Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Viagem de Beyoncé e Jay-Z a Cuba ofende blogueiros na diáspora

[Todos os links levam a páginas em inglês.]

Ninguém imagina que blogueiros de política estejam particulamente interessados no paradeiro de celebridades, mas uma viagem de aniversário do poderoso casal de artistas Beyoncé e Jay-Z a Cuba chamou a atenção da diáspora cubana nos Estados Unidos. Se por um lado o embargo cubano não limita viagens de cidadãos dos EUA à ilha (cubanos-americanos são permitidos a visitar o país, mesmo quando havia a proibição de viajar), é ilegal que gastem dinheiro em Cuba, ao menos sem isenções especiais. Isso, claro, faz de viagens a Cuba algo impossível para a maioria dos americanos: como é possível visitar um país e não gastar dinheiro lá? Apesar de o Havana Times, um blog com base na ilha, ter afirmado que o casal supostamente recebeu a permissão do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos para fazer a viagem, para a maioria dos blogueiros na diáspora, a ofensa é maior do uma simples driblada nas regras. Para eles, é uma questão de princípios.

El Cafe Cubano se perguntou se o casal passaria “seu quinto aniversário de casamento em um país comunista e ditatorial como Cuba” e, em um post seguinte, questionou, ironicamente:

So what's the big deal that Beyonce are in Jay-Z In Cuba?

Então, qual é o problema de Beyoncé e Jay-Z estarem em Cuba?

Alberto de la Cruz, do blog Babalú, explicou, com prazer:

Reading through the news coverage these past few days of Beyonce and Jay-Z's ill-advised and thoroughly offensive vacation in Cuba as guests of the apartheid Castro dictatorship, much of the concern centers around the legality of their trip to the communist island. That is certainly an important point since it is illegal for American citizens to visit Cuba as tourists, even if you are personal friends of President Obama. But what I personally find most troubling about this scandalous act by American music's most prominent couple is their complete and utter insensitivity to the repression and brutality suffered by the Cuban people — the majority of them black — at the hands of the tyrannical Castro dictatorship. By ‘vacationing'…as if they were just visiting any other destination, Beyonce and Jay-Z are in effect telling America, the world, and most cruelly, Cuba's enslaved people, that they tacitly approve of the island's brutal and racist regime.

Ao ler a cobertura nos últimos dias sobre as mal assessoradas e completamente ofensivas férias em Cuba de Beyoncé e Jay-Z como convidados da ditadura de apartheid dos Castro, grande parte das preocupações se centra na legalidade de sua viagem à ilha comunista. Este é um ponto certamente importante, já que é ilegal para cidadãos americanos visitar Cuba como turistas, mesmo que você seja um amigo pessoal do presidente Obama. Mas o que eu, pessoalmente, acho mais preocupante sobre esse ato escandaloso por parte do casal mais proeminente da música americana é sua completa e total insensibilidade à repressão e brutalidade sofridas pelo povo cubano — sua maioria é negra — nas mãos da tirana ditadura dos Castro. Ao “tirar férias”… como se estivessem visitando qualquer outro destino, Beyoncé e Jay-Z estão, na realidade, dizendo à América, ao mundo, e, mais cruelmente, ao escravizado povo cubano, que eles tacitamente aprovam o regime brutal e racista da ilha.

Ele também vê problemas nas vantagens, em termos de relações públicas, que o governo cubano parece estar ganhando com a visita:

Naturally, the Castro dictatorship sees Beyonce and Jay-Z's visit as a propaganda opportunity to portray themselves as something other than a repressive tyranny…releasing photos of the power couple enjoying the sights and luxuries of Cuba, but making sure they leave out the fact that those amenities are denied to typical Cubans. All the public sees is two very rich and very powerful Americans enjoying a Caribbean getaway. The beatings of dissidents, the stoning of families opposed to the Castro dictatorship, and their violent arrests and imprisonment is conveniently left out of the press releases and news reports.

