Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Egito: Os embates na Praça Tahrir na ótica dos blogueiros

Este post é parte de nossa cobertura especial Protestos no Egito em 2011.

Milhões de cidadãos protestaram ontem em todos os cantos do Egito contra o regime de Mubarak. Bahey El-Din escreveu aqui [en] sobre as manifestações pacíficas que aconteceram no Cairo e em outras partes do país:

Yesterday, genuine protesters were around 8 million across Egypt. Numbers estimate 1.5 million in Alexandria and 2 million in Cairo. They were completely peaceful, and the mood was described as “festive” and “celebratory” by many news outlets.

Ontem, havia cerca de 8 milhões de manifestantes genuínos em todo o Egito. Estima-se que eram 1,5 milhões só na Alexandria e mais 2 milhões no Cairo. Eles estavam protestando de maneira totalmente pacífica, em um clima que foi descrito como “festivo” e “celebrativo” por vários veículos de comunicação.

Foi então que Mubarak fez um pronunciamento. Muitas pessoas, inclusive eu mesmo, consideraram que o discurso foi um indicativo de mudança nos rumos do regime. Depois do pronunciamento do presidente, as pessoas ficaram divididas entre aceitar a mensagem como uma boa iniciativa ou continuar protestando no centro de Cairo até que ele renunciasse.

Raafatology contou como ficou decepcionado com a oferta feita por Mubarak [ar]:

لا أدرى كيف يريد مبارك من مجلس مشكوك فى شرعيته أن يعدل مواد الدستور؟؟ مجلسي الشعب والشورى جاؤوا بإنتخابات مزوره وهناك طعون أمام المحاكم لم تُنظر بعد. فكيف يحق لمجلس كهذا أن يغير الدستور؟؟
Não sei como Mubarak quer que um parlamento ilegítimo reforme a constituição. Os parlamentares assumiram os cargos depois de eleições fraudulentas e há acusações que ainda nem foram investigadas pelos tribunais. Então, como pode um parlamentar desse quilate tomar a responsabilidade de emendar a constituição?

Em questão de poucas horas, uma nova rodada de eventos tomou conta do Cairo. Bahey El-Din conta aqui [en] o que aconteceu, de acordo com a própria experiência:

Many people got an SMS mobile text message about a mass rally in support of Mubarak in Mohandeseen. Others got a message offering 70 LE to go to rallies. My mother told me that when pro-Mubarak protesters were asked why they are going on the street, they said “each one of us got 200 LE”. News about workers in the TV/Radio as well as petroleum companies were to go on the streets and protest in favour of Mubarak

Várias pessoas receberam um torpedo de texto pelo celular sobre um imenso comício em apoio a Mubarak em Mohandeseen. Outros receberam mensagens oferecendo 70 libras egípcias para quem participar dos comícios. Minha mãe me contou que quando perguntaram aos manifestantes pró-Mubarak por que estavam indo às ruas, eles responderam “cada um de nós ganhou 200 libras egípcias”. Notícias davam conta que funcionários de estações de TV/Rádio assim como de companhias de petróleo tiveram que ir às ruas protestar a favor de Mubarak
Clashes in Tahrir Square
Manifestantes Pró-Mubarak jogando pedras nos manifestantes Anti-Mubarak.

Foto tirada por Nasser Nouri/Licança Creative Commons

Raafatology também escreveu aqui sobre os embates que aconteceram no centro da cidade hoje [en]:

Mubarak is doing what he is known for; killing his own people. The protesters in Tahrir and Alexandria were sitting doing nothing, and all the sudden some people in civilian cloths started throwing stones on them. The army just warned the thugs, but did not interfere yet. The protesters arrested one of these thugs and they found out he was a member of The Mubarak’s National Security.

Mubarak está agindo da forma pela qual é conhecido; matando o seu próprio povo. Os manifestantes na Praça Tahrir e em Alexandria estavam sentados sem fazer nada, e de repente algumas pessoas vestidas como gente comum começaram a atirar pedras neles. O exército apenas advertiu os baderneiros, mas não interferiu no momento. Os manifestantes prenderam um desses baderneiros e descobriram que se tratava de um membro da Segurança Nacional do governo Mubarak.

Baheyya descreveu como aqueles manifestantes pró-Mubarak usaram cavalos para atacar o povo [en]:

The crowds on horseback, beating the demonstrators like savage marauders. NDP members and public sector clerks marched in processions, including uniformed police officers, holding aloft Egyptian flags and photos of Mubarak to perform support for him.

A multidão a cavalo, batendo nos manifestantes como se fossem saqueadores selvagens. Membros do [Partido Nacional Democrático] NDP e funcionários públicos marcharam em procissões, das quais participavam policiais fardados, carregando bandeiras do Egito e fotos de Mubarak para demonstrar apoio a ele.

Zeinobia disse nesse post que foram atacadas também pessoas que não eram manifestantes [en]:

Foreign journalists were attacked and harassed , their equipment was smashed. Anderson Cooper was attacked by the thugs of Mubarak in Cairo. The NDP thugs tried to break in to Al Shorouk newspaper HQ terrorizing its journalists who left their work to protect themselves and their building.

Jornalistas estrangeiros foram atacados e assediados, seus equipamentos foram destruídos. [O repórter da CNN] Anderson Cooper foi atacado pelos capangas de Mubarak no Cairo. Os capangas do [partido] NDP tentaram invadir o escritório do jornal Al Shorouk e aterrorizar os jornalistas, que acabaram deixando o trabalho para proteger-se e salvar o prédio.
Protesters under attack
O blogueiro egípcio @BooDy cobre as feridas com um lenço.

Foto tirada por Nasser Nouri/Licença da Creative Commons

Onde está o exército? Zeinobia questiona o papel das forças armadas nisso tudo.

- Why did the army leave the thugs enter with their weapons like that ??
– Why did the army leave the thugs attack the protesters like that ??
The army has sold us so far or to be correct the commanders of the army have sold us.

- Por que o exército deixou os capangas entrarem com armas daquele jeito ??
– Por que o exército deixou os capangas atacarem os manifestantes daquele jeito ??
Fomos vendidos pelo exército ou, para ser mais preciso, os comandantes do exército nos vendeu.

Talvez ele não tenha entendido o que Mubarak realmente quis dizer no discurso de ontem. Baheyya explicou aqui o que ela leu nas entrelinhas do pronuncionamento [en]:

This is what Mubarak meant in his speech yesterday, that “everyone must choose between chaos and order”, between his rule and his violence.

Eis o que Mubarak quis dizer em seu discurso ontem: que “todos devem escolher entre o caos ou a ordem”, entre o seu governo e sua violência.

Por fim, Nawara Negm [ar] chamou todos os cidadãos egípcios para unirem-se em apoio aos manifestantes na Praça Tahrir:

نداء من داخل ميدان التحرير الى كل من شارك في مظاهرة المليون التوجه فورا للتحرير
Um pedido para todos aqueles que participaram dos protestos ontem: dirijam-se agora para a Praça Tahrir.

Este post é parte de nossa cobertura especial Protestos no Egito em 2011.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.