Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Blogosfera Síria: Reformas, Nacionalismo árabe e Viagens

A blogosfera pareceu um pouco mais relaxada nas últimas semanas, depois dos tensos debates a respeito do Fórum do Alto de Golan, da Creative Syria.

Começamos com Yaman Salahi[EN], um blogueiro sírio estudando na UC Berkeley. Yaman, que criou um blogue chamado Lee Kaplan Watch [Observatório de Lee Kaplan, em inglês], estava sendo processado pelas coisas que vem escrevendo. Ele diz[EN]

“As a student at UC Berkeley, the center for the Free Speech Movement, I never thought I’d find myself at the receiving end of a politically-motivated libel lawsuit. I am the creator of a blog called “Lee Kaplan Watch” which focuses on analyzing the integrity of Kaplan’s published articles. When he discovered the website, Kaplan began a campaign of intimidation, including e-mail threats of legal action and various online smears alleging that I was a Nazi, a Ba`athist, and a member of al-Qaeda. He threatened to harass me and members of my family, and even went so far as to contact the Dean of Student Life at the university. After asking me to stop writing about his work several times, he finally filed a lawsuit against me in small claims court for “tortious business interference,” libel, and slander.”

“Como um estudante de Berkeley, o centro do Movimento pela Liberdade de Expressão, eu nunca pensei que me encontraria como o receptor de um processo de difamação políticamente motivado. Eu sou o criador de um blogue chamado ‘Observatório de Lee Kaplan’, que se propõe a analisar a integridade dos artigos que Kaplan publica. Quando ele descobriu o site, Kaplan começou uma campanha de intimidação, incluindo ameaças por email de ações legais e vários ataques online alegando que eu era um Nazista, um Ba'athista, e um membro do al-Qaeda. Ele ameaçou perseguir a mim e aos membros da minha família, e chegou até ao ponto de contactar o Reitor de Vida Estudantil da universidade. Depois de me pedir várias vezes para que parasse de escrever sobre seu trabalho, ele finalmente me processou no tribunal de pequenas causas por ‘interferência ilegal em negócios’, calúnia e difamação.”

Para ir em frente rumo a outro debate que está acontecendo na área da Síria, Abu Kareem do Levantine Dreamhouse[EN] publicou uma mini-agenda de reformas[EN] que foram sugeridas por Majhool, um dos comentadores de uma blogada anterior. A agenda incluía muitos pontos. Estes eram a respeito do Líbano:

“2) Lebanon:
a. Support a consolidated pro-Syrian, accountable, & strong government in Lebanon
i. Improve relations with Sunni and Maronite communities
ii. Support the independence of the Lebanese government
iii. Replace the corrupt pro-Syria base of support in Lebanon by more accountable and legitimate (representative) base.
iv. Eliminate all Syrian financial corruption in Lebanon
v. Work with the Lebanese government to gradually and systematically eliminate all armed militias including Hizbollah
vi. Support replacing the confessional system with accountable representative system that will strengthen the Lebanese state”

“2) Líbano:
a. Apoiar um governo consolidado pró-Síria, responsável e forte no Líbano
i. Melhorar as relações com as comunidades Sunita e Maronita
ii. Apoiar a independência do governo libanês
iii. Substituir a corrupta base de apoio pró-Síria no Líbano por uma base mais responsável e legítima (representativa).
iv. Eliminar toda a corrupção financeira síria no Líbano.
v. Trabalhar com o governo libanês para gradualmente e sistemáticamente eliminar todas as milícias armadas incluindo o Hizbollah
vi. Apoiar a substituição do sistema confissional por um sistema representativo responsável que irá fortalecer o Estado Libanês.”

Wassim, do Maysaloon[EN], foi bastante contrário às sugestões, o que deflagrou um acalorado debate nos dois blogues. Em sua resposta ao post de Abu Kareem em seu próprio blogue, Wassim disse[EN]

“His second point on Lebanon is laughable and sounds like it has come straight from the Pentagon. He begins by talking about supporting a pro-Syrian, accountable and strong government but I assume he is referring to the Syria which is ‘responsible’ enough to make ‘peace’ with Israel. He then lists off a number of demands he feels would make the Syrian government more palatable for his sensitive political taste buds. Of course he wishes the complete dismantlement of Hezbullah, the first real resistance to Israel since 1948 if ever which makes one wonder what passport he holds and if he is even from the region?”

“Seu segundo ponto sobre o Líbano é ridículo, e soa como se tivesse vindo diretamente do Pentágono. Ele começa falando a respeito de se apoiar um governo pró-Síria, responsável e forte, mas eu acredito que ele esteja se referindo à Síria que foi ‘responsável’ o bastante para fazer a ‘paz’ com Israel. Ele então lista uma série de demandas que ele acredita que tornarão o governo sírio mais palatável para suas sensíveis papilas. É claro que ele deseja o completo desmantelamento do Hizbullah, a primeira verdadeira resistência a Israel desde 1948 se é que houve alguma. Isso me faz pensar qual o passaporte que ele possui e se ele sequer é da região.”

Enquanto isso, outro debate estava acontecendo no Arab Democracy[EN] a respeito do conceito de Nacionalismo Árabe. Joseph, em sua blogada, parece pensar que “‘assassinando’ o Nacionalismo Árabe nós seremos capazes de formular uma melhor visão do Oriente Médio, com uma dimensão Árabe em seu seio.”

