Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

África: a maioria dos países africanos não reconhece o Dia da África

 

O Dia da África, em 25 de Maio, é a comemoração anual da fundação da Organização da Unidade Africana (OUA), realizada em 1963, na Etiópia. Eventos públicos foram realizados em diferentes partes do mundo para celebrar esse dia. Blogueiros e usuários do twitter também lembraram o dia publicando posts e tweets sobre o Dia da África 2009.

Vimos no site Zambia Watchdog que apenas quatro países da região da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC, na sigla em inglês) reconhecem o dia da África como feriado público:

Comparando com o passado, parece que a unidade demonstrada por africanos durante as lutas contra o colonialismo e o domínio imperialista não mais existe. Em partes do continente, lideranças são tão centradas em si mesmas que questões continentais tem sido relegadas a último plano.

Não é uma vergonha que, hoje, poucos africanos reconheçam o Dia da África? Não é uma vergonha que poucos países do continente tenham esse dia como feriado? E que lições isso ensina às gerações futuras?

Olhando os calendários dos 14 membros da SADC, somente quatro países – Namíbia, Tanzânia, Zâmbia e Zimbábue – reconhecem o Dia da África como feriado nacional. Na região da SADC, somente a Namíbia fez do hino da União Africana um elemento permanente em eventos públicos e escolas.

Jason Von Berg blogou sobre os eventos relacionados ao Dia da África realizados na África do Sul:

Em celebração ao Dia da África, há uma série de eventos acontecendo na África do Sul. O show anual do Dia da África aconteceu no Mary Fitzgerald Square em Newtown, Johannesburg…

Agora em se tratando de videoclipes, aqui tem um espcial para o Dia da África, no qual o artista namibiano Gazza se juntou com o astro sul-africano Zola para a música “Hold On”. A música foi patrocinada pelo UNICEF e pelo Standard Bank Namibia e convoca todos os africanos a se unirem contra as atrocidades e os conflitos que prejudicam a imagem da África…

A melhor maneira de celebrar o Dia da África é trabalhando duro, escreve The Root Cause:

Sendo africano e compondo a nova geração de sul-africanos, sou forçado a olhar para o norte, em direção ao resto do continente, e imaginar se alguma vez ele vai se erguer da miséria e da tristeza que o seguram de fazer parte, de fato, da comunidade mundial.

Mas, ao mesmo tempo, tenho o terrível problema de ser um otimista por natureza; tenho fé de que este é o século de África. Um tempo de fomentar por dentro. Realmente tentar fazer isso!

A agência Irish Aid apoiou as celebrações do Dia da África na Irlanda. Culch.ie escreve sobre os eventos em Dublin:

No próximo domngo, 24 de maio, de 12 às 20 horas, o Dia da África terá um evento aberto GRATUITO em Iveagh Gardens, no Dublin 2. Tem uma grande variedade de opções para o entretenimento de crianças e adultos.

Existe uma galeria no Flickr com fotos do Dia da África 2009, na Irlanda.

Bock postou “Africa Day Limerick“:

São dois esses africanos. Que vergonha eles terem que aguentar o clima irlandês.

Que vergonha que qualquer um de nós tenha que aguentar o clima irlandês, que chove o tempo todo.

Mas esqueçam.

Africanos falharam em aprender as lições fundamentais sobre tomarem conta de si mesmos, argumenta Angela Kintu no seu post sobre o Dia da África:

África enfrentou algumas décadas difícies com a interferência pouco característica de vizinhos de nossos continentes vizinhos. E enquanto os vizinhos parecem tentar compensar pelos tempos negativos, teorias conspiratórias se multiplicam sobre com agora estão colonizando nossas mentes desde que perderam o acesso legal sobre nossos corpos. Talvez, talvez não. O que está claro é que falhamos em aprender as lições sobre como cuidarmos de nós mesmos. Podemos ser como pinguins num buraco, olhando para cima de bocas abertas, esperando alguém que jogue peixe de graça para nós.

Na twitterfera, a Irish Aid criou uma página especial para o dia da África.

Seguem tweets que podem ser encontrados no twitter sobre o dia da África:

NeoAid: There's more Africa than what usually makes headlines (poverty/AIDS/war/famine) – See Africa Differently this #africaday http://ow.ly/94cS

tsepeaces: Happy Africa Day! #africaday

NeoAid: If you happen to be in Ireland for #africaday, check out Irish Aid's celebrations at http://ow.ly/94aT or follow them @AfricaDay

neoaidcom: If you happen to be in Ireland for #africaday, check out Irish Aid's celebrations at http://ow.ly/94ay or follow them @AfricaDay

paoladm: #africaday hello a f r i c a ,http://www.london.gov.uk/mayor/culture/africaday/

NeoAid: Happy Africa Day everybody! http://ow.ly/94ak #africaday

neoaidcom: Happy Africa Day everybody! http://ow.ly/949K #africaday

loopyginee: RT @Devcrossing: RT @mulumba Happy Africa Day ma peoples! #africaday- And to you too!!!

