Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Quênia: Ódio tribal faz primeiras vítimas na internet

Quando os conflitos eclodiram no Quênia, após as eleições, muitos apontaram o dedo para as rádios e os jornais acusando-os de serem fontes de ira e de alimentarem a fogueiras do ódio tribal que sempre teve uma chama acesa ao longo do tempo. Ninguém se centrou muito nos blogues e fóruns online. Mas está provado que os fóruns online também serviram de incubadores para gente semeadora de discórdia.

Mashada forum, a primeira sala de bate-papo do Quênia, foi obrigada a fechar depois que discussões fugiram do controle. Relatos doWhite Africa sobre o choque que teve:

As you may already know, I’ve been having quite a problem regulating Mashada.com, despite having recently hired people to moderate the forums. It is starting to become a reflection of what is going on on the ground in Kenya. I’d hate for it to hinder our current efforts since I’m directly connected to it, therefore I’m having to shut down the forums until further notice. Facilitating civil discussions and debates has become virtually impossible.

Como vocês já devem saber, eu tenho tido grandes problemas regulando o Mashada.com, apesar de ter recentemente contratado pessoas para moderar os fóruns. Está começando a se tornar um reflexo do que está se passando no Quênia. Eu odiaria que isso viesse a prejudicar os nossos esforços atuais pois estou diretamente ligado a eles, por isso estou fechando os fóruns até segunda ordem. Facilitar discussões e debates civis tornou-se praticamente impossível. 

White African ainda acrescenta que:

The post-election violence in Kenya is horrible. Most of the people who use Mashada are part of the Kenyan diaspora based in the US and Europe, but also a healthy amount from Kenya. So, the vast majority of people using it are seeing and hearing about the atrocities happening to their friends and family and are rightfully upset.

A violência pós-eleitoral no Quênia é horrível. A maioria das pessoas que utilizam o Mashada fazem parte da diáspora queniana baseada nos EUA e na Europa, mas também há uma quantidade substancial de gente do Quênia. Portanto, a grande maioria das pessoas que o usa está vendo e ouvindo sobre as atrocidades que estão acontecendo com os seus amigos e familiares e está aborrecida com razão.

A situação está tão feia que alguns comentários tieveram que ser apagados pelos moderadores. Kenyan Pundits dá um exemplo:

I’ve deleted a comment made by someone about the hate speech on Mashada, not because I disagree with the concerns raised but because I know the links included would have been bait for guys to respond with their own hateful comments.

I have recently had a conversation with David about the kinds of inciteful and hateful speech that people are putting up on Mashada, and what he was doing about it – beyond my disgust with what people are putting up there… I was/am concerned that it would undermine the wonderful work that he is doing with Ushahidi. David says he’s swamped and the moderators are burning out fast. He tried to shut down the website for a week, but that didn’t help. He is considering paying moderators, but is also welcoming ideas from others (any willing to help him with moderating).

Eu apaguei um comentário deixado por alguém sobre o discurso do ódio no Mashada, não porque não concordo com as preocupações levantadas, mas porque sabia que os links incluídos teriam sido iscas para que o pessoal respondesse com os seus próprios comentários odiosos.

Recentemente, conversei com David sobre esse tipo de discurso incitante e odioso que as pessoas estão colocando no Mashada e sobre o que ele estava fazendo a respeito disso – para além do meu desagrado com o que as pessoas estão escrevendo lá … Estava/estou preocupado que isso prejudicasse o magnífico trabalho que ele está fazendo com Ushahidi. David diz que ele está cheio e os moderadores estão se mandando rapidamente. Ele tentou fechar o site durante uma semana, mas isso não ajuda. Ele está pensando em pagar aos moderadores, mas também agradece idéias dos outros (quaisquer pessoas dispostas a ajudá-lo na moderação).

Em tempos de grande animosidade, blogueiros praticamente tomam partidos. Recentemente, Kumekucha escreveu a verdade sobre o Kikuyus e observou:

There cannot be and should not be any attempt to negotiate an obvious violation and abuse of office. Doing so will only further worsen an already deeply troubling situation. None of the so called high profile mediators currently in Kenya, voted in the general election of 27th December 2007, and their presence is of no value whatsoever to the masses who voted for the “de facto” President of Kenya Raila Amolo Odinga and the Orange Democratic Movement (ODM). The continued presence of these impostors on Kenyan soil and their empty attempts at purported mediation,only serves to further infuriate and insult the overwhelming majority that voted for Raila Odinga and ODM.

