Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Angola: “Blogando” a partir do interior do país

Com uma população estimada em quase dezasseis miliões de habitantes, cinco anos depois do fim da longa guerra que durou cerca de trinta anos, a rede fixa da empresa estatal Angola Telecom apenas serve menos de um porcento da população, os Provedores de Serviços de Internet não chegam a servir uma pessoa entre mil e há apenas cerca de catorze usuários da Internet por cada mil pessoas.* Porém, apesar deste quadro pouco animador, há alguns bloggers no país, embora eles estejam maioritáriamente baseados na capital, Luanda. Há também pelo menos duas “ almas bravas” a blogar a partir das províncias do interior do país. Dentre estes, tenho vindo a seguir o blog “Serra da Chela” (que comemora este mês o seu primeiro aniversário), do jornalista Manuel Vieira, baseado no Lubango, capital da província sulana da Huíla. Apesar de blogar principalmente sobre/a partir daquela localidade, ele também o faz a partir de Luanda e outras províncias do interior do país (e, nos últimos dias, a partir de Moçambique e Swazilândia).

Um dos seus artigos que particularmente chamou a minha atenção trata de uma questão que revela, por um lado, o espectro da fome causado pelo clima e as condições metereológicas locais e, por outro lado, os conflitos que opõem as autoridades locais, em representação das suas comunidades, e as companhias extractivas que vêem explorando os recursos naturais da região sem, contudo, cumprirem com as responsabilidades sociais por si assumidas:

Populares do município dos Gambos, província da Huíla, denunciam gritantes espectros de fome no interior daquela localidade.
Os casos de fome terão se agravado nos finais de Novembro do ano passado, quando a seca na região semi árida dos Gambos começou a ser sentida, com os sinais mais evidentes serem a destruição das culturas e a seca das chimpankas ( lagos artificias para a acumulação de agua para o uso humano e abeberamento de gado).
Grandes hectares cultivados com massango e massambala são descritos como totalmente secos devido a falta de chuvas em claro contraste com o resto do país onde caiem fortes cargas de aguas pluviais com destruição á mistura. As localidades de VILHAMBWNDO, CHIANGE ( sede municipal) e CHIMBEMBA são as mais visadas. Os gritos de fome terão chegado em Dezembro ultimo ao conhecimento das autoridades do governo da Huíla, no Lubango, mas ainda não há informações de um “plano de emergência” para travar ou minimizar a situação por forma a evitar a perda de vidas humanas e mesmo de gado bovino, principal riqueza das populações agro pastorais do municípios.
Numa deslocação recente ao município o chefe do executivo huilano, Ramos da Cruz, terá sido confrontado com as informações dos sobas da zona, devido as dificuldades por que passam populações de pelo menos quatro comunas, onde a falta de mantimentos a mais sentida. Noutras localidades desta província, no principio do ano passado, varias localidades tiveram o mesmo problema devido a destruição das culturas de milho e massango por acção directa das intensas chuvas que se abateram sobre a região. Na altura a reacção das autoridades foi tímida na contenção das consequências do problema.
SOBAS E EMPRESAS DE EXTRAÇÃO DE MINEIROS EM PÉ DE GUERRA Nas ultimas semanas subiu de tom o latente conflito entre as autoridades tradicionais do município e as varias empresas que a varias anos trabalham na exploração de granito negro, mármore e outras rochas ornamentais no município dos Gambos. Em causa está um acordo firmado entre as empresas e o governo provincial para que as primeiras, para além do seu ramo de actividade possam tratar da construção de escolas, hospitais, abertura de furos de água entre outras benfeitorias, por forma a levar desenvolvimento á região.
Cerca de quatro anos depois do acordo ter sido firmado não houve cumprimento das obrigações, acto continuo quando o assunto chegou ao conhecimento das autoridades tradicionais começou a pressão para a retirada compulsiva destas empresas do município em causa. O conflito foi travado “ in extremis” pelo governo local que mandou ao terreno uma alta delegação para encetar contactos com as partes. Volta e meia, segundo as nossas fontes, essas empresas voltam a ludibriar os sobas e as comunidades. No terreno nada é feito a não ser actos do governo. As empresas ANGOSTONE, ENGRAMA e ROREMINA são as mais citadas. Apenas a OMPUNDA KAJAC (próxima de dignitários locais) estará a cumprir, segundo as fontes, com o seu papel. O governador terá conseguido travar o conflito mas não termina-lo. (últimas estatísticas disponíveis aqui) * PUBLICADO NO JORNAL REGIONAL KESONGO
Gambos*Serra da Chela

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.