Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

África do Sul celebra o Dia da Juventude e relembra o passado

Dezesseis de junho, que é hoje conhecido hoje como o Dia da Juventude aqui na África do Sul, é o dia que recordamos o passado. No dia 16 de junho de 1976, o Levante de Soweto aconteceu – incendiado por leis que forçariam toda a educação em Afrikaans [ou ainda, em português, africâner e africânder].

On the morning of June 16, 1976, thousands of black students walked from their schools to Orlando Stadium for a rally to protest against having to learn through Afrikaans in school. Many students who later participated in the protest arrived at school that morning without prior knowledge of the protest, yet agreed to become involved.

Na manhã de 16 de junho de 1976, milhares de estudantes negros saíram de suas escolas em direção ao Estádio Orlando para se manifestarem contra o ensino do Afrikaans na escola. Muitos estudantes, que mais tarde participariam do protesto, chegaram às escolas pela manhã sem saber da manifestação, mas ainda assim concordaram em envolver-se.

Estima-se que entre 300 e 600 pessoas tenham perdido suas vidas durante o levante, que se tornou um momento definitivo na resistência contra o apartheid.

No blog Redemption Time, o autor reflete sobre o dia:

I could say a lot about this day, but will restrict my words to making these few points.in all of history, the apartheid system and what it did to the people and youth who were oppressed under it will forever remain one of the worst tragedies to befall humankind. i therefore give full respect to those youth, who on this very day, challenged the apartheid forces and neglected bantu and afrikaans medium instruction in 1976. hector peterson and those whe were at his side, standing up for their rights, will forever be remembered and honoured in this country.

Eu poderia falar muito a respeito deste dia, mas restringirei minhas palavras para fazer alguns tópicos. Em toda a história, o sistema do apartheid e o que ele fez com as pessoas e a juventude oprimidas permanecerão para sempre como uma das piores tragédias a cair sobre a humanidade. Eu, portanto, tenho pleno respeito por aquela juventude, que naquele mesmo dia desafiou as forças do apartheid e negligenciou o ensino de Bantu e afrikaans em 1976. Hector Peterson e aqueles que estavam deste lado, brigando por seus direitos, serão lembrados e honrados para sempre neste país.

No blog Platform 2, o autor escreve a respeito de celebrar a rebelião do 16 de junho e da música como forma de protesto:

The Hip-Hop nation will know that on June 16 a son was given to us, in a form of a rap legend, a rap genius was born from the political activist Afeni Shakur and Mzansi nation will also know dat on the same day of 1976 history was made. It is a blessing to commemorate this day not only as a young South African but as Hip-Hop fanatic. The music we listen to bring as much revolution as the young freedom fighters that took their rage to the street. They fought a different cause relevant to their political struggles but with the same intentions of liberation as of the youth of today. Well, we might not be as mobilized as the young people of ’76 but the truth is, we need the same things, we need our freedom, this was evident during our April voting period as young people voted in majority. We came together to defend our liberty, we voted because we wanted our pains and struggles to be heard. After we nearly had our intentions twisted with xenophobia, crime and drug abuse, we fought back positively like the Hector Petersons rebelled against the Bantu education system we brought our own rebellion to the voting station.

A nação Hip-Hop vai logo saber que no dia 16 de junho um filho nos foi dado, na forma de uma lenda do rap, um gênio do rap nasceu do ativista político Afeni Shakur e a nação Mzansi também vai saber que no mesmo dia de 1976 a história foi feita. É uma benção comemorar este dia – não apenas como sulafricano, mas como fanático do Hip-Hop. A música que escutamos para trazer tamanha revolução quantos os jovens lutadores da liberdade que levaram sua fúria às ruas. Eles lutaram uma causa diferente e relevante para seus anseios políticos com as mesmas intenções de liberdade que a juventude de hoje. Bem, podemos não estar tão mobilizados como os jovens de 76, mas a verdade é que precisamos das mesmas coisas, precisamos de nossa liberdade, isso ficou evidente durante nossas eleições em abril, quando a juventude compareceu em massa. Viemos juntos para defender nossa liberdade, votamos porque queríamos que nossas dores e anseios fossem ouvidos. Depois de quase termos nossas intenções deturpadas pela xenofobia, crime e drogas, lutamos positivamente como Hector Petersons se rebelou contra o sistema de educação de Bantu e levamos nossa própria rebelião para as urnas.

Fabulosity escreve que o assunto era mais além do que a educação do Afrikaans:

The issue however, was not so much the Afrikaans as the whole system of Bantu education which was characterised by separate schools and universities, poor facilities, overcrowded classrooms and inadequately trained teachers.

O assunto, entretanto, não era tanto o Afrikaans, mas o sistema educacional de Bantu, que era caracterizado por escolas e universidades separadas, pobre infraestrutura, salas de aula lotadas e professores treinados de maneira inadequada.

Thando Tshangela discute os efeitos do protesto:

This started an era of student and youth activism that culminated in the 1980?s unrest in black townships and the crisis in the culture of learning and teaching as the student took the battle against apartheid to the streets. The aim was ?to make the country ungovernable? and ensure that freedom was achieved at all costs even if it meant their education had to suffer. Their motto was ?liberation first and education later.?

Ele começou uma era de ativismo estudantil e da juventude que culminou na turbulenta década de 1980 nas municipalidades negras e a crise na cultura do aprendizado e ensino, já que os estudantes compraram a batalha contra o apartheid nas ruas. O objetivo era tornar o país ingovernável e assegurar-se que a liberdade fosse alcançada a todo custo, mesmo se isso significasse no comprometimento da educação deles. A sua motivação era ‘libertação primeiro, educação depois’.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.