Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Censura em Singapura

No espaço de um mês, autoridades singapurianas causaram grande alvoroço ao proibir o filme de um ex-prisioneiro político e prender o autor britânico de um livro sobre a pena de morte em Singapura.

Foto retirada do blog The Online Citizen

Em 12 de julho de 2010, o Media Development Authority (Autoridade de Desenvolvimento de Mídia – MDA, na sigla em inglês) anunciou a decisão de proibir (a partir do dia 14 de julho desse ano) o filme que apresentava o doutor Lim Hock Siew falando publicamente sobre sua experiência como detento sob o Internal Security Act (Ato de Segurança Interna). O filme foi rodado pelo diretor Martyn See [en], que acabou inquirido a retirá-lo do YouTube. Você pode ler a transcrição do filme aqui [en].

O blogueiro singapuriano Lucky Tan pediu que a verdade fosse dita [en]:

Basically what MICA is saying is they banned this film because they want only the truth to be told and this film is full of falsehoods, lies and distortions. Dr Lim Hock Siew was detained for 20 years without trial. During that period, the PAP govt had all the time to show the evidence and tell the truth so that we can all see how wonderful a job the ISD has done to protect us from evil. We are all still waiting.

Basicamente o que o Ministério da Informação, Comunicação e Artes (Mica) está dizendo é que o filme foi proibido porque eles queriam que apenas a verdade fosse dita e que o filme é cheio de falsidades, mentiras e distorções. O dr. Lim Hock Siew ficou preso por 20 anos sem julgamento. Durante aquele período, o Partido da Ação Popular (PAP), no governo, teve todo o tempo para mostrar as provas e dizer a verdade para que pudéssemos ver quão maravilhoso foi o trabalho do Departamento de Segurança Interna (ISD, na sigla em inglês) para nos proteger do mal. Ainda estamos esperando.

Foto tirada de Jacob Geroge

Em 18 de julho, o autor britânico Alan Shadrake foi preso pela polícia de Singapura em seu hotel, acusado de ‘difamação criminal’, um dia depois de seu livro Um carrasco feliz: a justiça singapuriana no banco dos réus (Once a Jolly Hangman: Singapore Justice in the Dock), uma crítica ao sistema judicial em Singapura, ter sido lançado. O livro foi também retirado das maiores livrarias do país.

Nos dois dias em que esteve preso, a Anistia Internacional e o Repórteres Sem Fronteiras pediram sua libertação.

O blog sócio-político de Singapura The Online Citizen [O Cidadão Online] se perguntou porquê Shadrake foi acusado de difamação criminal [en]:

Alan Shadrake’s book “Once a Jolly Hangman” makes for uncomfortable reading. The book might have made those in power uncomfortable enough to arrest Mr Shadrake on the rarely used draconian charge of criminal defamation.

O livro de Alan Shadrake, ‘Um carrasco feliz’, torna-se uma leitura desconfortável. O livro deve ter feito os que estão no poder se sentirem desconfortáveis o suficiente para prender Shadrake na raramente usada acusação draconiana de difamação criminal

Um blog singapuriano, Chemical Generation Singapore (Geração Química de Singapura), escreveu [en]:

With the arrest of Shadrake, the whole issue is less about the death penalty, and more about where we draw the line on supposed foreign intervention. Cracking down on local politicians getting foreign money and logistics is fine with me. But turning the screws on a foreigner in his book launch, although the foreigner is like a taunting Oliver Fricker and asking for it, is a bit too much in my book. Unless there is more than meets the eye here

Com a prisão de Shadrake, o assunto principal é menos sobre pena de morte e mais sobre onde impomos limites à suposta intervenção estrangeira. Tomar medidas enérgicas contra políticos que ganham dinheiro e logística estrangeiros, por mim, tudo bem. Mas voltar forças a um estrangeiro no lançamento de seu livro, ainda que o estrangeiro seja como o provocador Oliver Fricker e esteja pedindo por isso, é um pouco demais para o meu gosto. A não ser que haja mais do que o que parece.

A ativista política Chee Siok Chin acusou o Governo de ter ‘segredos sujos’ [en]:

Now, which authoritarian regime would want to have it’s “dirty little secrets” blown opened in a book?
The same goes for Dr. Lim Hock Siew’s speech that was put up by Martyn See on Youtube. Of course Martyn had to comply with the MDA who required him to take it down. After all, Dr. Lim spoke about his unlawful 19-year detention without trial by the ISD.
Again, which oppressive regime would want to have the truth told about how it entrenches its power blown open in a video clip that can be accessed by all?
Agora, qual regime autoritário ia querer ter seus ‘segredinhos sujos’ expostos num livro?
O mesmo acontece com o discurso do dr. Lim Hock Siew, colocado por Martyn See no YouTube. Claro que Martyn teve de obedecer ao MDA que lhe exigiu que o tirasse. E, depois, o dr. Lim ainda falou sobre sua prisão ilegal por 19 anos sem julgamento pelo ISD.
De novo: qual regime opressor quer ter dita a verdade sobre como consolida seu poder num vídeo que pode ser acessado por todos?

1 comentário

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.