“I belong to a Minority in the Middle East. A Religious minority by birth and an Ideological minority by choice. Having been tempted by Arab nationalism in my youth as an alternative to narrow sectarian-minded enterprises with no horizon, I soon came to realize that in practice, far from being a liberating project, it carried in itself the seeds of discord and exclusion.”

“Eu pertenço a uma minoria no Oriente Médio. Uma minoria religiosa por nascimento e uma minoria ideológica por escolha. Tendo sido tentado pelo Nacionalismo Árabe em minha juventude, como uma alternativa para iniciativas de pensamento estreito e sectário que não tinham nenhum horizonte, eu bem cedo descobrí que na prática, muito longe de ser um projeto libertário, ele carregava em seu seio as sementes da discórdia e da exclusão.”

Para fechar, nós terminamos com outra jornada do Abu Fares [literalmente Abu Viaja, em inglês]. Desta vez ele nos leva com ele em sua viagem de negócios de 11 dias por 5 cidades no velho continente ao lado: a Europa.

” Eleven days, twelve flights, five cities, lonely nights in strange hotels, exasperating meetings around oak tables, luxurious meals in fine restaurants, dazzling looks of beautiful women and here I am again, back where I have started.

Traveling has always pleasantly surprised me. The anticipation before reaching a new city and the longing to return to mine. The things I would do, the places I would see, the people I would meet and the memories that will creep up on me before I surrender to sleep. Smells, tastes, textures, colors and feelings are fresh and hold my senses like a first encounter with a mysterious woman.

“J’ai des mémoires de villes comme on a des mémoires d’amour”.”

“Onze dias, doze vôos, cinco cidades, noites solitárias em hotéis estranhos, reuniões exasperantes à volta de mesas de carvalho, refeições luxuosas em restaurantes finos, olhares impressionantes de belas mulheres e, aqui estou de novo, de volta a onde eu comecei.

Viajar sempre me surpreender prazeirosamente. A ansiedade antes de chegar em uma nova cidade e a vontade de retornar para a minha. As coisas que irei fazer, os lugares que irei ver, as pessoas que irei encontrar e as lembranças que irão me assaltar antes que eu me renda ao sono. Cheiros, gostos, texturas, cores e sentimentos são frescos e capturam meus sentidos como em um primeiro encontro com uma mulher misteriosa.

‘Tenho lembranças das cidades como as pessoas tem lembranças dos amores'”

(Texto original por Yazan Badran)

 

O artigo acima é uma tradução de um artigo original publicado no Global Voices Online. Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

21 comentários

  • O PERCURSO De DR HUGO JOSÉ AZANCOT DE MENEZES

    Hugo de Menezes nasceu na cidade de São Tomé a 02 de fevereiro de 1928, filho do Dr Ayres Sacramento de Menezes.

    Aos três anos de idade chegou a Angola onde fez o ensino primário.
    Nos anos 40, fez o estudo secundário e superior em Lisboa, onde concluiu o curso de medicina pela faculdade de Lisboa.
    Neste pais, participou na fundação e direcção de associações estudantis, como a casa dos estudantes do império juntamente com Mário Pinto de Andrade ,Jacob Azancot de Menezes, Manuel Pedro Azancot de Menezes, Marcelino dos Santos e outros.
    Em janeiro de 1959 parte de Lisboa para Londres com objectivo de fazer uma especialidade, e contactar nacionalistas das colónias de expressão inglesa como Joshua Nkomo( então presidente da Zapu, e mais tarde vice-presidente do Zimbabué),George Houser ( director executivo do Américan Commitee on África),Alão Bashorun ( defensor de Naby Yola ,na Nigéria e bastonário da ordem dos advogados no mesmo pais9, Felix Moumié ( presidente da UPC, União das populações dos Camarões),Bem Barka (na altura secretário da UMT- União Marroquina do trabalho), e outros, os quais se tornou amigo e confidente das suas ideias revolucionárias.
    Uns meses depois vai para Paris, onde se junta a nacionalistas da Fianfe ( políticos nacionalistas das ex. colónias Francesas ) como por exemplo Henry Lopez( actualmente embaixador do Congo em Paris),o então embaixador da Guiné-Conacry em Paris( Naby Yola).
    A este último pediu para ir para Conacry, não só com objectivo de exercer a sua profissão de médico como também para prosseguir as actividades políticas iniciadas em lisboa.
    Desta forma ,Hugo de Menezes chega ao já independente pais africano a 05-de agosto de 1959 por decisão do próprio presidente Sekou -Touré.
    Em fevereiro de 1960 apresenta-se em Tunes na 2ª conferência dos povos africanos, como membro do MAC , com ele encontram-se Amilcar Cabral, Viriato da Cruz, Mario Pinto de Andrade , e outros.
    Encontram-se igualmente presente o nacionalista Gilmore ,hoje Holden Roberto , com o qual a partir desta data iniciou correspondência e diálogo assíduos.
    De regresso ao pais que o acolheu, Hugo utiliza da sua influência junto do presidente Sekou-touré a fim de permitir a entrada de alguns camaradas seus que então pudessem lançar o grito da liberdade.

