Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Paquistão: Tudo marcial e sem lei

 

Se anda como pato e grasna como um pato, então provavelmente é lei marcial. O presidente Musharraf pode chamar isso do que ele quiser, emergência ou Amer-Jensee (como ele pronuncia a palavras em seus discursos na televisão) mas para todos os efeitos é uma lei marcial. A legalidade da imposição do estado de emergência é mais do que questionável, e a razão oficial (guerra ao terrorismo) é no mínimo uma piada. Musharraf poderia ter alegado um “ataque alienígena” que ele teria mais credibilidade.

Minos’ Mine Kampf apresenta sua análise da situação com o seu jeitinho peculiar.

Well, the kid gloves are finally off. The smiley mask, too, is slowly being dissolved by the vitriol oozing out of dilated facial pores. Dear Leader San, sans Chaplinesque mustache, stands before us in all his pint-sized totalitarian glory. A strongman-the-laaltein (trans.lantern) for our weird and wonderful times. A Sodomise-’em Hussein in the making. Der Führer Redux in khaki, whom we should face with right arms raised in reverent salutes, chanting Sieg Heil (or else crawl back into our little foxholes and go back to sleep).

Bem, o menino finalmente colocou as luvinhas de fora. A máscara sorridente, também, começa a ser vagarosamente dissolvida pelo sacarsmo escapando dos poros faciais dilatados. Caro Líder San, sem bigode a la Chaplin, se apresenta na nossa frente em sua insignificante glória totalitária. Um homem-forte-a-laaltein (tradução: lanterna) para nossos estranhos e maravilhosos tempos. Um Hussein Fodam-Se
em formação. Der Führer Reeditado em cáqui, a quem a gente deveria encarar com braços levantados em reverência, entonando Sieg Heil (ou quem sabe engatinhando de volta à nossa pequena cova e voltando a dormir).

[Nota da tradução: a maioria dos termos estrangeiros usados pelo blogueiro foram mantidos na língua que ele usou, como os alemães Führer e Sieg Heil, que são, respectivamente, o título adotado por Adolf Hitler na Alemanha para designar o chefe máximo do Reich e do Partido Nazi e a saudação a ele, que quer dizer ‘Saudação à Vitória].

Para lidar com as ameaças de extremismo religioso e terrorismo, o governo tomou medidas severas contra os juízes, advogados, a imprensa, os ativistas em prol dos direitos humanos, quanto os extremistas religiosos e os suspeitos de terrorismo deixaram escapar um “ufa!” coletivo e seguiram com suas atividades.

Pak Affairs explica as razões para a “Lei Marcial – Light

Musharraf caught in the middle of this has been trying to strike a balance by appeasing its people and at the same time keeping NATO and US off the limits from entering Pakistani territory. It’s tough to be in Musharraf’s shoes at this point where he is trying to hold the country’s dignity in place and yet not agitate a wounded bear, the US.

Musharraf foi pego no meio de tudo isso e está tentando encontrar um equilíbrio apaziguando seu povo ao mesmo tempo que mantém a OTAN e EUA fora e impede a entrada no território paquistanês. É difícil estar no lugar de Musharraf nesse momento, enquanto ele está tentando manter a dignidade do país ao mesmo tempo que não cutuca a onça com vara curta, os EUA.

O Chefe de Justiça e a maioria da Corte Suprema e juízes do supremo tribunal foram removidos e seus substitutos prestaram juramento sob a bandeira do “fora com o velho e que venha o novo” e os protestos subseqüentes acabaram na prisão de muitos advogados. Todos canais de notícias privados do Paquistão foram completamente suprimidos e foi relatado que o governo tentou restringir a publicação de um suplemento sobre o estado de emergência pelo jornal Jung. Por falar nisso, Musharraf ainda acredita na liberdade de expressão como ele acredita em seu discurso. Acho que ele estava se referindo à liberdade de ser censurado pelo governo.

Silsila-e-Mah-o-Saal faz uma importante pergunta aos apoiadores de Musharraf, enquanto Windmills apresenta uma fábula que merece publicação como um artigo opinativo em um jornal paquistanês de qualidade.

Houve um rumor ontem de que o Presidente Musharraf estava sendo colocado em prisão domiciliar por uma facção das forças armadas que ficou irritada com o abuso de autoridade. Esse rumor resultou em uma queda massiva na bolsa de valores de Karachi. Mas Freedom and Democracy destaca um interessante videoclipe da GEO News que discute a última ordem da Corte Suprema que adverte comandantes centrais e soldados quanto a participação em atividades inconstitucionais. Talvez esse rumor não fosse de todo infundado (embora o clipe seja em Urdu, a ordem em si foi lida em inglês).

Baithak taz as últimas notícias sobre as reações da imprensa ao decreto de emergência.

The anchor persons are saying that the people are angry (at the imposition of Emergency.) But from what we see here, across the channels, the media hosts appear angrier.

Os âncoras estão dizendo que o povo está enraivecido (sobre a imposição da emergência). Mas pelo que eu vejo aqui, em todos os canais, são os veículos de imprensa que parecem mais furiosos.

Procrastination apresenta uma avaliação detalhada do pronunciamento de Musharaf ao país (a postagem inclui trechos e vídeos do discurso).

You’ll notice the “I” in Musharraf’s speech, i.e. “I did this, I did that” and his conflation of him and Pakistan and how everything he has done and is doing is for Pakistan. That is of course the staple of such speeches, I still remember Zia’s speeches.

Você notará o “Eu” no discurso de Musharraf, exemplo “Eu fiz isso, eu fiz aquilo” em sua confusão entre ele e o Paquistão, e tudo o que ele fez e está fazendo pelo Paquistão. Esse é, claro, o componente principal de discursos do tipo, eu ainda lembro dos discursos de Zia.

Metroblogging Lahore apresenta um resumo das opiniões da imprensa sobre a situação, enquanto Metroblogging Islamabad destaca o link para a transmissão na internet do canal Dawn News.

Bem, isso é tudo nessa ronda das opiniões na blogosfera paquistanesa. Estou indo a Karachi (no Paquistão) em uma visita rápida. Será rápida porque minha esposa impôs uma Lei Marcial (aliás, uma Lei Marital) na minha viagem. Ela justifica seus motivos com a Guerra ao Terrorismo. Ei, se Musharraf pode usar essa desculpa, ela também pode!

[Nota da tradução: Todos os links levam a sites em inglês]

(Texto original de Omer Alvie)

 

O artigo acima é uma tradução de um artigo original publicado no Global Voices Online. Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.