Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Pesquisadores no Peru descobrem um novo trecho do Caminho Inca perto de Machu Picchu

MachuPicchu

Machu Picchu. Imagem no Flickr do utilizador szeke. CC BY-NC-SA 2.0.

Machu Picchu pode ser uma cidade antiga, mas ali ainda existe muito por descobrir. Foi descoberto um novo trecho do Caminho Inca – a  vasta rede de estradas construídas no Império Inca, entre as quais as que levam a Machu Picchu em Cusco no Peru, as mais conhecidas dos visitantes.  Ele vai de Wayraqtambo (Pousada dos Ventos), atrás de Machu Picchu, até um local de observação que proporciona uma vista única da Llaqta (aldeia). 

A Direção Descentralizada de Cultura de Cusco anunciou a descoberta em seu site [es], o qual foi republicado [es] pelo site Cusco 2.0: 

El impresionante camino descubierto consta de aproximadamente un kilómetro y medio de largo y entre 1.20 y 1.40 metros de ancho, variando según la topografía del terreno. Aún no puede ser apreciado en su totalidad por estar cubierto por vegetación, pero gracias al equipo de investigadores del Parque de Machu Picchu, algunos tramos pudieron ser liberados de la maleza y árboles que los cubrían, evidenciando muros de contención de factura inca de hasta tres metros de altura.

O impressionante caminho descoberto tem um quilômetro e meio de extensão e possui entre 1,20 e 1,4 metro de largura, variando de acordo com a topografia do terreno. Ele ainda não pode ser apreciado em sua totalidade por que parte está encoberta pela vegetação, mas, graças à equipe de pesquisadores do Parque de Machu Picchu, algumas partes puderam ser liberadas do mato e das árvores que as tapavam, mostrando muros de contenção construídos pelos incas de até três metros de altura.   

Já o site Mystery Planet [es] destacou:

Hoy en día solo el 25 por ciento de la red vial inca es visible. El resto fue destruida antaño por los conquistadores o contemporáneamente por construcciones modernas. Aún así, investigadores en Machu Picchu anunciaron el reciente hallazgo de una nueva sección de camino […] ubicada en la parte posterior de la montaña Machu Picchu, entre los sitios arqueológicos de Wiñay Huayna e Intipata.

Atualmente, somente 25 por cento da rede viária inca são visíveis. O resto foi destruído ou pelos conquistadores no passado ou mais recentemente por construções modernas. Mesmo assim, pesquisadores em Machu Picchu anunciaram a descoberta recente de uma nova seção do caminho […] localizada na parte posterior da montanha Machu Picchu, entre os sítios arqueológicos de Wiñay Huayna e Intipata.

O jornal La Nación noticiou mais detalhes: 

El Camino Inca (Qhapaq Ñan, en idioma indígena) es una red vial de 40.000 kilómetros que unía Perú, Chile, Colombia, Ecuador, Argentina y Bolivia que se acabó de construir durante el imperio inca y cuya mayor parte se encuentra en Perú.
Varios gobiernos de la región han solicitado, de manera conjunta a la ONU, que declare al Camino del Inca como Patrimonio Cultural de la Humanidad.

O Caminho Inca (Qhapaq Ñan, em língua indígena) é uma rede viária de aproximadamente 40 mil quilômetros, que ligava Peru, Chile, Colômbia, Ecuador, Argentina e Bolívia, cuja construção foi finalizada durante o Império Inca, com a maior parte localizada no Peru. Vários governos da região solicitaram em conjunto à ONU que declare o Caminho Inca como Patrimônio Cultural da Humanidade

Os usuários do Twiter compartilharam a notícia, e muitos deles postaram fotos e imagens do santuário de Cusco:

Uma nova estrada inca de Machu Picchu foi descoberta. Este trecho possui um quilômetro e meio de extensão e nele pode se apreciar um túnel inca.

[VÍDEO] O Caminho Inca para Machu Picchu é o destino favorito dos “mochileiros”.

Até mesmo alguns usuários catalães compartilharam a notícia:

Um trecho do Caminho Inca de 500 anos foi recentemente descoberto. Ele estava oculto na selva.

Tradução editada por Débora Medeiros como parte do projeto Global Voices Lingua