    Lúcio Lara e sua família foram os primeiros, seguindo-lhe Viriato da Cruz e esposa Maria Eugénia Cruz , Mário de Andrade , Amílcar Cabral e dr Eduardo Macedo dos Santos e esposa Maria Judith dos Santos e Maria da Conceição Boavida que em conjunto com a esposa do Dr Hugo José Azancot de Menezes a Maria de La Salette Guerra de Menezes criam o primeiro núcleo da OMA ( fundada a organização das mulheres angolanas ) sendo cinco as fundadoras da OMA ( Ruth Lara ,Maria de La Salete Guerra de Menezes ,Maria da Conceição Boavida ( esposa do Dr Américo Boavida), Maria Judith dos Santos (esposa de um dos fundadores do M.P.L.A Dr Eduardo dos Santos) ,Helena Trovoada (esposa de Miguel Trovoada antigo presidente de São Tomé e Príncipe).
    A Maria De La Salette como militante participa em diversas actividades da OMA e em sua casa aloja a Diolinda Rodrigues de Almeida e Matias Rodrigues Miguéis .

    Na residência de Hugo, noites e dias árduos ,passados em discussões e trabalho… nasce o MPLA ( movimento popular de libertação de Angola).
    Desta forma é criado o 1º comité director do MPLA ,possuindo Menezes o cartão nº 6,sendo na realidade Membro fundador nº5 do MPLA .
    De todos ,é o único que possui uma actividade remunerada, utilizando o seu rendimento e meio de transporte pessoal para que o movimento desse os seus primeiros passos.
    Dr Hugo de Menezes e Dr Eduardo Macedo dos Santos fazem os primeiros contactos com os refugiados angolanos existentes no Congo de forma clandestina.

    A 5 de agosto de 1961 parte com a família para o Congo Leopoldville ,aí forma com outros jovens médicos angolanos recém chegados o CVAAR ( centro voluntário de assistência aos Angolanos refugiados).

    Participou na aquisição clandestina de armas de um paiol do governo congolês.
    Em 1962 representa o MPLA em Accra(Ghana ) como Freedom Fighters e a esposa tornando-se locutora da rádio GHANA para emissões em língua portuguesa.

    Em Accra , contando unicamente com os seus próprios meios, redigiu e editou o primeiro jornal do MPLA , Faúlha.

    Em 1964 entrevistou Ernesto Che Guevara como repórter do mesmo jornal, na residência do embaixador de Cuba em Ghana , Armando Entralgo Gonzales.
    Ainda em Accra, emprega-se na rádio Ghana juntamente com a sua esposa nas emissões de língua portuguesa onde fazem um trabalho excepcional. Enviam para todo mundo mensagens sobre atrocidades do colonialismo português ,e convida os angolanos a reagirem e lutarem pela sua liberdade. Estas emissões são ouvidas por todos cantos de Angola.

    Em 1966´é criada a CLSTP (Comité de libertação de São Tomé e Príncipe ),sendo Hugo um dos fundadores.

    Neste mesmo ano dá-se o golpe de estado, e Nkwme Nkruma é deposto. Nesta sequência ,Hugo de Menezes como representante dos interesses do MPLA em Accra ,exilou-se na embaixada de Cuba com ordem de Fidel Castro. Com o golpe de estado, as representações diplomáticas que praticavam uma política favorável a Nkwme Nkruma são obrigadas a abandonar Ghana .Nesta sequência , Hugo foge com a família para o Togo.
    Em 1967 Dr Hugo José Azancot parte com esposa para a república popular do Congo – Dolisie onde ambos leccionam no Internato de 4 de Fevereiro e dão apoio aos guerrilheiros das bases em especial á Base Augusto Ngangula ,trabalhando paralelamente para o estado Congolês para poder custear as despesas familhares para que seu esposo tivesse uma disponibilidade total no M.P.L.A sem qualquer remuneração.

    Em 1968,Agostinho Neto actual presidente do MPLA convida-o a regressar para o movimento no Congo Brazzaville como médico da segunda região militar: Dirige o SAM e dá assistência médica a todos os militantes que vivem a aquela zona. Acompanha os guerrilheiros nas suas bases ,no interior do território Angolano, onde é alcunhado “ CALA a BOCA” por atravessar essa zona considerada perigosa sempre em silêncio.

    Hugo de Menezes colabora na abertura do primeiro estabelecimento de ensino primário e secundário em Dolisie ,onde ele e sua esposa dão aulas.

    Saturado dos conflitos internos no MPLA ,aliado a difícil e prolongada vida de sobrevivência ,em 1972 parte para Brazzaville.

    Em 1973,descontente com a situação no MPLA e a falta de democraticidade interna ,foi ,com os irmãos Mário e Joaquim Pinto de Andrade , Gentil Viana e outros ,signatários do « Manifesto dos 19», que daria lugar a revolta activa. Neste mesmo ano, participa no congresso de Lusaka pela revolta activa.
    Em 1974 entra em Angola ,juntamente com Liceu Vieira Dias e Maria de Céu Carmo Reis ( Depois da chegada a Luanda a saída do aeroporto ,um grupo de pessoas organizadas apedrejou o Hugo de tal forma que foi necessário a intervenção do próprio Liceu Vieira Dias).

    Em 1977 é convidado para o cargo de director do hospital Maria Pia onde exerce durante alguns anos .

    Na década de 80 exerce o cargo de presidente da junta médica nacional ,dirige e elabora o primeiro simpósio nacional de remédios.

    Em 1992 participa na formação do PRD ( partido renovador democrático).
    Em 1997-1998 é diagnosticado cancro.

    A 11 de Maio de 2000 morre Azancot de Menezes, figura mítica da historia Angolana.

