Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Índia: A Morte de uma Língua pré-Histórica

A última falante da antiga língua ‘Bo’, a anciã Boa, morreu em sua ilha nativa, as Ilhas Andamão (território da Índia), em fevereiro de 2010. É uma vívida confirmação do relatório da UNESCO de 2009, que alertava para o risco de desaparecimento de 2.500 línguas.


Vídeo: A anciã Boa cantando em sua língua nativa, a língua Bo. Legendado em inglês, via Survival International.

Em seu blog True to Words [en], com base em Minnesota, dedicado “a exploração de línguas e escrita,” Sara Duane relata a notícia e adiciona que algumas antigas línguas extintas recentemente reviveram:

In 1992 a prominent US linguist predicted that by the year 2100, 90% of the world's languages would have ceased to exist. One of those languages died last month when 85-year-old Boa Sr. passed away. She was the last speaker of Bo, which at 70,000 years was one of the world's oldest.

[..]

Languages can be brough back from the brink, or even from total extinction, if the will is strong enough and most importantly, if enough of it has been written down. Hebrew was a dead language at the beginning of the 19th century. It existed as a scholarly written language, but there was no way to know how the words were pronounced. Persistence and will from Israeli Jews brought the language back into everyday use. There has also been a revival of Welsh in the UK and Maori in New Zealand.

Em 1992, um proeminente linguista americano previu que por volta do ano 2100, 90% das línguas mundiais cessariam sua existência. Uma destas línguas morreu no mês passado, quando a anciã Boa de 85 anos faleceu. Ela era a última falante de ‘Bo’, que com 70 mil anos, era uma das línguas mais antigas do mundo.
[…]
Línguas podem ser trazidas de volta do risco [de extinção], ou até mesmo da extinção total, se a vontade for forte bastante, e mais importante, se o suficiente desta língua ter sido escrita. O hebraico era uma língua morta no início do século XIX. Existia como uma língua acadêmica, mas não havia maneiras de saber como as palavras eram pronunciadas. Persistência e vontade de judeus israelenses trouxeram a língua de volta para o uso cotidiano. Houve também uma renascimento do galês no Reino Unido e do maori na Nova Zelândia.

Transubstantiation [en], que se descreve como uma tentativa de “dar sentido ao legado da Torre de Babel”, sugere a documentação de línguas em risco de extinção:

If we are able to preserve language life then by all means let us preserve it. However, sometimes this is not possible and then perhaps our most important task as linguists is to analyse, describe and document; set the dying language down so that we can use knowledge about it to further research into the general understanding of the human condition.

Se podemos preservar a vida das línguas, então certamente vamos preservar. Entretanto, algumas vezes isso não é possível e então talvez nossa tarefa mais importante enquanto linguistas é analizar, descrever e documentar; definir o idioma que está morrendo, para que possamos utilizar o conhecimento sobre o assunto para aprofundar a pesquisa sobre o entendimento geral da condição humana.
Vista aérea das Ilhas Andamão por Venkatesh K no Flickr.

Vista aérea das Ilhas Andamão por Venkatesh K no Flickr.

Madhu Baganiar [en], que pertence à comunidade indígena de Oraon (língua Kurukh) comenta a respeito do falecimento da língua Bo com a morte da anciã Boa:

Every language has its own unique history, culture style, story. When a language dies, a vast store house of knowledge associated with the language also dies. Today, a living tribal language “Bo” has died. Tomorrow more tribal languages of India are bound to die. There are hundred of reasons which will kill the living tribal language…

Cada idioma tem sua própria história original, o estilo de cultura, narrativa. Quando uma língua morre, uma casa de vasto estoque de conhecimento associado com a língua também morre. Hoje, “Bo”, uma língua tribal viva, morreu. Amanhã mais línguas tribais da Índia estão prestes a morrer. Há centenas de razões que vão matar as línguas tribais vivas…

O blogueiro irlandês em The Poor Mouth [en] lamenta a perda da língua Bo, e diz:

Languages come and languages go – we can see the traces of several lost languages in the British Isles (Yola, Norn, Cumbric etc) – but I can’t help feel that when they die something significant is lost from the rich, dark soup that makes up humanity. Boa’s passing diminishes us all.

Línguas vão e vêm – podemos ver os traços de vários idiomas perdidos nas ilhas britânicas (Yola, Norn, Cumbric etc) – mas não posso deixar de sentir que quando eles morrem algo significativo será perdido na rica, escura sopa que compõe a humanidade. O falecimento da idosa Boa diminui todos nós.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.