Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Moçambique: Por Trás da Detenção do Rapper Azagaia

“Vocês podem até me matar mas não podem calar a Verdade”

Azagaia in As Mentiras da Verdade [vídeo]

Azagaia, nome de artístico de Edson da Luz, um dos mais brilhantes músicos de hip hop – e o mais polémico [en] – em Moçambique está, desde que enveredou pela intervenção social nas suas músicas, na mira das autoridades. No sábado, 30 de Julho, foi detido pela Polícia de Investigação Criminal (PIC)  por “posse” de umas poucas gramas de soruma – droga cientificamente identificada como cannabis sativa, cuja posse e consumo é considerado ilegal no país [pdf].

Naquela noite Azagaia iria apresentar ao público de Maputo o seu mais recente trabalho, sobre a propalada “geração da viragem” que, segundo o músico, é geração jovem que “representava e representa o centro do tabuleiro deste jogo político que será ganho por quem souber ocupá-lo e explorá-lo. O blog Fobloga anunciou:

A prisão aconteceu algumas horas antes do início do concerto que ele faria no bar Gil Vicente, onde lançaria um novo clipe chamado “A Minha Geração”, contendo, como sempre, duras criticas ao governo. Azagaia é um forte crítico da política e da sociedade moçambicana.

Substâncias ilícitas enquanto álibi

Muitos moçambicanos que acompanharam pelos media a detenção de Azagaia falavam na possibilidade de uma armadilha, ou como dizem os brasileiros, uma “arapuca”, como escrevia no Facebook o docente Yussuf Adam:

se for por posse e uso de canabis sativa tinham que prender uma boa parte dos camponeses moçambicanos e muita gente nas cidades

Um outro facebooker, Sérgio Bila partilhou no seu mural:

Não quero entrar para o debate, nem especular sobre o sucedido com o Azagaia, mas a nossa Lei penaliza tanto o consumo como a posse de “cannabis Indica” (a variedade “sativa” não ocorre em África). Mas achei algo muito interessante no meu velhinho e amigo Dicionário do Estudante [Porto Editora, 1980]: “Soruma, (s. f.) planta africana cuja folha os Negros fumam em vez de tabaco.”

A relação de muitos moçambicanos em relação a suruma é de certa forma resumida pelas palavras de Tony Manna no Facebook:

suruma é a droga do povo desde [há] séculos, e que eu saiba nunca ouvi dizer que aconteceu um acidente de viação, porque o motorista tinha fumado um charro…enquanto que o álcool é consumido duma forma boçaloide, provoca as mais diversas problemáticas, desde a violência de todos os tipos, acidentes, etc, mas é legal!

Alguns meses depois do Departamento de Estado norte-americano haver colocado um dos mais influentes empresários moçambicanos, com fortes ligação ao partido no poder desde 1975, na lista dos mais perigosos barões de droga a nível mundial, e quando o assunto já nem nos cafés era abordado na pérola do índico, Azagaia insistia em cantar alto e bom som queo país “funciona a cocaína”. Em “Arrriii” o músico “rapou” sobre as cachimbas e os negócios do tio patinhas sentenciando que se “os grandes” são corruptos, “os pequenos também começam a meter- se” e “fica um Estado corrupto”.

Com estas música que batem de frente contra o poder do dia muitos os moçambicanos tem a percepção que Azagaia corre perigo, no Facebook, Norberto Gravata, escreveu que:

Já era sabido que algum dia ele seria preso ou mesmo morto. Muitos são os consumidores e portadores de drogas e muitos jamais foram presos.

Algemem-se as palavras

Um artigo de Setembro de 2010 republicado no website Buala, indicava que Azagaia “de 26 anos [à data], filho de pai cabo-verdiano e mãe moçambicana… não se limita a denunciar a corrupção das esferas do poder económico e político, mas também as medidas que directamente atingem as condições de vida da população.”

A sua voz tem incomodado o governo que já tentou censurar as suas músicas na Televisão e Rádios Públicas, e mesmo em alguns medias privados com fortes ligações ao partido no poder em Moçambique, e até já foi intimado pela a Procuradoria Geral da República, suspeito de “atentar contra a segurança do Estado” com a música Povo no Poder, onde canta sobre a morte do primeiro Presidente de Moçambique, Samora Machel.

Sobre a apreensão do músico, na @Verdade Online internautas como Muendhane interrogavam-se se “será este o fim da liberdade de expressão? Ou o heroísmo exacerbado por parte da policia?”, onde um outro internauta que preferiu o anonimato escreveu:

Esta para mim, foi uma tentativa frustrada de denegrir a imagem do rapaz, orquestrada por um punhado de gente que se sente atingida pelas letras do músico da maioria (o povo). Estes “polícias” querem mais é se vangloriar perante seus chefes, pois os mesmos são corrompidos por quantias muito abaixo do valor das duas bolinhas de “passa” que Azagaia trazia com sigo para o consumo próprio.