  • meireles

    MOVIMENTO POPULAR DE LIBERTAÇÃO DE
    DE ANGOLA
    M.P.L.A.
    51,Avenue Tombeur de Tabora
    LEOPOLDVILLE

    COMITÉ
    DIRECTOR

    NACIONALISTAS ANGOLANOS

    Transcreve-se a nota Nº .A/M/F enviada ,em 10.11.1961, ao comité Executivo da União das populações de ANGOLA:

    “ Como V.Exas. Sabem, em nove de setembro de 1961, uma esquadra da nossa organização militar, que se dirigia a Nambuangongo em missão de socorro às populações cercadas pelas tropas portuguesas , foi , pela traição, cercada e feita prisioneira por grupos armados da União das Populações de Angola que actuam no corredor de entrada e saída dos patriotas angolanos.

    Desde aquela data até hoje, mantendo – se embora vigilante e tendo conhecimento , não sem revolta, dos maus tratos que foram infligidos por militantes da UPA aos nossos compatriotas, o comité Director do M.P.L.A. Esperou ver qual seria o comportamento dos órgãos dirigentes da UPA
    Diante desse crime de lesa – pátria e que enodoa o digno movimento patriótico do povo angolano.

    O Comité Director do M.P.L.A. Faz o mais enérgico protesto contra esse acto anti – patriótico, que visa a enfraquecer a resistência armada do povo angolano e que introduz, por iniciativa da UPA, a luta fratricida nos campos de batalha de Angola.
    Sob pena desse “ affaire “ ser levado imediatamente ao conhecimento da opinião pública e dos organismos internacionais , o comité Director do MPLA

    “ – exige a imediata libertação de todos os nossos compatriotas;
    “ – exige a entrega de todos as armas, munições e demais bagagens

    “ – que foram retirados aos guerrilheiros daquela nossa esquadra ; e

    “ – responsabiliza, desde já , a união das populações de Angola pela

    “ – vida desses nossos valorosos compatriotas.

    “ Na expectativa, subscrevemo-nos

    Atenciosamente

    (ass) Mario Pinto de Andrade
    Viriato da cruz
    Matias Miguéis
    Eduardo dos Santos
    Hugo de Menezes

  • Saúde para si e para a família. Nós por cá tudo normal excepto a complicação dos disparates dos amigos da Firma UPA- PDA que se pretendem grandes vítimas do nacionalismo angolano quando é certo sofrerem do nacionalismo de ricos…
    Deves estar ao corrente de que provavelmente na 2ª quinzena de Setembro se deve realizar o congresso popular para modificações disciplinares no nosso movimento. Como todos os membros do comité Director devem assistir a ele, era e é máxima conveniência que respondesse ao telegrama que o MPLA te enviou confirmando a minha aceitação da proposta do presidente Nkrumah e tua a fim de eu ficar a trabalhar em Accra.

    Convém que me responda se recebeu o telegrama e quando conta que eu possa aparecer aí, para também aqui se fazer um plano de trabalho de sorte a minha ausência mesmo inopinada não prejudique a boa marcha das coisas.
    Recomendações da minha família à sua.
    Abraço e saudações nacionalistas.
    Ao seu dispor
    Leo , 30/08/ 1962

    José Domingos

  • Conacry,10 de agosto de 1961 Ref. 383/21/61

    Hugo Azancot de Menezes

    Recebida aos 24/08/61

    Caro Hugo

    Estimamos que tu e a tua família tenham feito uma excelente viagem e que vocês todos gozem de boa saúde.

    Diz-nos urgentemente de que necessitares aí. Estamos aqui para servir da melhor maneira.
    1-Junto te envio copia de uma carta que o director do EXPRESSEN dirigiu ao bureau da CONCP.
    Pelos vistos já estão a caminho de Léopoldville 3 toneladas de medicamentos, de medicamentos ,os quais se destinam a CVAAR.
    Achamos que é muito importante reter a seguinte passagem da carta do director do EXPRESSEN: “ Nos remede sont a leur disposition, mais s`ils n`arrivent pas a Léo ces temps -ci les remede seront distribués aux infirmeries au long de la frontiere.

    Se for possível ,é muito conveniente que te apresentes urgentemente ao M. Gosta Streiffert , coordenador em chefe da acção em favor dos refugiados angolanos no congo.

    Os fins da tua visita ao Streiffert deverão ser os seguintes:

    a) Garantir- lhe a próxima chegada ao Congo de mais dois médicos angolanos. ( Com efeito, o ministro da saúde deste país acaba de dizer ao Eduardo que ele pode partir quando ele quiser .Em face disso, é quase certo que o Eduardo e o Boavida partirão no próximo barco, ou mesmo antes, de avião.

    b) Avisar ao Streiffer que os três médicos angolanos –
    – Tu ,Boavida e Santos -,que estarão aí certamente antes da chegada dos medicamentos, estão prontos a entrar imediatamente em actividade com os medicamentos enviados da Suécia pelo EXPRESSEN.

    c) Deixar boa impressão ao Streiffer . Para isso, recomendaremos -te um trato o mais diplomático possível e a maior circunspecção possível . É fundamental que, depois do teu encontro com o Streiffer , este não fique com a impressão de que a vossa actividade vai constituir uma espécie de concorrência as funções dele e a actividade da liga das sociedades da cruz vermelha para o Congo.
    Pelo contrario.
    d) Sondar , habitualmente , a opinião íntima do Streiffer sobre a vossa futura presença junto dos refugiados . Tentar saber se há influências, opostas a actividade da CVAAR , na pessoa do Streiffer e dos seus colegas.

    e) Deixar em toda gente a convicção firme de que a actividade da CVAAR será humanitária e apolítica . Quero, no entanto, lembrar-te quee a melhor maneira de impor a ideia de que a CVAAR é apolítica não consiste em declarares que ela “ é apolítica”, mas sim em mostrares um interesse humano, médico, por todas as vítimas da guerra. Quero dizer: o apoliticismo da CVAAR será inculcado no espírito dessa gente de maneira indirecta: através das tuas atitudes e do teu interesse humano e de técnico pelos doentes vítimas dos acontecimentos de Angola.