Não pode e não deveria ter qualquer tentativa de negociar uma violação evidente e abuso do poder. Isso só piora ainda mais uma situação já profundamente perturbadora. Nenhum dos chamados mediadores de alto escalão atualmente no Quênia votou na eleição geral de 27 de Dezembro de 2007, e a presença deles não tem valor nenhum para as massas que votaram a favor do presidente “de fato” do Quênia, Raila Amolo Odinga e do Movimento Democrático Laranja (ODM). A presença destes impostores em solo queniano e as suas tentativas vazias de supostas mediações, só servem para enfurecer e insultar ainda mais a maioria esmagadora que votou a favor Raila Odinga e do ODM.

Por outro lado, Kenyan enterprenuer escreve que Raila é um homem diabólico em quem o inferno confiou para ganhar poder:

This idea by Raila that Kibaki is trying to kill his way to a majority in parliament is crazy and it is where Raila’s evil treachery comes into play. He is using these deaths to score political points and to spur continued violence (he knows these deaths are not connected to Kibaki!!).

Look at his speech right after Were’s death:

**Raila’s Hyperbole: “An emotional Raila eulogised the slain MP, saying his life and blood would not go in vain. “His blood will water the tree of liberation… we will walk tall and stronger, we shall plant a flag on top of the mountain to remember him … Were shall be remembered … we will remember you brother.” Please Negroe , please.

Raila and Ruto have decided that if they don’t get power, they are going to plunge the country into chaos (but of course, they will not do the fighting; they’ll get others to do it for them). I believe Kibaki is being told to forget about negotiating with these two thugs. They must fight them to the end and bring them down (with the ultimate knockdown reserved for William Ruto).

Esta idéia de Raila que Kibaki é quem está a tentando forçar o caminho para uma maioria no parlamento é loucura e é onde a traição diabólica de Raila entra em jogo. Ele está usando essas mortes para marcar pontos políticos e para impulsionar a violência (ele sabe que essas mortes não estão ligados a Kibaki!).

Olhe para o seu discurso logo após a morte de Were:

** A hipérbole de Raila: “Um Raila emocionado alogiou o MP morto, afirmando que a sua vida e sangue não caíriam em vão. “Seu sangue regará a árvore de libertação… vamos andando erguidos e mais fortes, vamos plantar uma bandeira no topo da montanha para lembrá-lo… Were será lembrado… vamos lembrar de você, irmão”. Negros, por favor, por favor.

Raila e Ruto decidiram que, caso não obtenham o poder, vão mergulhar o país no caos (mas, é claro, eles não vão aos combates; elas terão outros para lutar no lugar deles). Creio que Kibaki foi aconselhado a esquecer a negociação com estes dois criminosos. Devem lutar até o fim e derrubá-los (com a última golpe reservado para William Ruto).

Siasa duni se ofecerece para demonstrar como o presidente Kibaki roubou nas eleições e traça um paralelo entre Kibaki e o governo de Bush:

The events also have deeply unsettled the Bush administration, which has relied on Kenya as an ally in the war on terror and a bulwark of stability in East Africa. Official results gave Kibaki an edge of 231,728 votes, or 2 percent, out of about 10 million cast. Initial results of an exit poll by the U.S.-funded International Republican Institute found that Raila Odinga had won by an 8 percent margin. Election officials allowed five accredited Kenyan observers into the tallying centre only in the final phase of vote-counting, and three of them shared their accounts: all said that the gravest cheating occurred in that room, where commissioners—all appointed by Kibaki— compiled returns before announcing them to the public.

Os eventos também atingiram profundamente a administração Bush, que tem confiado no Quênia como um aliado na guerra contra o terror e como um baluarte da estabilidade na África Oriental. Os resultados oficiais deram a Kibaki uma vantagem de 231.728 votos, ou 2 por cento, de um total de cerca de 10 milhões de eleitores. Os primeiros resultados de uma sondagem do Instituto Republicano Internacional, financiado pelos EUA, constatou que Raila Odinga havia vencido por uma margem 8 por cento. Funcionários da eleição autorizaram cinco observadores quenianos credenciados na central de contagem, apenas na fase final da contagem dos votos, e três deles compartilharam suas impressões: todos disseram que a mais grave das fraudes ocorrereu em sala, onde comissários – todos nomeados por Kibaki – compilaram o resultado antes de anunciá-los ao público.

[Todos os links levam a sites em inglês]

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.