Cartaz de reposição da apresentação do novo álbum de Azagaia

Cartaz de reposição da apresentação do novo álbum de Azagaia

Ivo Faiela comentou:

Mais uma vez podemos ver a COBARDIA deste governo, sabendo que a quantidade de suruma que “ele” tinha era insuficiente para ser preso porquê o mesmo aconteceu? Se foi a PIC que aprendeu e encontrou-lhe com a dita soruma porquê foi a esquadra? Está aí claro que isso foi mais uma deste nosso governo, que diz haver liberdade de expressão enquanto, liberdade tem ele de fazerem e desfazerem sem que alguém possa algo fazer.

Um internauta que não se quis identificar desabafou:

No tempo colonial os poetas Mocambicanos que gritavam liberdade eram banidos, e escondiam-se em pseudónimos. Qual a diferenca entre o que Azagaia esta a ser sujeito e o que Kalungano e outros poetas do periodo de repressao colonial em Mocambique sofreram. Azagaia canta liberdade ensinada a geração de 75, quem o ensinou essa palavra e porque o querem amordaçar?

O docente Andre Dimas rematou no Facebook:

como está difícil pôr algemas nas palavras… algema-se o dono da palavra…

Sem deixar-se intimidar, o músico entretanto foi solto e vai aguardar o decurso do processo criminal em liberdade. Esta quinta-feira, 4 de Agosto, apresenta a partir das 21 horas, no café bar Gil Vicente, localizado na zona baixa da Cidade de Maputo, em reposição o seu mais recente trabalho musical intitulado Aza-leaks.

6 comentários

  • Nitorvana Beherit Ahriman

    Camaradas, o mano Azagaia, cometeu uma infracao, pois a lei proibe o consumo e porte de tal substancia.. Nao e correcto nos escondermos, atras do ditado “A policia n prende os Tubaroes do crime e prendeu Azagaia”.. A policia fez o seu trabalho, e deveria ser assim, mas nao o e, mas isso nao imlica que os lutadores da justica andem por ai com drogas. Senao tem razao a populacao que faz os linchamentos, pq a policia solta os ladroes, dai o povo fazer a justica com as proprias maos,, nao, nao e correcto, A nao implica B. Primeiro ha que lutar pela legalizacao da tal substancia, e nao tar a dizer que a policia nao prende os outros piores que eu.. sinceramente, afinal a inteligencia e para que..?? legalizem a tal substancia.. depois consumam e se fartem>> errou sim e deveria ainda estar preso.. fica mal um homem que luta pela justica ter estes argumentos.. Ja que a policia nao prende os tubaroes eu devo fumar? e assim? Se for assim ja que a policia nao prende os ladroes, facamos os linchamentos.. Camaradas legalizem o consumo da substancia.. como outras leis que deveriam existir e nao existem…

  • Chauque

    Não é correcto julgarmos o mano Aza agora, temos de apoia-lo, assim como ele fez conosco.
    O governo faz e desfaz mas, já era um bocado diferente com a intervençao do rapper Azagaia, já não roubava na nossa cara, porque o nosso mano abriu-nos a visão.
    Força ao Azagaia e que volte logo para comandar a geração virada contra o Guebuzismo e por aí.
    Ave ao Mano Aza. Abraços!

  • JP

    Meu mano (Nitorvana Beherit Ahriman )
    não quer ajudar não atrapalha………
    está na cara de todos e nem precisa ser Moçambicano para cair na real..
    já agora digo: quando alguem está no topo a tendência de muitos é procurar defeitos, e não só seria o minimo procurar defeito procura-se culpa para pequenos problemas……… vai em busca da realidade
    att:
    puxa cadeira e senta…………….

    • Paiola

      Caros!

      Deixem as autoridades competentes fazerem o seu trabalho,trata-se de um mocambicano encontrado na posse de uma droga algo proibida pela lei. E porque ter interpretacoes diferentes.

  • Andre

    Sou brasileiro, ouvinte assíduo do hip hop no meu país. A muito tempo venho pesquisando artistas de outros países da Lingua Portuguesa. Fiquei muito impressionado com a riqueza nas poesias de Azagaia. As críticas sociais, incisivas contra a corrupção, exploração, racismo entre outros temas são fantásticos. No Brasil temo muitos artistas no cenário do rap, mas não temos um AZAGAIA. Esse cara tem que ser considerado um patrimonio do povo Moçambicano. No Brasil, A tal da Soruma é  chamada de “maconha, baseado, chá”(nome depende muito da região),  tem sua comercialização proibida. quanto ao uso, não é considerado crime, desde que a apreensão seja mínima, o que não caracteriza tráfico de entorpecentes. O usuário é considerado um problema de saúde pública (ineficiente) ao qual deve passar por tratamento de intoxicação. Percebo que o quanto o RAP é universal em todos os sentidos, principalmente no que diz respeito a perseguição do poder público, não é diferente no Brasil. Estou com Azagaia. Espero um dia, esse excelente músico vir a fazer shows no Brasil. Povo no poder. Paz

  • […] a soruma (droga cientificamente identificada como cannabis sativa, cuja posse e consumo são considerados ilegais no país [pdf]). Azagaia teria sido preso no dia anterior por desentendimentos com a polícia, […]

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.