    Fala pouco e ouve muito. É pela bouca que morre o peixe.
    f) É fundamental que, depois do Streiffer te conhecer , deixes neste indivíduo uma espécie de compromisso de consciência que o impeça de dar os medicamentos um outro destino diferente ,sem primeiramente te consultar.
    2- O Aquino Bragança vai enviar-te de Rabat o original da carta do director do EXPRESSEN . Em caso de necessidade , essa carta poderá servir de tira-teimas sobre o destinatário dos medicamentos.
    Tudo faremos para que dentro de dias o Eduardo e o Américo estejam aí.

    3)- Diz-nos urgentemente se a War ON Wait já transferiu o dinheiro para aí. Tenho insistido com o CABRAL para que isso se realize o mais depressa possível . Mas achamos estranho que o CABRAL não tenha, até hoje, acusado a recepção da vossa carta para a WAR ON WAIT.

    Achamos conveniente que, logo que chegues ao Congo , escrevas ao CABRAL informando-o de que já estas aí e que outros médicos chegarão dentro de dias .
    Saúde para a tua família e para ti.
    Coragem , bom trabalho e prudência!

    P.S.- O original desta carta ,enviámo-la , nesta mesma data , à nossa caixa postal de Brazzaville.

    VIRIATO DA CRUZ

  • UMA CRÍTICA MUITO DURA AOS MÉTODOS DO MPLA

    Ao saber da conversa ocorrida em Acra (Ghana), Lúcio Lara reagiu: « Os cubanos falam de mais»

    HUGO AZANCOT DE MENEZES

    Longe de mim a pretensão de ter feito história ou de escrevê-la.
    Contudo, vivi factos que envolvem, também , outros protagonistas.
    Alguns, figuras ilustres. Outros, gente humilde, sem nome e sem história, relacionados, apesar de tudo, com períodos inolvidáveis das nossas vidas.
    Alguns destes factos , ainda que de fraca relevância, podem ter interesse, como « entrelinhas da História», para ajudar a compreender situações controversas.
    Conheci Ernesto Che Guevara em Acra , em 1964, e comprometi – me a não publicar alguns temas abordados na entrevista que tive o privilégio de lhe fazer como « repórter» do jornal Faúlha.

    Já se passaram mais de 30 anos. O contexto actual é outro.
    Pela primeira vez os revelo, na certeza de que já não é o quebrar de um compromisso, nem a profanação de uma imagem que no
    A entrevista realizou-se na residência do embaixador de Cuba em Acra , Armando Entralgo González, que nos distinguiu com a sua presença.
    Ali estava Che…
    A sua tez muito pálida contrastava com o verde – escuro da farda.
    As botas negras, impecavelmente limpas.
    Encontrei-o em plena crise de asma, Socorria – se , amiúde, de uma bomba de borracha.
    Che Guevara , deus dos ateus, dos espoliados e dos explorados do terceiro mundo, deus da guerrilha, tinha na mão uma bomba, não para destruir mas para se tratar… de falta de ar. Aspirava as bombadas, dando sempre mostras de um grande auto -domínio.
    Fora-me solicitado que submetesse o questionário à sua prévia apreciação – e assim o fiz.
    Uma das questões dizia respeito à cultura da cana – de – açúcar em Cuba.
    Como encarava ele a aparente contradição de combater teoricamente a monocultura – apanágio dos sistemas de exploração colonial e tão típica dos sistemas de exploração colonial e tão típica do subdesenvolvimento – ao mesmo tempo que fomentava, ao extremo, a cultura da cana e a produção de açúcar – mono -produto de que Cuba se tornaria, afinal, cada vez mais dependente?
    Outro tema que nos preocupava, a nós , africanos, era o papel dos cidadãos cubanos de origem africana na revolução cubana e a fraca representação deles nos órgãos de direcção dos país e do partido, os quais tinham proscrito qualquer discriminação racial.
    Não constituiria o comandante Juan D´Almeida – único afro – cubano na direcção do partido – uma excepção?
    Entretanto, a crise de asma agudizava-se , o que nem a mim me dava o à – vontade requerido nem, obviamente, ao meu interlocutor a disposição necessária para o diálogo.
    Insistiu para que eu o iniciasse. Ao responder – lhe que não me sentia á vontade para fazê-lo, em virtude de seu estado, disse – me em tom provocante e com certa ironia :« Vejo que você é um jornalista muito tímido.»