micknsk: RT @negrita How good and how pleasant it would be/Before God and man/To see the unification of all Africans. Africa Unite #africaday

 

 

2 comentários

  • O MPLA COMO MARCA

    O MPLA como Marca representa um poder permanente em função de mais do que a sua história e multiplicidade de histórias e perpetuações das suas tradições.
    Um dos factores qualitativos de recriação da sua força consiste na lealdade da corrente regeneradora dos seus aliados.
    Os seus atributos, qualidade e expectativas criadas e uma amálgama de resultados e sua funcionalidade reforçam uma narrativa que impulsiona a sua existência.
    Não há dúvida de que as crenças sagradas, criações, metas e seu prestígio, sua visão e missão, capacidade de inovação reforçam o seu posicionamento.
    A sua suposta notoriedade e fidelização em constante construção criando boas ligações emocionais melhorarão consideravelmente essa marca.
    Sendo assim será que a marca MPLA é um sistema propulsor e fonte de criação de valor?
    Será que a notoriedade do MPLA continua a ser evocada de forma espontânea?
    Para que a marca MPLA se perpetue será necessário que as atitudes das pessoas correspondam a avaliações globais favoráveis.
    Não há dúvida que a força da marca MPLA quase se confundirá a um culto descentralizado e de interacções e laços fortes e experiências partilhadas que criam várias identidades verbais e simbólicas.
    Para falar da antiguidade da Marca MPLA teremos que falar forçosamente do seu núcleo fundador de Conacry dos anos 60.
    A marca MPLA se perpetua pelo seu prestígio devido as associações intangíveis, pelo seu simbolismo popularizado incontornável e grandes compromissos com o passado.
    O MPLA como marca, alem de possuir narrativas de sobrevivência, inclui testemunhos que dão a história, significados mais profundos e grande carácter de emocionalidade.
    A história do nacionalismo e luta de libertação pelos actores de renome a partir da fundação do MPLA em Conacry pelos seis fundadores bem personalizados, como Viriato da Cruz, Mário Pinto de Andrade, Hugo José Azancot de Menezes, Lúcio Lara, Eduardo Macedo dos Santos e Matias Migueis perpetuarão essa marca de forma reflectida.
    Poderemos então afirmar que os fundadores de Conacry foram os agentes prioritários e fundamentais da verdadeira autenticidade da marca MPLA.
    A dinâmica da história e a construção de identidades pressupõem estados liminares, pelo afastamento constante de identidades anteriores.
    Desenvolver a cultura da marca MPLA exigirá um constante planeamento e estratégias que permitirão reunir e sentir esta marca global.
    Para terminar apelaria que nas verdadeiras reflexões que a lenda da marca não obscurecesse a lenda dos fundadores verdadeiros artífices.
    Escrito Por:
    AYRES GUERRA AZANCOT DE MENEZES

  • MPLA DE CONACRY E A SUA POSTERIDADE

    O MÉRITO DOS FUNDADORES DO MPLA DE CONACRY SOBRE A FUNDAÇÃO DO MPLA E SUA
    SILGA E RESPECTIVAMENTE A FUNDAÇÃO DA OMA TAMBÉM EM CONACRY E TODO SEU
    DESENVOLVIMENTO E IMAGEM QUE PROJECTARAM A LUTA DE LIBERTAÇÃO DOS TERRITÓRIOS
    COMO ANGOLA, SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE, GUINÉE E CABO VERDE.
    QUANDO A SIGLA MPLA CONTINUA A VIGORAR INSTITUCIONALMENTE, É PORQUE ELA AINDA POSSUI UM POTENCIAL.
    PARA QUE A EXCELÊNCIA SE CONSOLIDE É NECESSÁRIO QUE ESTA CONSTRUÇÃO NÃO PARE DENTRO DE UM IMAGINÁRIO INFINDÁVEL.
    A MARCA MPLA ACTUALMENTE A NÍVEL PLANETÁRIO POSSUE UMA REPRESENTATIVIDADE,
    IDENTIDADE QUE EMERGE DE UMA DINÂMICA GLOBAL CUJOS RECEPTORES CONTINUAM A
    SER EXTREMAMENTE IMPORTANTES NESTA CONSTRUÇÃO.
    O MPLA COMO MARCA MUITO REAL OFERECE BENEFÍCIOS DIFERENCIADOS EM TODAS OS
    MOMENTOS DOS DESAFIOS TANTO INTERNO COMO EXTERNO E SE PROJECTARÁ COM UMA
    VISÃO DE FUTURO LONGINQUO, CONTEMPORÂNEO SE ESSA CONSTRUÇÃO CONTINUAR A SER BEM ESTIMULADA.
    A PARTIR DE QUE FACTORES O MPLA PODERÁ RECORRER PARA MANTER UMA POSTURA DE LIDERANÇA INSTITUCIONAL?
    SERÁ QUE OS FACTORES ECONÓMICOS E, POLÍTICOS E SOCIAIS ESTARÃO A SER OPTIMIZADOS
    NESTA ERA PLENA DE OPORTUNIDADES E ARMADILHAS?
    SERÁ QUE O MPLA POSSUE UMA SENCIBILIDADE TANTO TÁCTICA COMO ESTRATÉGICA
    BASEADOS NA DIFERENCIAÇÃO E SUPORTADOS PELO EFEITO DA COMUNICAÇÃO?
    MANTER-SE NUMA LIDERANÇA EXIGE UMA DIMENSÃO PSICOLÓGICA, ANTROPOLÓGICA E
    SOCIAL PARA SE AFIRMAR COMO INSTITUIÇÃO.
    AFINAL QUEM SÃO OS VERDADEIROS COLABORADORES INSTITUCIONAIS?
    TODAS VIVÊNCIAS E EMOÇÕES ESTABELECEM MARCAS DIFERENCIAIS.
    COMO O MPLA FARÁ PARA SE TORNAR ADAPTATIVO E MODERNO PARA EVITAR O ENVELHECIMENTO E IMPLUSÃO SEM CONTUDO FUGIR A SUA ESSÊNCIA?
    QUAIS AS VANTAGENS COMPETITIVAS DO MPLA COMO MARCA?
    SERÁ QUE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA MARCA MPLA CONTINUA A VERIFICAR-SE PARA
    ALEM DA SUA CONSTRUÇÃO INICIAL PELOS SEIS FUNDADORES DO MPLA DE CONACRY EM 1960?
    O VALOR DA MARCA MPLA E SUA IMAGEM AINDA SERÃO RECONHECIDOS COMO OPÇÃO POLÍTICA BEM GENERALIZADOS E DIFERENCIADOS?
    AS ATITUDES CRIADAS PELOS FACTORES GERAM SENTIMENTOS DE PREFERÊNCIA E DE LEALDADE E FIDELIDADE DETERMINANDO O VALOR DO CAPITAL DA MARCA.