Naturalmente, a ditadura dos Castro vê a visita de Beyoncé e Jay-Z como uma oportunidade de propaganda para mostrar-se como algo diferente de uma tirania repressora… divulgando fotos do poderoso casal aproveitando os lugares e os luxos de Cuba, mas garantindo que eles desconsiderem o fato de que essa amenidades são negadas aos cubanos comuns. Tudo o que o público vê são dois americanos muito ricos e poderosos aproveitando uma viagem ao Caribe. As surras aos dissidentes, o apedrejamento de famílias contrárias à ditadura dos Castro e suas violentas detenções e aprisionamentos são convenientemente deixados de fora dos comunicados de imprensa e notícias.

E conclui:

While you are busy watching Beyonce dancing salsa in Cuba, the Castro dictatorship knows you will not be watching or thinking about the reality of life in Castro's Cuba. You will not be thinking about the hundreds of political arrests that take place every month, or the tens of thousands of political prisoners rotting in Cuban gulags…you are not thinking about Sonia Garro, a black woman and dissident who has been unjustly imprisoned for over a year. While your eyes are focused on Beyonce and Jay-Z partying on the forbidden island of Cuba, the Castro dictatorship knows your eyes are not focused on the defenseless Ladies in White being mercilessly pummeled and beaten by the Castro dictatorship's State Security and hired thugs. That, my friends, is what bothers me the most about Beyonce and Jay-Z's vacation to Cuba: They have helped the Castro dictatorship hide its atrocities and racist repression.

Enquanto vocês se ocupam vendo a Beyoncé dançar salsa em Cuba, a ditadura dos Castro sabe que vocês não estarão vendo ou pensando sobre a realidade da vida na Cuba dos Castro. Vocês não estarão pensando sobre as centenas de detenções políticas que acontecem todos os meses, ou as dezenas de milhares de prisioneiros políticos apodrecendo nos gulags cubanos… não estão pensando sobre Sonia Garro, uma mulher negra e dissidente que está presa injustamente há mais de um ano. Enquanto seus olhos estão voltados para as festas de Beyoncé e Jay-Z na ilha proibida de Cuba, a ditadura dos Castro sabe que seus olhos não estão voltados para as indefesas Damas de Branco apanhando sem pena das forças de Segurança de Estado da ditadura dos Castro e seus criminosos contratados. Isso, meus amigos, é o que me incomoda mais sobre as férias de Beyoncé e Jay-Z a Cuba: eles ajudaram a ditadura dos Castro a esconder as atrocidades e a repressão racista.

Uncommon Sense, por outro lado, focou nas contínuas injustiças em Cuba – neste caso, muito apropriadamente, na situação de um rapper cubano que começou uma greve de fome para exigir sua liberdade:

The same week American hip-hop superpunk Jay-Z and his wife Beyonce celebrated their wedding anniversary in Havana, Cuban rapper Angel Yunier Remon Arzuaga sat in a Cuban jail cell, on hunger strike after the secret police broke into his mother's home and beat and arrested him.

Jay-Z may have 99 problems, but it's safe to say that letting Remon's suffering– the suffering of a fellow musician, the suffering of a fellow black man, the suffering of any Cuban — infringe on his and Beyonce's partying in Cuba ain't one.

Na mesma semana em que o superpunk do hip-hip americano Jay-Z e sua esposa Beyoncé comemoraram seu aniversário de casamento em Havana, o rapper cubano Angel Yunier Remon Arzuaga sentou na cela de uma prisão cubana, em greve de fome depois que a polícia secreta invadiu a casa de sua mãe e bateu nele e o prendeu.

Jay-Z pode ter 99 problemas, mas é seguro dizer que deixar que o sofrimento de Remon — o sofrimento de um companheiro músico, o sofrimento de um companheiro negro, o sofrimento de qualquer cubano — detenha sua festa e a de Beyoncé em Cuba não é um deles.

Capitol Hill Cubans também se perguntou se o casal intercederia sobre a prisão do rapper e de outros.

Jorge Ponce, também no blog Babalú, postou uma foto de Jay-Z vestindo uma camiseta com a imagem de Che Guevara, usada como pontapé inicial para discutir o tema de raças em Cuba:

The famous revolutionary Guevara was not a friend of African-Americans. Thus, Jay-Z demonstrates immense ignorance about Guevara’s past history and comments, or his only concern is to show his cool side in front of the cameras.

Following are two quotes attributed to “El Che” with regards to African-Americans:

‘We’re going to do for blacks exactly what blacks did for the revolution. By which I mean: nothing.’

