Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

A Vitória de Obama: Um Impulso para a Saúde Global?

Enquanto o presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, se prepara para seus quatro anos na Casa Branca, muitos discutem como seu mandato influenciará as questões relacionadas à saúde no mundo e nos Estados Unidos, e se ele cumprirá as promessas feitas durante a campanha.

Como parte de sua campanha, Obama e o vice-presidente eleito Joe Biden disseram que mais providências precisavam ser tomadas para combater a pandemia mundial de HIV/AIDS, assim como a malária e a tuberculose (TB). Ambos prometeram destinar pelo menos US$ 50 bilhões até 2013 para o combate mundial ao HIV/AIDS, com a esperança de no mínino duplicar o número de pessoas soro-positivas em tratamento, e também defenderam um aumento nas contribuições dos Estados Unidos ao Fundo Global para a AIDS, Malária e TB. The ONE Blog apresenta uma lista de outras promessas de campanha relacionadas à saúde e à pobreza.

Blogueiros de todo o mundo estão entusiasmados com aquilo que a vitória de Obama pode representar para as questões relacionadas à saúde. Ray Hartley, blogando em The Times, South Africa, posta um trecho do discurso feito por Obama no Dia Mundial de Combate à AIDS, 2006, depois de uma visita à África do Sul:

We know how to save people’s lives. We know the medicine is out there and we know that wealthy countries can afford to do more. That’s why it was so frustrating for me to go to South Africa, and see the pain, and see the suffering …We should never forget that God granted us the power to reason so that we would do His work here on Earth – so that we would use science to cure disease, and heal the sick, and save lives. And one of the miracles to come out of the AIDS pandemic is that scientists have discovered medicine that can give people with HIV a new chance at life.

“Sabemos como salvar as vidas das pessoas. Sabemos que os medicamentos estão aí e sabemos que os países ricos podem custear a fabricação de mais deles. Por isso é tão frustrante para mim ir à África do Sul e ver a dor, ver o sofrimento… Não devemos nos esquecer nunca de que Deus nos concedeu o poder da razão para que fizéssemos o Seu trabalho aqui na Terra – para que usássemos a ciência para eliminar as doenças, para curar os enfermos, para salvar vidas. E um dos milagres nascidos em meio à pandemia de AIDS é que os cientistas têm descoberto medicamentos capazes de dar uma nova chance de viver às pessoas portadoras do HIV”.

yannick Santana, comentando esse trecho, diz:

If people have been wondering about ways in which President Obama change could positively impact the problem-solving process in Africa, this is an illustration.

“Se as pessoas se questionam sobre como a mudança representada pelo Presidente Obama pode causar um impacto positivo no processo de resolução de problemas na África, aqui está um exemplo”.

addis2000, blogando em Addismenged, oferece cinco razões pelas quais a vitória de Obama é algo bom para os etíopes, entre elas ser uma ajuda em potencial para que os etíopes-americanos tenham acesso a uma assistência médica que possam pagar. Em Ethiopia addis2000 acrescenta:

HIV/Aids and food insecurity form convergent miseries. To combat poverty, Ethiopian economists urge for immediate steps to curb the country’s exponential population growth. And yet, despite the Bush administration’s outstanding work to treat HIV/Aids victims in Africa through the PEPFAR programme, it worsened things by ordering USAID missions in six African countries to ensure that no U.S.-financed condoms, birth control pills, I.U.D.’s or other contraceptives are furnished to Marie Stopes International, which operates clinics in Ethiopia. Senator Obama supports family planning.

“O HIV/Aids e a insegurança alimentar constituem desgraças convergentes. Para combater a pobreza, os economistas etíopes insistem na adoção de medidas imediatas que reprimam o crescimento exponencial da população. E mesmo assim, apesar do relevante trabalho do governo Bush no tratamento das vítimas de HIV/Aids na África através do programa PEPFAR, ele tornou as coisas piores quando ordenou que as missões da USAID em seis países africanos garantissem que nenhum preservativo, pílula anticoncepcional, diafragam intra-uterino ou outro contraceptivo financiado pelos Estados Unidos fosse fornecido a Marie Stopes International, que opera clínicas na Etiópia. O Senador Obama apóia o planejamento familiar.”

Outros também continuam esperançosos. Um post em Med India diz que Bill Gates, co-fundador da Microsoft Corp., está otimista em relação aos esforços de Obama para confrontar problemas de saúde global, incluindo alguns na Índia. Understand Argentina também acredita que tenhamos muitos motivos para comemorar, e espera que esta seja uma nova era para todos os habitantes das Américas: do Norte, do Sul e Central. Uma das razões de comemoração, ela acrescenta, é que Obama trará:

More assistance in vocational training, micro-finance and community development; continue fighting AIDS, malaria, tuberculosis; reinforce global education.

