Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

FOTOS: Humanos dos protestos #Euromaidan na Ucrânia

Manifestantes ajudam um condutor a empurrar o seu carro rua acima. Foto por Olha Harbovska. Usada com permissão.

Manifestantes ajudam um condutor a empurrar o seu carro rua acima. Foto por Olha Harbovska. Usada com permissão.

Este artigo faz parte da nossa Cobertura Especial sobre os protestos #Euromaidan na Ucrânia.

Todas as ligações apontam para sítios em inglês.

A adopção, rapidamente anulada, de uma lei para limitar manifestações pacíficas na Ucrânia desencadeou confrontos violentos entre a polícia e manifestantes anti-governo, de forma intermitente desde 19 de Janeiro de 2014. As fotografias dramáticas dos tensos confrontos, por vezes envoltos no fumo negro de carros em chamas, impressionaram e correram por todo o mundo.

No entanto, as fotografias que raramente têm tempo de antena nos media tradicionais são aquelas que mostram o lado humano dos longos e duros protestos que ficaram conhecidos como Euromaidan, lado esse que pode ser visto em imagens publicadas nas redes sociais e sites de partilha de fotos de manifestantes e jornalistas no terreno.

Estas fotos documentam como os manifestantes se têm ajudado uns aos outros para funcionarem tão normalmente quanto possível, enquanto tentam derrubar um governo que consideram corrupto e fracassado. Para além de se manterem quentes e em segurança, os manifestantes costumam ajudar quem está de passagem a atravessar as multidões e as temperaturas abaixo de zero do inverno ucraniano. Voluntários prestam também cuidados médicos gratuitos a ambos os lados da barricada.

Membro dos corpos médicos voluntários em Kiev. Foto pelo criador da página de Facebook

Membro dos corpos médicos voluntários em Kiev. Foto pelo criador da página de Facebook “Maidaners”. Usada com permissão.

Senhora idosa serve chá quente aos manifestantes. Foto por Olha Harbovska. Usada com permissão.

Senhora idosa serve chá quente aos manifestantes. Foto por Olha Harbovska. Usada com permissão.

As populações improvisaram cozinhas e postos de distribuição de chá em Kiev e outras cidades para alimentarem e aquecerem os manifestantes. Equipas de voluntários também limpam neve e removem lixo dos locais de protesto.

Homem serve sanduíches aos manifestantes. Foto por Hanna Hrabarska. Usada com permissão.

Homem serve sanduíches aos manifestantes. Foto por Hanna Hrabarska. Usada com permissão.

 Um dos postos de distribuição de chá que mantém os manifestantes quentes. Foto pelo utilizador do Clashdot Volye101. Usada com permissão.

Um dos postos de distribuição de chá que mantém os manifestantes quentes. Foto pelo utilizador do Clashdot Volye101. Usada com permissão.

Uma voluntária ajuda a limpar o local dos protestos em Kiev. Foto pelo criador da página de Facebook

Uma voluntária ajuda a limpar o local dos protestos em Kiev. Foto pelo criador da página de Facebook “Maidaners”. Usada com permissão.

Um homem ocupa-se de vários panelões de comida preparada para os manifestantes, certificando-se que a refeição não queima. Foto por Volye101, utilizador do Clashdot. Usada com permissão.

Um homem ocupa-se de vários panelões de comida preparada para os manifestantes, certificando-se que a refeição não queima. Foto por Volye101, utilizador do Clashdot. Usada com permissão.

Incrivelmente, em mais uma prova de que os humanos são criaturas sociais e criativas em quaisquer circunstâncias, o entretenimento, e especialmente a música, têm sido fundamentais para animar os manifestantes durante os protestos Euromaidan. Sean Lennon, filho do lendário músico John Lennon, emocionou-se quando viu que uma interpretação ao vivo de “Imagine”, a célebre música do seu pai, tinha sido utilizada durante o Euromaidan para enviar uma mensagem de retaliação pacífica contra o poder na Ucrânia, dizendo na sua página de Facebook que era “espectacular“. A música ao vivo é uma constante nos protestos Euromaidan por todo o país, como no exemplo seguinte:

Um homem toca violino para um manifestante numa passagem subterrânea em Kiev. Fotografia por Olha Harbovska. Usada com permissão.

Um homem toca violino para um manifestante numa passagem subterrânea em Kiev. Fotografia por Olha Harbovska. Usada com permissão.

Também existe muita criatividade visual: os manifestantes criam cartazes, pintam capacetes, tendas, etc..

Mulher pinta uma tenda na área principal das manifestações em Kiev. Foto pelo criador da página de Facebook

Mulher pinta uma tenda na área principal das manifestações em Kiev. Foto pelo criador da página de Facebook “Maidaners”. Usada com permisssão.

Apesar dos confrontos e das investidas coordenadas da polícia contra as manifestações, que resultaram até agora em seis mortes de civis e milhares de feridos, os manifestantes conversam e interagem frequentemente com os agentes durante os protestos, por vezes encontrando uma linguagem e pontos em comum. Em seguida pode ver-se uma fotografia de um agente policial em serviço durante os protestos que parece satisfeito por ter chegado a acordo com os manifestantes para manter a paz e não recorrer à força:

Um polícia sorridente. Acaba de prometer não usar a força contra os manifestantes. Foto por Hanna Hrabarska. Usada com permissão.

Um polícia sorridente. Acaba de prometer não usar a força contra os manifestantes. Foto por Hanna Hrabarska. Usada com permissão.

Defensor voluntário da área das manifestações em Kiev que criou a constituição de cordões humanos entre os manifestantes e a polícia para prevenir provocações e violência. Foto pelo criador da página de Facebook

Defensor voluntário da área das manifestações em Kiev que criou a constituição de cordões humanos entre os manifestantes e a polícia para prevenir provocações e violência. Foto pelo criador da página de Facebook “Maidaners”. Usada com permissão.

Este artigo faz parte da nossa Cobertura Especial sobre os protestos #Euromaidan na Ucrânia.

As imagens para este artigo foram fornecidas pelas autoras do Global Voices Tetyana Bohdanova e Tetyana Lokot.