Gianmarco Catacchio

Sou Italiano, mas vivo em Portugal há alguns anos. Tirei em Lisboa o mestrado em Estudos Comparatistas e especializei-me em música, literatura e cultura brasileira. Trabalho como tradutor freelance e decidi participar no projeto de Global Voices, por ser um instrumento valioso para conhecer e explorar a realidade que nos rodeia a partir de pontos de vista menos comuns e mais independentes.

Email Gianmarco Catacchio

Últimos posts por Gianmarco Catacchio

A visão de um jornalista britânico sobre os cem anos de ‘guerra às drogas’

"Acredito que o que fizemos à América Latina foi terrível até o extremo inimaginável, mas isto pode acabar. A alternativa existe," diz o jornalista Johann Hari.

Jornalista britânico diz que o mundo deve desculpas à América Latina pela “guerra contra as drogas”

Nesta entrevista, publicada em duas partes, Estefanía Sepúlveda Portilla entrevista Johann Hari para a coletiva de mídia do site chileno Pousta. Nela são discutidas e desconstruídas as bases do conflito conhecido como a "guerra contra as drogas"

As mudanças climáticas continuaram a mostrar a sua face horrenda em 2015

Pessoas em todo o mundo foram afetadas por eventos climáticos extremos em 2015, o ano mais quente alguma vez registado.

A assustadora politização do teatro, cinema e meios de comunicação públicos na Polónia

A censura de uma peça do prémio Nobel da Literatura, Elfriede Jelinek, chama a atenção para as dificuldades enfrentadas pela arte financiada pelo estado na Polónia.

Uma arquiteta americana está a ajudar o Brasil a preservar a memória do tráfico de escravos

O cais onde no Rio desembarcavam pessoas escravizadas no século 19 foi recentemente trazido à luz e Sara Zewde projetou um memorial sobre o passado trágico do bairro.

O WhatsApp está de volta no Brasil. Mas por que foi bloqueado no primeiro lugar?

A juiza que deu a ordem baseou a sua decisão numa disposição do Marco Civil, a carta dos direitos da Internet no Brasil.

Os passos na travessia

”Os mares não são só os cemitérios dos nossos corpos . . . mas também das nossas memórias — das nossas fotos e pertences, e de todas as pequenas coisas que trouxemos connosco para nos lembrar de casa".