    No mesmo tom lhe respondi, que não me tinha pronunciado como jornalista, mas como médico .« Comandante, as suas condições não lhe permitem dar qualquer entrevista», disse-lhe eu.
    Olhando-me , meio surpreso e sempre irónico, replicou: « Companheiro, eu não falo como doente, também falo como médico.
    Em meu entender, estou em condições de dar a entrevista.»
    Mas a crise de asma não melhorava, tornando impossível o diálogo. Foi necessário adiá-lo.
    Reencontrámo-nos dias depois. Estava, então, quase eufórico. Referindo-se á atitude dos cidadãos cubanos de origem africana, à sua fraca participação na revolução, disse não gostar de se referir á origem ou à raça dos homens.
    Apenas à espécie humana, a cidadãos, a companheiros.
    Manifestei-lhe a minha total concordância. «A verdade », disse-lhe eu, «é que a revolução cubana tinha suscitado em todos nós , africanos, uma enorme expectativa, muita esperança, pois que, pela primeira vez, assistia-mos a um processo revolucionário de cariz marxista, num país subdesenvolvido e eis – colonial , tendo, lado a lado, cidadãos de origem europeia e africana, e onde a discriminação racial tinha sido, e ainda era, tão notório.»
    Cuba seria pois, para nós, africanos, um teste. Seguíamos atentamente a sua evolução e queríamos ver como seria resolvido este problema.
    Muitos, em África, mostravam-se cépticos. Mais do que interesse, da nossa parte existia ansiedade.
    Segundo Che Guevara , a população de origem africana, a principio, não participava no processo. Via-o com uma certa indiferença, como mais uma luta…
    «deles». Mas a desconfiança estava a desaparecer, era cada vez maior a adesão, á medida que iam constatando que este processo era totalmente diferente daqueles que o precederam. Que era um processo para todos.
    Che Guevara acabava de chegar do Congo – Brazzaville.Visitara as bases do MPLA em Cabinda (de facto, na zona fronteiriça Congo/ Brazzaville /Cabinda) .
    Pedi – lhe que me desse as impressões da sua visita. Che não era um diplomata, mas um guerrilheiro, e foi directamente à questão:
    « O MPLA tem ao seu dispor condições de luta excepcionais.
    Quem nos dera a nós que, durante a guerrilha, em Cuba, tivéssemos algo comparável. Mas estas condições não estão a ser devidamente aproveitadas, exploradas …
    O MPLA não luta, não procura o inimigo , não ataca…
    O inimigo deve ser procurado, deve ser fustigado, deve ser perseguido, mesmo no banho. Agostinho Neto está a utilizar a luta armada apenas como mero instrumento de pressão política.»
    Dei parte da conversa a Agostinho Neto. Não reagiu. Tal como a Lúcio Lara, que me respondeu:
    « Os cubanos falam demais.»
    Mas Che falava verdade. Durante vários anos, na minha qualidade de responsável dos serviços de assistência médica da 2º região político – militar do MPLA (Cabinda ) , fui disso testemunha a cada passo.
    Aí e assim , como contestação a esta e outras situações idênticas, surgiria dentro do movimento, antes de Abril de 1974, a Revolta Activa.

    Hugo José Azancot de Menezes foi médico. Foi um dos fundadores do MPLA

  • Caro Hugo

    Saúde para si e para a família. Nós por cá tudo normal excepto a complicação dos disparates dos amigos da Firma UPA- PDA que se pretendem grandes vítimas do nacionalismo angolano quando é certo sofrerem do nacionalismo de ricos…
    Deves estar ao corrente de que provavelmente na 2ª quinzena de Setembro se deve realizar o congresso popular para modificações disciplinares no nosso movimento. Como todos os membros do comité Director devem assistir a ele, era e é máxima conveniência que respondesse ao telegrama que o MPLA te enviou confirmando a minha aceitação da proposta do presidente Nkrumah e tua a fim de eu ficar a trabalhar em Accra.

    Convém que me responda se recebeu o telegrama e quando conta que eu possa aparecer aí, para também aqui se fazer um plano de trabalho de sorte a minha ausência mesmo inopinada não prejudique a boa marcha das coisas.
    Recomendações da minha família à sua.
    Abraço e saudações nacionalistas.
    Ao seu dispor
    Leo , 30/08/ 1962

    José Domingos

  • PARTIDO AFRICANO DA INDEPENDÊNCIA DA GUINÉ E CABO VERDE
    Sede: Bissau
    Conacry , 20 de Fevereiro de 965

    Mr. Hugo MENEZES

    P.O.BOX 1633

    ACCRA (Ghana)

    Caro amigo,

    Em resposta à sua carta de 23 de Novembro último, temos a dizer-lhe o seguinte:

    1º/ – A iniciativa da publicação, no Ghana, de um jornal em língua portuguesa, parece – nos digna do maior interesse, não podendo nos deixar de dar todo o apoio aos amigos que se dedicam à concretização dessa ideia;

    2º/ – Nesse intuito, pensamos pôr, em breve, à vossa disposição, algum material escrito e fotográfico, expor -vos as nossas sugestões e enviar – vos a colaboração escrita que nos pedem;

    3º/ – Dada que a sua carta nos chegou num período em que o nosso secretário geral se encontrava no interior do pais , de onde regressou apenas há alguns dias, não nos foi ainda possível enviar-lhe o artigo pedido para o primeiro número do jornal. Contamos, entretanto, poder fazê-lo brevemente.

    Apresente as nossas melhores felicitações a todos quanto trabalhem para que o jornal seja em breve uma realidade.

