Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

“Habeas Corpus” aceite, ativistas Angolanos vão aguardar em liberdade

Ativistas em liberdade. Foto: Central Angola

Ativistas em liberdade. Foto: Central Angola

Estão em liberdade provisória 16 dos 17 ativistas angolanos que foram presos em junho de 2015  – e julgados em março deste ano – acusados de tentativa de golpe de Estado. Os ativistas vão aguardar em casa pela decisão do Supremo Tribunal ao recurso interposto pelos advogados de defesa. Nito Alves vai continuar preso, por um outro crime cometido, pelo menos até agosto.

Assim que se soube da decisão do Tribunal Supremo, a informação começou a ser difundida por vários órgãos de comunicação, com destaque para o Maka Angola, do jornalista e ativista Rafael Marques:

O Supremo Tribunal de Angola deu provimento ao ‘habeas corpus’ apresentado pela defesa dos 17 activistas condenados e a cumprirem pena desde 28 de Março por rebelião e associação de malfeitores, e ordenou a sua libertação, anunciou à Lusa o advogado Michel Francisco.

“Posso anunciar que recebi agora a chamada do Supremo a dizer que vão ser libertados. Está confirmado e vou agora assistir à saída”, disse à Lusa o advogado, aludindo à resposta ao ‘habeas corpus’ que estava por decidir desde Abril, solicitando que os activistas aguardassem em liberdade a decisão dos recursos à condenação, por rebelião e associação de malfeitores.

Venâncio Mahinga, internauta e que comentava do Brasil disse:

Eu aqui no Brasil, Recebi essa informação com muita felicidade e Paz, saber que foi uma condenação sem procedência dos nossos irmãos, mas o mais importante é que a justiça se redimiu e o supremo reconheceu os erros e soltou os acusados. Quero expressar a todos aqueles que acreditam em uma Angola mais transparente nas leis constitucionais, #justica, #Paz e #Liberdade. A todos os artistas Angolanos, Músicos, Atores, Defensores dos direitos Humanos, Jornalistas, Advogados em Defesa dos Injustiçados, Jornalista Rafael Marques, e aqueles outros que faziam nas escondidas pra não mostrar o rosto mas faziam pela Democracia, Pessoas solidárias com esta causa, Familiares dos Rev's, e de mais. Esta vitória é de toda a nação, cidadãos Angolanos que acreditam na justiça. Deus seja louvado.

Adelino Branquinho, ator e um dos mais renomados cineastas moçambicanos disse:

Será que o Supremo Tribunal de Angola, fez as contas, e apercebeu-se que, os 15+2, nao sao 17 mas sim, mais que metade da população total de Angola? Se assim foi, está de parabens o Supremo, por possuir bons matemáticos no seu elenco.

Numa publicação da Rede Angola, Marco Dos Santos diz que o povo Angolano está com os ativistas em prol da liberdade de expressão:

Finalmente os nossos irmãos/heróis vão poder estar com o povo Angolano aqui fora, para a continuação da luta contra a liberdade de expressão.

No twitter, várias pessoas rejubilaram com a notícia da libertação:

Madelena Sampaio, jornalista da DW-África, também destacou a “boa nova”:

Zenaida Machado, pesquisadora para os Direitos Humanos em Angola e Moçambique disse:

Boas notícias: Supremo Tribunal Angolano concedeu a liberdade provisória dos 17 ativistas detidos em março. Aguarda-se pela decisão final sobre o caso.