Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Sob ameaça de prisão, rap que critica militares viraliza na Tailândia

“O país em que as pessoas são mortas de ambos lados”. O trecho do videoclip faz referência à violência praticada contra aqueles que se opõem aos militares e às constantes querelas entre partidos políticos. Captura de tela do vídeo no YouTube.

Um videoclipe de rap criticando o governo militar da Tailândia viralizou na internet a despeito das ameaças feitas pelas autoridades locais de investigar os autores da canção. Primeiro ministro tailandês disse se tratar de uma canção “inapropriada”.

Lançado no dia 22 de outubro, o videoclipe de cinco minutos “Prathet Ku Mi” [O que acontece no meu país], do grupo Rap Against Dictatorship [Rap contra ditadura], teve 600 mil visualizações no YouTube em apenas dois dias. Em novembro, as visualizações chegavam a mais de 40 milhões.

O grupo composto por 10 rappers compôs a canção que critica o estado de violência, a corrupção governamental e o domínio militar coletivamente. Alguns deles optaram por manter seu anonimato.

Liderado pelo general Prayuth Chan-ocha, o Exército desferiu um golpe na Tailândia em 2014. Uma nova constituição foi esboçada, garantindo o controle militar da burocracia estatal mesmo na possibilidade de restauração da lei civil. Prayuth anunciou que as eleições acontecerão ano que vem, mas o governo impôs várias restrições às campanhas políticas.

O grupo de rap foi elogiado por sua bravura e criatividade ao ilustrar a situação do país. Abaixo, capturas de tela de alguns trechos do videoclipe:

“A constituição é escrita e apagada pelas botas do Exército”. A imagem faz referência à constituição de 2016, que supostamente facilitaria a transição do país para a democracia mas só reforçou o dominío dos militares. Captura de tela do vídeo no YouTube.

“O país que aponta a arma para a sua garganta”. O trecho se refere ao golpe militar de 2014 e à continuidade da ditadura militar na Tailândia. Captura de tela do vídeo no YouTube.

O primeiro ministro Prayuth era o chefe do exército que liderou o golpe militar de 2014. Captura de tela do vídeo no YouTube

“Até a PM é escolhida pelo Exército”. O primeiro ministro Prayuth era o chefe do Exército que liderou o golpe militar de 2014. Captura de tela do vídeo no YouTube

Em segundo plano, podemos ver um grupo de pessoas que parece aplaudir algo. Quase no final do vídeo, é revelado que se trata de uma referência ao povo e às forças paramilitares que atacaram e mataram dúzias de estudantes da Universidade Thammasat, quando estes protestavam contra o controle militar em 1976.

O videoclipe recria uma das cenas brutais do Massacre na Universidade Thammasat, em 1976. Captura de tela do vídeo no YouTube.

Questionado sobre a inclusão do brutal massacre com enforcamento em árvores na Universidade Thammasat, mostrado no vídeo, e se isso glorificava a violência, o diretor Teerawat Rujintham explicou em entrevista para o site Prachatai que:

Sometimes we also have to present violence using a straightforward method, so that people will feel and see certain truths.

Society that lives under fear and self-censorship doesn’t work. If we believe in something, we must be brave enough to fight and take a stand for it.

Às vezes temos que apresentar também a violência de forma direta, para que as pessoas sintam e vejam certas verdades.

Uma sociedade que vive sob a égide do medo e da autocensura não funciona. Se acreditamos em algo, temos que ter coragem o bastante para lutar e defendê-lo.

As autoridades Tailandesas, sob  liderança de Prayut, criticaram a música por “desrespeitar” o país, e chefes da policia ameaçaram investigar o grupo de rap e acusar todos que compartilhassem a canção nas mídias sociais. Até o momento, não foram emitidos mandados de prisão.

Em vez disso, o governo lançou seu próprio rap celebrando a inovação e o progresso, mas falhou em gerar entusiasmo nas mídias sociais.

É possível que o governo de Prayut, percebendo a popularidade da canção junto à juventude, esteja mantendo cautela para não inflamar a população em um período em que precisa do apoio de eleitores.

De fato, muitos internautas tailandeses e líderes de vários partidos políticos declararam apoio aos rappers:

Eu sempre digo que o poder suave da música e da literatura é uma força crucial para levar a sociedade a um futuro progressivo. Rap Against Dictatorship fez um excelente trabalho com  #ประเทศกูมี. Eles mostraram para o mundo que nós Tailândeses não nos rendemos ao poder da Junta. https://t.co/Z0QkDurDlS

— Thanathorn Juangroongruangkit (@Thanathorn_FWP) 26 de outubro, 2018

Em entrevista ao site de noticias Coconuts, os integrantes do grupo Rap Against Dictatorship responderam aos críticos que os acusaram de manchar a imagem da Tailândia no exterior:

To the people who say we’re ‘ruining Thailand’s reputation’, I ask what looks worse: turning a blind eye on the problems that everyone already knows about anyway or recognising our problems and starting a conversation to look for solutions?

Às pessoas que dizem que estamos ‘arruinando a reputação da Tailândia’, eu pergundo o que lhes parece pior: fechar os olhos para os problemas que todos já conhecem de qualquer maneira ou reconhecer nossos problemas e começar um diálogo em busca de soluções?

Assista ao videoclipe na íntegra:

 

Revisado por Nina Jacomini

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.