    Com os melhores votos, queiram receber as nossas

    SAUDAÇÕES COMBATIVAS

    VASCO CABRAL

  • O PERCURSO De DR HUGO JOSÉ AZANCOT DE MENEZES

    Hugo de Menezes nasceu na cidade de São Tomé a 02 de fevereiro de 1928, filho do Dr Ayres Sacramento de Menezes.

    Aos três anos de idade chegou a Angola onde fez o ensino primário.
    Nos anos 40, fez o estudo secundário e superior em Lisboa, onde concluiu o curso de medicina pela faculdade de Lisboa.
    Neste pais, participou na fundação e direcção de associações estudantis, como a casa dos estudantes do império juntamente com Mário Pinto de Andrade ,Jacob Azancot de Menezes, Manuel Pedro Azancot de Menezes, Marcelino dos Santos e outros.
    Em janeiro de 1959 parte de Lisboa para Londres com objectivo de fazer uma especialidade, e contactar nacionalistas das colónias de expressão inglesa como Joshua Nkomo( então presidente da Zapu, e mais tarde vice-presidente do Zimbabué),George Houser ( director executivo do Américan Commitee on África),Alão Bashorun ( defensor de Naby Yola ,na Nigéria e bastonário da ordem dos advogados no mesmo pais9, Felix Moumié ( presidente da UPC, União das populações dos Camarões),Bem Barka (na altura secretário da UMT- União Marroquina do trabalho), e outros, os quais se tornou amigo e confidente das suas ideias revolucionárias.
    Uns meses depois vai para Paris, onde se junta a nacionalistas da Fianfe ( políticos nacionalistas das ex. colónias Francesas ) como por exemplo Henry Lopez( actualmente embaixador do Congo em Paris),o então embaixador da Guiné-Conacry em Paris( Naby Yola).
    A este último pediu para ir para Conacry, não só com objectivo de exercer a sua profissão de médico como também para prosseguir as actividades políticas iniciadas em lisboa.
    Desta forma ,Hugo de Menezes chega ao já independente pais africano a 05-de agosto de 1959 por decisão do próprio presidente Sekou -Touré.
    Ainda em 1959 funda o movimento de libertação dos territórios sob a dominação Portuguesa.
    Em fevereiro de 1960 apresenta-se em Tunes na 2ª conferência dos povos africanos, como membro do MAC , com ele encontram-se Amilcar Cabral, Viriato da Cruz, Mario Pinto de Andrade , e outros.
    Encontram-se igualmente presente o nacionalista Gilmore ,hoje Holden Roberto , com o qual a partir desta data iniciou correspondência e diálogo assíduos.
    De regresso ao pais que o acolheu, Hugo utiliza da sua influência junto do presidente Sekou-touré a fim de permitir a entrada de alguns camaradas seus que então pudessem lançar o grito da liberdade.

    Lúcio Lara e sua família foram os primeiros, seguindo-lhe Viriato da Cruz e esposa Maria Eugénia Cruz , Mário de Andrade , Amílcar Cabral e dr Eduardo Macedo dos Santos e esposa Maria Judith dos Santos e Maria da Conceição Boavida que em conjunto com a esposa do Dr Hugo José Azancot de Menezes a Maria de La Salette Guerra de Menezes criam o primeiro núcleo da OMA ( fundada a organização das mulheres angolanas ) sendo cinco as fundadoras da OMA ( Ruth Lara ,Maria de La Salete Guerra de Menezes ,Maria da Conceição Boavida ( esposa do Dr Américo Boavida), Maria Judith dos Santos (esposa de um dos fundadores do M.P.L.A Dr Eduardo dos Santos) ,Helena Trovoada (esposa de Miguel Trovoada antigo presidente de São Tomé e Príncipe).
    A Maria De La Salette como militante participa em diversas actividades da OMA e em sua casa aloja a Diolinda Rodrigues de Almeida e Matias Rodrigues Miguéis .

    Na residência de Hugo, noites e dias árduos ,passados em discussões e trabalho… nasce o MPLA ( movimento popular de libertação de Angola).
    Desta forma é criado o 1º comité director do MPLA ,possuindo Menezes o cartão nº 6,sendo na realidade Membro fundador nº5 do MPLA .
    De todos ,é o único que possui uma actividade remunerada, utilizando o seu rendimento e meio de transporte pessoal para que o movimento desse os seus primeiros passos.
    Dr Hugo de Menezes e Dr Eduardo Macedo dos Santos fazem os primeiros contactos com os refugiados angolanos existentes no Congo de forma clandestina.

    A 5 de agosto de 1961 parte com a família para o Congo Leopoldville ,aí forma com outros jovens médicos angolanos recém chegados o CVAAR ( centro voluntário de assistência aos Angolanos refugiados).

    Participou na aquisição clandestina de armas de um paiol do governo congolês.
    Em 1962 representa o MPLA em Accra(Ghana ) como Freedom Fighters e a esposa tornando-se locutora da rádio GHANA para emissões em língua portuguesa.

    Em Accra , contando unicamente com os seus próprios meios, redigiu e editou o primeiro jornal do MPLA , Faúlha.

    Em 1964 entrevistou Ernesto Che Guevara como repórter do mesmo jornal, na residência do embaixador de Cuba em Ghana , Armando Entralgo Gonzales.
    Ainda em Accra, emprega-se na rádio Ghana juntamente com a sua esposa nas emissões de língua portuguesa onde fazem um trabalho excepcional. Enviam para todo mundo mensagens sobre atrocidades do colonialismo português ,e convida os angolanos a reagirem e lutarem pela sua liberdade. Estas emissões são ouvidas por todos cantos de Angola.