And,

‘The Negro is indolent and lazy, and spends his money on frivolities, whereas the European is forward-looking, organized and intelligent.’

And now we find out that the Cuban authorities have demoted Afro-Cuban Roberto Zurbano for penning a recent article in the New York Times that was highly critical of racism in the Cuban Revolution and its leaders.

Which brings us back to Beyoncé and Jay-Z’s Cuban vacation. Will they meet with human-rights dissidents in Cuba – most of which are Afro Cubans, like Dr. Oscar Biscet – and advocate on behalf of Roberto Zurbano, or will they concentrate on just having fun?

O famoso e revolucionário Guevara não foi amigo dos afro-americanos. Assim, Jay-Z demonstra imensa ignorância sobre a história e os comentários de Guevara, ou sua única preocupação é mostrar um lado legal diante das câmeras.

Seguem duas declarações atribuídas ao “Che” sobre os afro-americanos:

‘Faremos pelos negros exatamente o que os negros fizeram pela revolução. E com isso eu quero dizer: nada.’

E,

”O negro é indolente e preguiçoso, e gasta seu dinheiro com frivolidades, enquanto o europeu olha para a frente, é organizado e inteligente.’

E agora descobrimos que as autoridades cubanas rebaixaram o afro-cubano Roberto Zurbano por escrever um artigo recente para o New York Times altamente crítico do racismo da Revolução Cubana e seus líderes.

O que nos traz de volta às férias de Beyoncé e Jay-Z a Cuba. Eles se encontrarão com dissidentes de direitos humanos em Cuba – cuja maioria é afro-cubana, como o Dr. Oscar Biscet – e advogarão a favor de Roberto Zurbano, ou se concentrarão somente em se divertir?

Ele adiciona:

Between you and me, the Cuban authorities hoped that Beyoncé and Jay-Z’s Cuban excursion would end the articles and coverage by the American and world media outlets on Yoani Sánchez. Well, kudos to Yoani and the powerful message that she’s aired about the lack of human rights and civil liberties in Cuba.

Entre você e eu, as autoridades cubanas esperavam que a excursão de Beyoncé e Jay-Z a Cuba colocaria um fim aos artigos e cobertura americanos e mundiais sobre Yoani Sánchez. Bem, parabéns a Yoani e à poderosa mensagem que transmitiu sobre a falta de direitos humanos e liberdades civis em Cuba.

Capitol Hill Cubans concordou que havia mérito para este argumento, em referência a uma matéria da Reuters em seu apoio:

Castro's state media was the first to post pictures of the trip and to tip off foreign news bureaus on the island about the star's presence and whereabouts.

Why?

Because the foreign media has been focusing too much on critical Cuban blogger Yoani Sanchez and pro-democracy leaders Rosa Maria Paya and Berta Soler.

Os meios estatais dos Castro foram os primeiros a publicar fotos da viagem e a avisar aos escritórios de meios de comunicação internacionais na ilha sobre a presença e paradeiros das estrelas.

Por que?

Porque a imprensa internacional tem focado muito na crítica blogueira cubana Yoani Sánchez e nas líderes pró-democracia Rosa Maria Paya e Berta Soler.

O blog também lembrou uma das transgressões passadas de Beyoncé, em referência a um acordo em 2009 com um dos filhos do antigo líder líbio Muammar Gaddafi para cantar numa festa de Ano Novo em St. Barts. (Segundo relatos, ela doou o cachê de US$2 milhões para ajuda humanitária destinada ao Haiti após o terremoto):

Beyonce corrected her controversial action then with a noble deed after — can she do the same now?

Just give 5 minutes to Berta [Soler, leader of the Ladies in White], who will be visiting the U.S. later this month.

Is that too much to ask?

Beyoncé corrigiu sua controversa ação com um feito nobre depois — ela pode fazer o mesmo agora?

Dê somente 5 minutos a Berta [Soler, líder das Damas de Branco], que visitará os EUA no fim deste mês.

Isso é pedir muito?

A imagem usada neste post, “Passport”, é de chrismar, e foi utilizada sob uma licença Attribution-NonCommercial 2.0 Generic Creative Commons. Visit o flickr de chrismar.