Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Angola: Passado e Presente da Música de Resistência

No final de Maio de 2012, a Amnistia Internacional reportou que, com a proximidade das eleições em Angola, estava a haver uma escalada da repressão contra a liberdade de expressão no país, nomeadamente contra músicos de intervenção. O comunicado pedia a investigação exaustiva e imparcial de um ataque violento contra um grupo de activistas críticos do governo, que incluía o rapper “Hexplosivo Mental“.

Duas semanas mais tarde, a 11 de Junho, outro rapper que não esconde a sua oposição aberta ao governo, Luaty Beirão, também conhecido por Ikonoklasta ou Brigadeiro Mata Frakuxz, foi preso no aeroporto de Lisboa, por alegadamente transportar cocaína na sua bagagem.

Nas redes sociais são muitos que acreditam que a verdadeira motivação da prisão de #Ikonoklasta é política, já que a sua voz dissidente é uma das que tem ganho mais visibilidade desde que o descontentamento com o governo do Presidente José Eduardo dos Santos, há 33 anos no poder, passou a tomar mais frequentemente a forma de protestos nas ruas, e nos palcos de Luanda. Em Março de 2011, Luaty foi preso numa manobra de antecipação do governo, que acabou por anular a manifestação agendada para 7 de Março, e um ano depois foi espancado por milícias pró-regime em Cazenga.

Viagem no tempo dos Ritmos de resistência

Ao mesmo tempo, a música da resistência angolana das décadas de 50 e 60 foi homenageada num encontro organizado pela associação sem fins lucrativos Centro Interculturacidade em Lisboa, no início de Junho. Celebrando a presença de Amadeu Amorim, que integrou os históricos N'Gola Ritmos [en] e, numa viagem ao passado da música de intervenção, o blog Interculturacidade apresenta o conjunto musical da seguinte forma:

Encontro com Amadeu Amorim / Homenagem ao N'gola Ritmos no Centro InterculturaCidade. Foto de Jorge Joe Martins, Lisboa, Junho de 2012 (usada com permissão)

Encontro com Amadeu Amorim / Homenagem ao N'gola Ritmos no Centro InterculturaCidade. Foto de Jorge Joe Martins, Lisboa, Junho de 2012 (usada com permissão)

motor da ideia de independência de Angola, e por isso perseguido. desmantelado e com vários dos seus elementos presos. Amadeu esteve longo tempo no Tarrafal e mais tempo esteve o líder do conjunto, Carlos Liceu Vieira Dias.

Numa entrevista publicada no blog Nós Por Cá, de Silvia Milonga, em 2002, Amadeu Amorim explica “o que era o N’gola Ritmos no contexto social e político” de então:

No fundo, era uma rebelião pacífica, tentando despertar consciências adormecidas, que não acreditavam em mais nada, eram 500 anos de colonização. Não havia televisão, nem rádio para toda gente, os jornais não chegavam aos musseques nem ao interior do país e nós sabíamos que uma canção ficava presa no assobio, no cantar. Na LNA quando cantávamos em kimbundu, as pessoas viravam a cara meias envergonhadas, chamavam-nos os mussequeiros. Algumas pessoas no meio daquela malta que estavam acordadas, entediam porque cantávamos em kimbundu, mais tarde outros apareceram a dizer que falavam ou cantavam em kimbundu. Chegamos a rádio Esperança, uma rádio que transmitia de Brazaville, ouvida às escondidas. A nossa canção era a única que existia, as pessoas ouviam a rádio e o N’gola Ritmos, passando a mensagem de que não chegamos ao fim, vamos começar agora.

Pioneiros no género musical Semba, os N’gola Ritmos introduziam nas suas “canções populares” mensagens “de absoluta reivindicação”, o que acabaria por levar o conjunto a “morrer antes do tempo”, como conta Amadeu na entrevista:

Tudo culmina com a prisão porque alguns de nós estávamos directamente metidos na luta política (…)

Depois de regressarmos da cadeia, eu e o Liceu tínhamos que nos apresentar de 15 em 15 dias à polícia e estávamos proibidos de fazer intervenções públicas; depois, veio a guerra e estivemos muitos anos com o recolher obrigatório, não se podia andar a noite.

Hoje, apesar de serem outros os ritmos, parecem existir semelhanças na perseguição a artistas politicamente motivados em Angola.

Luaty Beirão. Imagem de Associação Omunga partilhada no blog Central Angola 7311

Luaty Beirão. Imagem de Associação Omunga partilhada no blog Central Angola 7311

Comentando a prisão de Luaty, o escritor José Eduardo Agualusa escreveu no seu perfil de Facebook:

todos os que lutam pela democracia em Angola são neste momento alvos a abater – e, pelo que se vê, vale tudo.

A Central Angola 7311 publicou uma nota dizendo que Luaty está retido no Campus Justiça, a aguardar ser recebido no dia 13 de Junho, e acrescenta:

Ele não tem quaisquer antecedentes, sem ser os que têm acompanhado no último ano: Ativismo pacifista.
Como tantos outros em Luanda, tem sido perseguido física, social e politicamente, como têm testemunhado.
Felizmente isto não aconteceu em Luanda e confiamos nos traços grosseiros desta história, como evidência por si, aos olhos da justiça.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.