“Mais assistência ao treinamento vocacional, microfinanciamento e desenvolvimento comunitário; contínuo combate à AIDS, à malária, à tuberculose; fortalecimento da educação global”.

Nos Estados Unidos, os planos para a assistência à saúde apresentados por Obama incluem torná-la acessível financeiramente e disponível para todos, reduzindo seus custos e promovendo a saúde pública. Ele também comprometeu-se a desenvolver e a começar a implementação de uma estratégia nacional abrangente para o HIV/Aids, durante seu primeiro ano de presidência.

RH Reality Check diz que a vitória de Obama pode ser vista como um mandato conferido à ciência e à racionalidade, especialmente nas políticas de saúde. Um post em Housing Works também mostra entusiasmo por essas políticas fundamentadas na ciência, e espera que estejam voltadas para as pessoas mais necessitadas.

AIDS advocates were overwhelmingly thrilled by President-elect Barack Obama’s victory Tuesday, expressing hope that Obama’s election will bring meaningful changes to health care reform, science-based prevention, and a National AIDS strategy — all of which he promised during the campaign. And there is a real hope that the first black president — who has spoken out against health disparities in minority populations and homophobia in the black community — will frankly address the epidemic in the United States which overwhelmingly affects African-Americans, Latinos and gay men.

“Os que militam no combate à AIDS vibraram intensamente com a vitória do presidente eleito Barack Obama, na terça-feira, e demonstram esperança de que sua eleição traga mudanças significativas para a reforma do sistema de saúde, prevenção com base científica, e uma estratégia nacional para a AIDS – tudo isso prometido por ele durante a campanha. E há uma esperança verdadeira de que o primeiro presidente negro – tendo se pronunciado contra as disparidades na saúde entre as populações minoritárias e contra a homofobia na comunidade negra – aborde com franqueza a epidemia que afeta de forma esmagadora os afro-americanos, os latinos e os homens gays nos Estados Unidos.”

Stiletto, blogando em Pourqoi-Pas?ressalta que, apesar de Obama ter herdado enormes problemas do presidente George W. Bush, ela tem esperanças de que o presidente eleito possa cumprir suas promessas.

For the American people, I hope he manages to find the 33 billion dollars to make America’s health system a thing of everyday like here in Europe, instead of being a joke like a third world country and having 45 million people with no health care cover. If that idiot Bush managed to find nearly 1000 billion dollars to go murder hundreds of thousands of Iraqis, surely, 33 billion dollars to keep the health of the citizens of USA is a lot more important and a lot cheaper. But this is your problem, Americans, and I wish you all the best.

“Para o bem do povo americano, espero que ele consiga encontrar os 33 bilhões de dólares necessários para tornar o sistema de saúde da América parte da vida cotidiana, como é aqui na Europa, ao invés de ser uma piada como um país de Terceiro Mundo, e de ter 45 milhões de pessoas sem nenhuma forma de cobertura para assistência médica. Se esse idiota do Bush conseguiu encontrar 1000 bilhões de dólares para sair matando centenas de milhares de iraquianos, com certeza 33 bilhões de dólares para manter a saúde dos cidadãos dos EUA é muito mais importante e mais barato. Mas esse é um problema de vocês, americanos, e lhes desejo tudo de bom”.

No entanto, My African Diaspora adverte que precisamos dar tempo a Obama para que realize todas as suas promessas:

Temper expectations. Change won’t occur overnight. We’ve got so many pressing priorities: the economy, healthcare, the war, foreign policy and a slew of others. He won’t be able to wave a magic wand and make it all better. To expect him to would only demonstrate our own ignorance of the political process. Instead, reserve judgment and criticism and engage in the governance of your country. It is our right and our responsibility.

“Moderem as expectativas. A mudança não ocorrerá do dia para a noite. Temos tantas prioridades a nos pressionar: a economia, o sistema de saúde, a guerra, a política externa e tantas outras. Ele não poderá sacudir uma varinha mágica e melhorar tudo. Esperar uma coisa assim só mostraria nossa própria ignorância a respeito do processo político. Em lugar disso, guardem o julgamento e as críticas e se envolvam no governo do nosso país. É nosso direito e nossa responsabilidade.”

Foto de Obama Posters, de tonx, em Flickr.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.