    COMO VALORES INSTITUCIONAIS QUAIS SERÃO OS BENEFÍCIOS, MAISVALIAS E CULTURAS DE EMANCIPAÇÃO E PROGRESSO SOCIAL?
    PARA ISSO SERÁ NECESSÁRIO ESTABELECER UM RELACIONAMENTO FORTE QUE VINCULE
    TODA INSTITUIÇÃO TOCANDO NO CORAÇÃO ALERTANDO OS SENTIDOS E ESTIMULANDO A MENTE.
    DESTRUIR O MPLA SERIA DESTRUIR O MPLA DE CONACRYDOS FUNDADORES DE 1960 QUE
    FORAM OS ARTÍFICES, SEIS FUNDADORES DO MPLA, A SUA DIMENSÃO SIMBÓLICA, SEU
    PATRIMÓNIO HISTÓRICO E SUA EXPERIÊNCIA COMO CO-CRIADORA DE VALOR NA SUA ENVOLVENTE CHEIO DE VIVÊNCIAS.
    O MPLA TEM QUE EVITAR QUE LHE COLOQUEM NUMA SITUAÇÃO DE INDIFERENÇA E DE
    MERECER SOMENTE O LUGAR GRATIFICANTE DE PARTIDO HISTÓRICO FACE AO PASSADO E
    SER DESAFIADORA DO FUTURO GLOBALIZADO.
    QUAL A MISSÃO DO MPLA SENÃO PRODUZIR BEM ESTAR E QUALIDADE DE VIDA
    PROMOVENDO A DINÂMICA SOCIAL.

    COM AS SUAS VANTAGENS, EXPERIÊNCIAS, SÓLIDA HISTÓRIA POLÍTICA E SUA GÉNESE QUE
    COMEÇA EM CONACRY NOS ANOS 60 PELOS SEIS FUNDADORES COM A SUA NOTÁVEL
    CAPACIDADE DE CRIATIVIDADE E EMPENHO.

    UMA DAS GRANDES VIRTUDES SERÁ DE RECONFIGURAR O MONOPÓLIO DA INFORMAÇÃO E
    DO EXPOLIO HISTÓRICO E PRESERVAR SUA NOTORIEDADE.
    REVALORIZAR A MARCA MPLA NA MENTE DAS PESSOAS SERÁ UMA CONSTANTE E
    CORRESPONDERÁ A UMA FORMA CÍVICA DE BEM -ESTAR.
    AFINAL O QUE MOVE O MPLA?
    A SUA DISSIDÊNCIA DEVERÁ SUBSTITUIR-SE A SUA INTEGRAÇÃO PLENA E MADURA A
    SEMELHANÇA DA INTEGRAÇÃO PATRIÓTICA DOS DESCENDENTES DOS LÍDERES COMO
    MOBUTO, GIZENGA, LUMUMBA.

    ESCRITO POR:
    AYRES GUERRA AZANCOT DE MENEZES
    LISBOA 16-09-2009

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.