Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Venezuela: Debates sobre o novo currículo educacional

A nova proposta do governo venezuelano para o Sistema de Educação Básica criou um novo ponto de debate no país. Enquanto alguns afirmam que o antigo programa precisa ser reforçado com valores sociais e socialistas, assim como com idéias patróticas, alguns outros dizem estar preocupados que este novo sistema possa ser, acima de tudo, uma nova forma de fazer com que as crianças aprendam as doutrinas governamentais.

De acordo com alguns blogueiros, muitas das propostas parecem ser piadas. Para outros, são exatamente aquilo que o sistema educacional precisa. A discussão está na mesa. Novos grupos de discussão foram criados, chamando professores e pais a prestar atenção e participar do debate. A imprensa está de olho em cada declaração do governo e dos grupos de oposição; a possibilidade de um novo referendo sobre o tema também está em discussão. Além disso, os blogues estão atentos à questão e fazem seus comentários.

Parte do que é atacado é o novo sistema, que busca remover alguns esportes competitivos. Eles propõe jogos mais tradicionais, baseados na solidariedade e na igualdade. Há também a discussão sobre estudos de cultura e tradições nacionais, uma vez que o novo projeto parece destacar mais o estudo da herança africana e indígena do que a da européia. Acima de tudo, está sendo priorizado um extensivo e detalhado estudo do governo e dos ideais de Chavez em detrimento do estudo da história mundial e da história contemporânea da Venezuela.

O blogueiro Talfin ouviu algumas propostas no rádio e imediatamente as considerou uma piada. Depois de um olhar mais detalhado, ele comenta [Es]:

La otra medida, es eliminar los llamados cuadros de honor porque esto genera competencia. Bueno sin palabras realmente (…) ¿Qué clase de metas les están trazando a las próximas generaciones?, ¿ser uno más del montón?, ¿porque no se estimula la excelencia en vez de la mediocridad? Si bien esto de la mediocridad no es nada producido exclusivamente por los chavistas, ellos no están haciendo absolutamente nada para mejorarlo, si no todo lo contrario. (…)

A outra medida é eliminar os chamados quadros de honra, uma vez que criam competição. Eu não tenho palavras. (…) Que tipo de metas eles estão ensinando às novas gerações? Ser mais um na multidão? Por quê não se estimula a excelência em vez da mediocridade? Se de fato essa mediocridade não é obra exclusiva dos Chavistas, eles não estão fazendo nada para melhorar a situação, muito pelo contrário. (…)

O blogue Fotos de Chavez [Es] publica uma entrevista com um especialista em pedagogia:

El debate no es si vamos a aumentar el número de liceos, mejorar las comprensión lectora, cómo bajar la repitencia, sino hablar de bolivarianismo y marxismo. Eso está bien, que se discuta de todo, pero la esencia de la escuela no se aborda. Pero no todo es tan malo, destaca la enseñanza del inglés y de la tecnología desde la primera etapa. Sin embargo, hay un detalle: “el problema es que los maestros no hablan inglés. Tampoco hay laboratorios para la práctica de la computación”, explicó. Ante el temor de los padres por la ideologización de la educación que entraña el currículo, Herrera dijo que es una posibilidad remota, ya que su experiencia le indica que no es así. La educación es más el resultado de la praxis que de las leyes. “La calidad la afecta las políticas públicas, no las leyes”. (En cualquier caso) fallas en la infraestructura y la condición social del docente conspiran contra ese propósito, a lo cual se suma el hecho que más se aprende por la socialización que en la escuela.

A discussão não é se vamos aumentar o número de escolas, melhorar a compreensão de leitura ou buscar a diminuição da repetência de anos acadêmicos, e sim falar de Bolivarianismo e Marxismo. Isso é bom, que se discuta tudo, mas a essência da escola não está sendo debatida. Mas nem tudo é tão ruim, destaca-se o ensino de inglês e da tecnologia desde a primeira etapa. Contudo, há um detalhe: “o problema é que os professores não falam inglês. Tampouco há laboratórios para a prática da computação”, explicou. Ante o temor de alguns pais ante a ideologização da educação que está entranhada no currículo, Herrera diz que é uma possibilidade remota, já que sua experiência lhe diz que as coisas não são assim. A educação é mais o resultado da praxis do que das leis. “A qualidade é afetada pelas políticas públicas, e não pelas leis”. (De qualquer forma) as falhas na infraestrutura e a condição social do docente conspiram contra este propósito, e a isso se soma o fato que se aprende mais por socialização do que na escola.

Evony diz [Es]:

El nuevo diseño curricular maneja como uno de sus postulados la enseñanza o el aprendizaje significativo, lo que se ha dado a denominar “Constructivismo Pedagógico”. Este modelo pretende que lo que el alumno aprenda tenga significado para él. Cuando hablamos en el Sistema Educativo Bolivariano (SEB) que se encuentra en Currículo Nacional Bolivariano (CNB) de “la formación para la defensa de la soberanía nacional…” a que nos referimos, a la defensa de nuestra cultura como pueblo, de nuestros ideales como país, de los ideales del Presidente Chávez como máxima figura de la Revolución Bolivariana o de nuestro territorio, y como nuestros niños, niñas y adolescentes defenderían esto, con ideas o con armas, esta ambigüedad que expresa el CNB tiene que ser revisado y aclarado, porque no se debe permitir un adoctrinamiento de nuestros jóvenes.

O novo programa curricular usa como um de seus postulados o ensino ou a aprendizagem significativa, o que se costuma denominar “Construtivismo Pedagógico”. Este modelo pretende que aquilo que o aluno aprende tenha significado para ele. Quando falamos no Sistema Educacional Bolivariano (SEB), que se encontra no Currículo Nacional Bolivariano (CNB), da “formação para a defesa da soberania nacional…”, a que nos referimos? À defesa de nossa cultura enquanto povo, nossos ideais enquanto país, os ideais do presidente Chávez como figura máxima da Revolução Bolivariana, ou ao nosso território, e à forma como nossos filhos, filhas e adolescentes o defenderiam, com idéias ou com armas? Esta ambiguidade expressa no CNB tem que ser revisada e esclarecida, pois não se deve permitir a doutrinação de nossos jovens.

Vulcano do Noticias Bolivarianas [Es] apóia as novas propostas:

Le doy un rotundo apoyo al Nuevo Diseño Curricular Bolivariano que actualmente se discute en toda la geografía del país, puesto que éste, no sólo se caracteriza por ser inédito sino que ubica a Venezuela en un sitial de relevancia transformadora en la Era Moderna, con filosofía y pensamientos propios derivados de hombres y mujeres nativos de estas tierras con sueños de dibujar y construir a través del Sistema Educativo Bolivariano un modelo de sociedad diferente donde se reivindique la verdadera esencia del ser.

Eu dou meu completo apoio ao Novo Programa Curricular Bolivariano que está sendo discutido em todos os cantos do país, já que este não apenas se caracteriza por ser inédito como também por colocar a Venezuela em um lugar de relevância transformadora na Era Moderna, com filosofia e pensamentos próprios derivados de homens e mulheres nativos destas terras com sonhos de projetar e construir através do Sistema Educacional Bolivariano um modelo de sociedade diferente onde se reivindique a verdadeira essência do ser.

O programa completo pode ser visto aqui (em espanhol)

1 comentário

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.