Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Arabeyes: A libertação de Alan Johnston

A libertação[EN] do jornalista inglês Alan Johnston[EN] está fazendo muitas ondas entre os blogues hoje. Aqui está um breve apanhado do que está sendo dito nos blogues do Oriente Médio.

Alan Johnston vigil
Vigilia em Bruxelas para marcar a quinta semana do sequestro do reporter da BBC Alan Johnston, em Gaza. Foto por quarsan.

Qatar:
Do Qatar, Abdurahman escreve[EN]:

” I was ecstatic this morning when I heard the news that Alan Johnston was finally released. For four long months, he was held by a group calling themselves “The Army of Islam”, actually a violent family called the Dogmush. During his ordeal he was once rumored to have been killed and later shown in video recording wearing an explosive belt.

When Hamas took control of Gaza they made it clear that the release of Alan Johnston is at the top of their agenda, and they’ve delivered.”

“Eu fiquei extasiado nesta manhã, quando soube notícias da libertação de Alan Johnston. Por quatro longos meses, ele foi mantido por um grupo que chamava a si mesmo “O Exército do Islã”, na verdade uma violenta família chamada Dogmush. Durante seus dias difíceis, houve uma vez rumores de que ele havia sido morto, e depois foi exibido em um vídeo usando um cinturão de explosivos.

Quando o Hamas tomou o controle de Gaza, eles deixaram claro que a libertação de Alan Johnston estava no topo de suas prioridades, e eles o fizeram.”

Bahrain:
O blogueiro Mahmood Al Yousif do Bahrain dedica um lírio d'água desabrochando para o jornalista libertado, aqui[EN]:

‘“This is the first ever water lily in my care. It has just opened this morning! I am really happy with it and love its colour.
I am so glad that Alan Johnston has been released in Gaza after 140 days in captivity.
This lily is dedicated to him and all journalists who put their life on the line to keep us informed,” writes Mahmood.’

‘”Este é o primeiro lírio d'água do qual eu cuido, e ele acaba de desabrochar nesta manhã! Eu estou realmente feliz com isso e adoro as suas cores.
Eu estou feliz que Alan Johnston tenha sido libertado em Gaza depois de 140 dias em cativeiro.
Este lírio é dedicado a ele e a todos os jornalistas que colocam sua vida em perigo para nos manter informados”, escreve Mahmood.’

Egito:
Ibn Al Dunya do Egito está feliz também e faz um tributo ao profissionalismo de Johnston aqui[EN]:

‘“I´m truly happy about Alan´s release, he´s one of the best reporters ever to have reported from the region, and he was the only western journalist to live there permanently at this point in time, to kidnap him was to rob the Gazans from getting the true story out on how bad the situation really is there in the most eloquent way possible. He´s reporting really has substantial impact.
More than 200 000 people have signed the petition to release him, and i thank everyone who has helped in whatever way during these almost four months. This is a big day for Alan, his family and the BBC,” notes Ibn Al Dunya.’

‘Eu estou verdadeiramente feliz a respeito da libertação de Alan, ele é um dos melhores repórteres que já trabalhou na região, e ele é o único jornalista ocidental a viver lá permanentemente neste momento. Sequestrá-lo foi como roubar o povo de Gaza de ter sua verdadeira história divulgada, sobre como a situação está realmente ruim por lá, da forma mais eloquente possível. Suas reportagens realmente tem um impacto substancial.
Mais de 200.000 pessoas assinaram uma petição pela libertação dele, e eu agradeço a todos que ajudaram de qualquer forma durante estes quase quatro meses. Este é um grande dia para Alan, sua família e para a BBC,” disse Ibn Al Dunya.’

Ainda no Egito, Zeinobia escreve[EN]:

“I am so so happy that the reporter Alan Johnston is free at last , this is good cheerful news , I am so happy for him and for his family
Of course the man looks terrible , I mean it has been more than 100 day.
Bravo Hamas , Hamas again is trying to prove that it is not terrorist barbaric group as some want to make appear like , really it is enough to see the reception of Johnston with Ismail Hania or even to read how he was set free
Bravo to both Johnston and Hamas and Shame on this group that claims to be Islamic , this is not from the manners of Islam to kidnap a civilian unarmed man who came to our countries to cover the truth and terrify him like that”

“Eu estou tão feliz que o reporter Alan Johnston está finalmente livre, estas são boas e alegres notícias, eu estou tão feliz por ele e sua família!
É claro que ele está com uma péssima aparência. Digo, foram mais de 100 dias. Bravo, Hamas! O Hamas está mais uma vez tentando provar que não é o grupo de terroristas bárbaros que alguns querem fazê-lo parecer ser. É realmente o bastante ver a recepção de Johnston com Ismail Hania ou mesmo ler como ele foi libertado.
Bravo para Johnston e o Hamas, e Vergonha para este grupo que diz ser Islâmico. Não é das maneiras do Islã sequestrar um civil desarmado que veio aos nossos países para cobrir a verdade e aterrorizá-lo desta forma.”

Israel:

Desert Peace nos dá um relatório das dificuldades passadas por Johnston neste[EN] post.