    Em 1966´é criada a CLSTP (Comité de libertação de São Tomé e Príncipe ),sendo Hugo um dos fundadores.

    Neste mesmo ano dá-se o golpe de estado, e Nkwme Nkruma é deposto. Nesta sequência ,Hugo de Menezes como representante dos interesses do MPLA em Accra ,exilou-se na embaixada de Cuba com ordem de Fidel Castro. Com o golpe de estado, as representações diplomáticas que praticavam uma política favorável a Nkwme Nkruma são obrigadas a abandonar Ghana .Nesta sequência , Hugo foge com a família para o Togo.
    Em 1967 Dr Hugo José Azancot parte com esposa para a república popular do Congo – Dolisie onde ambos leccionam no Internato de 4 de Fevereiro e dão apoio aos guerrilheiros das bases em especial á Base Augusto Ngangula ,trabalhando paralelamente para o estado Congolês para poder custear as despesas familhares para que seu esposo tivesse uma disponibilidade total no M.P.L.A sem qualquer remuneração.

    Em 1968,Agostinho Neto actual presidente do MPLA convida-o a regressar para o movimento no Congo Brazzaville como médico da segunda região militar: Dirige o SAM e dá assistência médica a todos os militantes que vivem a aquela zona. Acompanha os guerrilheiros nas suas bases ,no interior do território Angolano, onde é alcunhado “ CALA a BOCA” por atravessar essa zona considerada perigosa sempre em silêncio.

    Hugo de Menezes colabora na abertura do primeiro estabelecimento de ensino primário e secundário em Dolisie ,onde ele e sua esposa dão aulas.

    Saturado dos conflitos internos no MPLA ,aliado a difícil e prolongada vida de sobrevivência ,em 1972 parte para Brazzaville.

    Em 1973,descontente com a situação no MPLA e a falta de democraticidade interna ,foi ,com os irmãos Mário e Joaquim Pinto de Andrade , Gentil Viana e outros ,signatários do « Manifesto dos 19», que daria lugar a revolta activa. Neste mesmo ano, participa no congresso de Lusaka pela revolta activa.
    Em 1974 entra em Angola ,juntamente com Liceu Vieira Dias e Maria de Céu Carmo Reis ( Depois da chegada a Luanda a saída do aeroporto ,um grupo de pessoas organizadas apedrejou o Hugo de tal forma que foi necessário a intervenção do próprio Liceu Vieira Dias).

    Em 1977 é convidado para o cargo de director do hospital Maria Pia onde exerce durante alguns anos .

    Na década de 80 exerce o cargo de presidente da junta médica nacional ,dirige e elabora o primeiro simpósio nacional de remédios.

    Em 1992 participa na formação do PRD ( partido renovador democrático).
    Em 1997-1998 é diagnosticado cancro.

    A 11 de Maio de 2000 morre Azancot de Menezes, figura mítica da historia Angolana.

  • Léopoldville ,13 de Novembro de 1962

    Meu Caro Hugo, ( Hugo José Azancot de Menezes)

    Em 20 de setembro ultimo, escrevi – te para que, por mim, agradecesses à Salette pela compota enviada e me dissesses algo quanto ao destino a dar os 18.090,- CFA que recuperei da chargeur reuni como reembolso do bilhete Pointe Noire /Lomé, não utilizado pela tua família.
    Em 29 daquele mesmo mês a pedido do Mário , fiz-te um telegrama por este ditado, exageradamente conciso, pedindo-te para que na medida do possível, dispusesses as coisas de forma a tomares o primeiro barco para Léopoldville que por aí passasse depois daquela data. Só agora vejo que, contrariamente ao que o Mário me convenceu era ele quem deveria ter assinado o telegrama em causa.

    Ontem, enderecei – te meu segundo telegrama, rogando a tua intervenção junto das autoridades Ghaneenses, no sentido de facilitarem o desembarque do Carreira em Tokoradi.
    Receio, pois, que este meu telegrama (último) venha merecer sorte igual do meu anterior correio.
    Não quero sequer discutir a “ grandeza” das razões que estariam militando a favor do teu silêncio, a ponto até de darem primazia à falta de indicação de tua parte quanto ao destino a dar aquela “ massa” em meu poder.
    Quero apenas pedir-te ,por favor, a tua melhor atenção e interesse neste assunto Carreira, informando-nos a tempo no que virão resultar as tuas “ demarches” para assim sabermos para onde enviar o “ Título de viagem” conseguido à seu favor.

    Ainda sobre o telegrama de 20/9: talvez não fosse descabido se contactasses o Mário acerca do seu conteúdo , isto é , se ainda o não fizeste.
    O Aníbal de Melo diz te ter feito carta pedindo as gravuras – ( titulo – pequeno e grande – do jornal) .

    Recomendações à Salete e beijos aos V/ pequenos. Aceita um aperto de mão cordial do Camarada Matias.

    Matias Migueis

  • Sr. Hugo.

    Poderia nos explicar, por favor, qual o motivo pelo qual você está publicando sua correspondência na caixa de comentários deste artigo? Não há nada que o impeça de fazê-lo, mas estou tentando entender quais são seus motivos.

    Abraços do Verde.

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.