Et le temps de se retourner, on a vu la foule courir dans tous les sens, comme si elle fuyait quelque chose. C’est alors que l’on a vu le camion arriver.

Nous, nous étions au milieu de la route. Il y avait peu de voitures. Je devais rouler à 60 km/h. Je n’ai même pas eu le temps de regarder dans mon rétroviseur. Et là, il m’a doublé à fond. Il roulait sur le trottoir. J’ai en tête les images des corps qui volaient de partout. J’ai tout de suite compris. J’ai alors décidé d’accélérer. Ma femme, derrière moi, me tirait le bras et me demandait où j’allais. Je me suis arrêté. Je lui ai dit: dégage! Et j’ai accéléré à fond.

Pour le rattraper, il fallait slalomer. Entre les gens, vivants et morts. J’étais à fond. Je ne pouvais freiner que de l’arrière car j’avais la poignée bloquée. Je me souviens même de crier dans le casque. Je criais à la mort en fait… Je n’avais que l’arrière du camion dans les yeux. J’étais déterminé à aller jusqu’au bout. Je voulais à tout prix l’arrêter. J’étais dans un état second mais à la fois lucide. Je suis donc parvenu à me mettre sur sa gauche, mon objectif était d’atteindre la cabine.

J’étais sur les marches au niveau de la fenêtre ouverte. Face à lui. Je l’ai frappé, frappé, et frappé encore. De toutes mes forces avec ma main gauche même si je suis droitier. Des coups au visage. Il ne disait rien. Il ne bronchait pas

A minha esposa e eu estávamos na Promenade des Anglais [a calçada onde aconteceu o ataque] na minha scooter. Íamos lentamente em frente. Na verdade, queríamos ir ver o fogo-de-artifício mas saímos um pouco tarde demais. Por isso disse à minha esposa: “Não importa. Comemos um gelado na Cours Saleya [Praça de Saleya na Baixa de Nice].” Sentimos que vinham em debandada atrás de nós. Ouvimos gritos e alguns carros que estavam a tentar escapar. A minha esposa disse: “Pára, algo está errado.” Quando nos viramos, vimos a multidão correr em todas as direcções, como se estivessem a fugir de alguma coisa. Foi aí que vimos o camião a vir.

Estávamos no meio da estrada; não havia muitos carros. Eu estava a conduzir a scooter a 60 quilómetros por hora. Nem tive tempo de olhar pelo espelho retrovisor. E depois o camião passou mesmo à nossa beira. Estava a andar pelo passeio. Ainda tenho no pensamento imagens de corpos a voar por todo o lado. Percebi imediatamente o que estava a acontecer. Decidi acelerar. A minha esposa estava atrás de mim a puxar-me o braço e a perguntar-me o que eu estava a fazer. Parei. Disse-lhe para sair e conduzi rapidamente para apanhar o camião.

Para o apanhar, tive de fazer ziguezagues por entre as pessoas, algumas mortas e outras vivas. Eu queria pará-lo a todo o custo. Eu estava zonzo e lúcido ao mesmo tempo. É então que consegui chegar à parte esquerda do camião e o meu objetivo era chegar à cabine. Pouco tempo depois, estava nos degraus na janela aberta, encarando-o. Bati-lhe repetidamente com a minha mão esquerda mas sou destro. Dei-lhe murros na cara mas ele não disse nada. Ele nem tremeu.

Aymeric e Sam Monrocq, um casal que vive na Normandia, lançou uma página de crowdfunding (financiamento colectivo) na Internet para se comprar uma nova scooter para Franck. Essa iniciativa angariou 25,466 euros. Assim, Franck usou um terço do dinheiro para comprar uma scooter nova e doou o resto a hospitais, associações locais e outras iniciativas.

Ataques em Paris a 13 de novembro de 2015

Ludovic Boumbas as published on twitter by his friend @chilavertlille

Ludovic Boumbas , foto publicada no Twitter pelo seu amigo @chilavertlille

Ludovic Boumbas tinha 40 anos e era um engenheiro informático em Lille, França. Ele estava sentado no Bistro La Belle Equipe em Paris quando militantes do Daesh abriram fogo no restaurante. A sua amiga estava sentada com ele, por isso atirou-se para a frente dela para a proteger das balas. Ludovic morreu no local, enquanto a sua amiga, que também foi baleada, sobreviveu. Ludovic vinha da República do Congo. Os seus amigos recordam-no com carinho:

Friends described Mr Boumbas as someone who loved people and travelling. “He was just one of life’s good, good people,”

Os amigos descreveram o sr. Boumbas como sendo alguém que adorava pessoas e viajar. “Ele era uma das pessoas realmente boas da vida”

Nicolas Cantinat, de 37 anos, e Julien Galisson, de 32, reagiram ao tiroteio como Ludovic, protegendo as pessoas à sua volta quando o barulho das balas soou. Tanto Nicholas como Julien morreram devido aos ferimentos. No Bataclan, o cenário da pior carnificina dessa noite, Sébastien, um homem de 34 anos de Arles, estava a tentar fugir da matança quando viu uma mulher grávida suspensa na janela. Ela estava a suplicar para que as pessoas em baixo a apanhassem se ela caísse. A janela estava a 15 metros do chão. Sébastien recorda o que aconteceu de seguida:

   À l'une d'elles, était suspendue une femme enceinte qui suppliait les gens en bas de la réceptionner si elle sautait. En bas aussi c'était le chaos. Je suis passé par l'autre fenêtre et je me suis accroché à une bouche d'aération. À 15 mètres du sol. J'ai tenu cinq minutes puis la femme enceinte, qui n'en pouvait plus, m'a demandé de l'aider à revenir à l'intérieur. C'est ce que j'ai fait.

Uma mulher grávida estava pendurada do lado de fora de uma janela e estava a implorar às pessoas em baixo para a apanharem se ela saltasse. Em baixo, na rua – era o caos. Saí pela outra janela e agarrei-me a uma saída de ar para conseguir chegar a ela a 15 metros do chão. Aguentei cinco minutos e depois a mulher, exausta, pediu-me que a ajudasse a voltar para dentro. E foi isso que eu fiz.

Toda a cena foi gravada:

Ataques em Paris a 9 de janeiro de 2015

Lassana Bathily é do Mali. Ele estava a trabalhar na mercearia Hyper Casher em Paris quando Amedy Coulibaly, um membro do Daesh, entrou com uma espingarda e matou quatro pessoas e planeava assassinar ainda mais. Lassana escondeu pelo menos seis pessoas e um bebé na câmara frigorífica da loja e de seguida saiu da arrecadação sozinho para falar com Coulibaly. Aqui está um vídeo do seu testemunho imediatamente a seguir à terrível situação:

Durante os ataques, Yoann Cohen, um colega de Bathily na mercearia, tentou desarmar o atacante e foi, por conseguinte, baleado na cabeça por Coulibaly. O pai de Yoann é originário da Algéria e a sua mãe é da Tunísia.

Estas pessoas comuns não contavam com as tragédias que encontraram de repente, e responderam de forma instintiva e altruísta. Na verdade, houve inúmeros outros exemplos de atos de coragem durante estes ataques, desde um polícia que entrou sozinho no Bataclan para enfrentar todos os atacantes até às pessoas que abriram as suas portas a pessoas perdidas que tinham ido ao evento.
À medida que uma retórica populista se torna mais ensurdecedora e o clima de medo parece estar a alastrar-se por grande parte da Europa (especialmente em França), lembrarmo-nos destas histórias de altruísmo e sacrifício é mais essencial que nunca.

Traduzido por Leandro Rafael da Silva Oliveira