Rabbi Yohanna, do Jewlicious, contudo, tem algumas perguntas[EN] a fazer:

“And what about Gilad Shalit who is being held by HAMAS in the Gaza strip? The duplicitous Haniyeh posing with the former captive just hours after his release is utterly atrocious. Placing on him a flag and kisses is disgusting. Does Hamas have no shame? Apparently not.
And what about Ehud Goldwasser and Eldad Regev being held by Hezbollah and Iran in Lebanon?
And to paraphrase Dennis Leary, Where’s the BBC now? Where are all the rallies for those unjustly kidnapped? Where are the behind the scene negotiations for the Jews release? Where’s the BBC now? I’ll tell you where they are. They are covering Jihad in their own backyard.”

“E a respeito de Gilad Shalit que está sendo mantido em cativeiro pelo HAMAS na Faixa de Gaza? O ambíguo Haniyeh posando com o ex-cativo apenas horas depois de sua libertação é uma total atrocidade. Colocar nele uma bandeira e beijá-lo é desagradável. Será que o Hamas não tem vergonha? Aparentemente não.
E a respeito de Ehud Goldwasser e Eldad Regev, mantidos prisioneiros pelo Hezbollah no Irã e no Líbano?
E para parafrasear Dennis Leary, Onde está a BBC agora? Onde estão todos aqueles protestos por aqueles que foram injustamente sequestrados? Onde estão as negociações secretas pela libertação destes judeus? Onde está a BBC agora? Eu vou lhes dizer onde eles estão. Eles estão cobrindo a Jihad em seu próprio quintal.”

Líbano
Do líbano, Sophia tem um ponto de vista diferente[EN] sobre a história.

‘“Alan Johnston, the BBC correspondant held by a radical Djihadist group, is freed today by the efforts of Hamas, two weeks only since Hamas took control of the Gaza strip.
Israeli collaborators from Fatah are bitter and angry. There may be some Logic beyond Politics, according to The Guardian account of Johnston’s liberation. Israel and Fatah, encouraged by the international community, planted chaos and anarchy in Gaza in order to undermine the image of the Hamas government. But the anarchy went to such lenght that Hamas did not have a choice but to get rid of collaborationnist elements in the Gaza strip.
Now that they control Gaza, Hamas can prove what they are capable of. Johnston’s liberation is a good sign,” explains Sophia’

Alan Johnston, o correspondente da BBC que foi mantido em cativeiro por um grupo Jihadista radical, foi libertado hoje pelos esforços do Hamas, apenas duas semanas depois que o Hamas tomou o controle da Faixa de Gaza.
Os colaboradores israelenses do Fatah estão amargos e irados. Deve haver alguma lógica além da política, de acordo com o relato do The Guardian a respeito da liberação de Johnston. Israel e o Fatah, encorajados pela comunidade internacional, plantaram o caos e a anarquia em Gaza para tentar minar a imagem do governo do Hamas. Mas a anarquia foi a tal grau que o Hamas não teve escolha se não livrar-se dos elementos colaboracionistas na Faixa de Gaza.
Agora que eles controlam Gaza, o Hamas pode provar do que eles são capazes. A liberação de Johnston é um bom sinal.” explica Sophia.’

Palestina:
Colocando de lado a política Palestina, Amal escreve[EN]:

“Alan Johnston is free. Hamas is taking credit for his release to show that they brought security and law and order to Gaza. More about this later. The important thing now is that he’s safe and free.”

“Alan Johnston está livre. Hamas está tomando o crédito por sua libertação, para mostrar que trouxeram segurança, lei e ordem para Gaza. Mais sobre isso depois. O importante agora é que ele está a salvo e livre.”

Síria:

Mustafa Hamido, da Síria, escreve[EN]:

“I can say happily that I am very happy for the British journalist Allan Johnston who has been abducted in Gaza and spent more than 100 days in abduction. He is free now and appearing smiling after his release this morning. I am happy for him because he is a human being who has feelings. He has also a family which surely was worried about him and he has friend who were waiting his appearance to calm down their worries. He is not the last one who is going to be abducted by armed forces all over the world. He is innocent. I know that very well, however, a lot of other journalists who are abducted are, in fact, mixing between intelligence and journalism. It is right that the barriers between those two carriers are a little bit unclear; however, journalist must put himself under strict conditions to don’t let himself to be an agent for this or that. Unfortunately, most of who are abducted are agents for an intelligent agencies and this exactly what push us to don’t take care about their abduction.”

“Eu posso dizer alegremente que estou muito feliz pelo jornalista britânico Alan Johnston, que havia sido sequestrado em Gaza e passou mais de 100 dias em cativeiro. Ele está livre agora, e apareceu sorrindo depois de sua libertação nesta manhã. Eu estou feliz por ele, pois ele é um ser humano que tem sentimentos. Ele também tem uma família que certamente está preocupado a respeito dele e ele tem amigos que estão esperando seu aparecimento para acalmar suas preocupações. Ele não é o último que será sequestrado por forças armadas ao redor do mundo. Ele é inocente. Eu sei muito bem, contudo, que muitos outros jornalistas que são sequestrados aqui são, de fato, uma mistura entre jornalistas e espiões. É certo que as fronteiras entre estas duas carreiras são um tanto incertas, contudo, um jornalista deve se policiar muito para não permitir-se ser um agente deste ou daquele grupo. Infelizmente, a maioria daqueles que são sequestrados são agentes de alguma agência de inteligência e isso é exatamente o que nos leva a não ter cuidado a respeito de seus sequestros.”

(Texto original por Amira Al Hussaini)

 

O artigo acima é uma tradução de um artigo original publicado no Global Voices Online. Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.