Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Camboja: Blogando de Siem Reap

Siem Reap, a pequena e charmosa cidade portão de entrada do mundialmente famoso patrimônio dos templos de Angkor, tem muito o que oferecer – estilo arquitetônico Chinês e colonial, dançarinos de apsará, as vilas de pescadores e um santuário de pássaros, perto do lago Tonle Sap. Enquanto o número de turistas visitando Angkor Wat cresce a cada ano, esse ponto turístico também fica cada vez mais exposto a influências externas. Nessa cidade, um jovem companheiro se encontra embarcando em uma jornada que é tanto enrolada quanto recompensadora.

Vireak

No ano passado, Vireak [en] deu início a um blogue chamado ‘A Cambodian blog by a Khmer guy from Siem Reap!‘ [nota: Um blogue cambojano de um cara Khmer de Siem Reap! –  Khmer é membro de um povo nativo do Camboja que fundou o Império do Khmer no séc. VI a.c]. Em seus primeiros títulos de postagens -‘Escapou impune de crimes!’, Vireak descreve como ele encontrou seus ex-colegas de escola e não conseguiu lembrar seus nomes. Vireak admite que isso é um crime contra a humanidade. A confrontação aconteceu em uma cerimônia de casamento, quando um amigo de infância sorriu para Vireak e disse que ele mudou bastante. Vireak, no entanto, não conseguiu lembrar seu nome.

Assim como muitos jovens cambojanos, Vireak deixou sua cidade natal, Siem Reap, em busca de uma educação melhor na capital do Cambojia, Phnom Penh. Ele estudou Engenharia Geral no Institut de Technologie du Cambodge em Phnom Penh por dois anos, Vireak ganhou uma bolsa de estudos para continuar sua educação em Engenharia Elétrica e Eletrônica na Universidade de Tecnologia Nanyang, em Cingapura.

Em uma multidão de algumas centenas de blogueiros aqui do Camboja, onde blogar é considerado uma atividade popular entre jovens, Vireak tem seu próprio jeito de se expressar e mostrar suas idéias. Ele não se vê como um blogueiro, embora as alegrias de receber comentários de amigos e leitores que regularmente visitam seu blogue.

Veja aqui minha entrevista por e-mail com Vireak. Ele me falou de suas motivações para começar a blogar e sobre o que ele escreve frequentemente.

P: Por que você tem um blogue?
– Eu achei que seria legal. Eu comecei com um site pessoal não interativo em flash em 2003. Naqueles tempos, eu achava flash fascinante; então pensei “vamos ver até onde posso ir”. Mas eu perdi o interesse em flash mais ou menos um ano depois. Então eu vi o que eu poderia fazer no WordPress, e pensei em dar mais uma tentada. Mas não foi até 2006 que eu tive tempo e estado de espírito certos. Assim Vireak.net nasceu.

P: Sobre o que você escreve normalmente?
– Eu seleciono muito o que escrevo. Normalmente escrevo sobre algo com o que os leitores, especialmente a juventude Khmer, encontra uma ligação, algo que não se perde no tempo, não tem uma data de vencimento no rótulo, que as pessoas ainda podem considerar relevante  sem dizer “ei, isso aqui é porcaria velha”. Portanto a maioria das coisas que escrevo não tem base em eventos. Você não vai ler sobre o que estou fazendo ou sobre onde estou indo passar o fim de semana; é mais fácil você encontrar o que se passa em minha cabeça enquanto futuco meu nariz.

P: Por alguns motivos, você não se considera um blogueiro. Mas como você se enxerga alguns anos mais adiante, quando mais cambojanos acham que blogar é uma norma em suas atividades na internet?
– Para ser sincero, eu não me importo se blogar será a norma em Camboja ou não. Eu não me vejo escrevendo online por muito tempo.

P: Você incentiva seus amigos a começarem a blogar ou a manter um blogue?
– Na verdade não. Não é que eu vou fazer a vida deles mais feliz se eu pedir que eles venham online e comecem a blogar ou se manter blogando. Eu não acredito na vida online. Para mim, a mais feliz forma de vida está fora da rede.

P: Você espera que, com blogue, você pode manter contato com amigos e fazer novos amigos. Quantos novos amigos você fez até agora? Pode escolher uma estória para dar de exemplo?
– Eu conheci alguns poucos, embora ainda não tenha conhecido ninguém pessoalmente ainda. Não posso escolher uma estória e partir dela…:-p

P: Muitas pessoas dizem que blogue está bombando no Camboja. Você concorda?
– Em uma postagem no início de 2007 http://www.vireak.net/2007/01/05/2007-predictions/, Eu fiz uma previsão ousada de que a onda de blogues no Camboja vai estourar em 2007. Assim como muitas coisas que se popularizaram, a onda vai rapidamente desbotar. Eu vou continuar com minha previsão. Não sei. Assim me diz meu instinto.

P: O que você acha que blogar significa para cambojanos?
– É como música pop do khmer para os ouvidos. Você gosta assim que é lançada. E em pouco tempo já envelheceu.

P: Em maio passado você começou a publicar o primeiro episódio de sua ficção romântica ‘Operation Heart Hunter’. Pode falar aos seus leitores sobre isso?
– Quando se trata de uma estória envolvendo romance e emoções, não dá para fazer ela gelar sem colocar seu coração ali. Então não seria certo se eu mesmo fosse o protagonista de estória. É por isso. Então, mais uma vez, me perguntam se a estória é verdadeira… Desculpa, mas não posso contar isso.

P: Como um torcedor do Arsenal aqui no Camboja, o que você faz para apoiar os Gunners?
– Vamos falar no Cesc baby
Vamos falar de Van-Per-sie
Vamos falar de Theo Walcott, Ade-bayor, Rosicky
Vamos falar de Cesc
(no ritmo de “Let's talk about Sex”)

(Texto original de Tharum Bun)

 

O artigo acima é uma tradução de um artigo original publicado no Global Voices Online. Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.