Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Egito: Meu nome era Khaled e eu não era um Terrorista

Foto por Mourid Barghouti

Manifestações e raiva continuam no Egito após a morte de um jovem egípcio, alegadamente às mãos da polícia. A raiva na rua é evidente na web, onde o jornalismo cidadão fala.

Meu nome era Khaled e eu não era um  Terrorista é o nome de uma nova página no Facebook condenando a tortura policial e o uso da Lei de Emergência para aterrorizar os cidadãos. “A lei de emergência é um instrumento nas mãos do poder executivo para passar por cima de muitos direitos fundamentais e da liberdade garantida pela Constituição egípcia”, explica a Federação Internacional para os Direitos Humanos. A morte de Khaled Said enfureceu muitos egípcios, que saíram em manifestações protestando contra seu assassinato brutal; a Anistia Internacional pediu ao governo egípcio para investigar o assassinato do jovem; e o governo alegou que ele era um criminoso.

O assassinato de Khaled é resumido novamente na página do Facebook:

The story began on 7th June 2010 when Khaled Saeed went to his usual Internet cafe in Sidigaber – Alexandria Egypt.

Then two wild detective cops – Mahmoud Alfallah and Awaad Elmokhber/the detective – ambushed that cafe asking people for their IDs which is totally out of their authority and without legal permission He – Khaled – did reject that way of inhumane treatment and conequently was attacked so viciously, was kicked in his chest and belly severely, and his skull was smashed with the marble bar before all people and witnesses in the cafe while khaled was bleeding. Then savage cops abducted khaled and put him inside the police vehicle to continue torturing him to death in the police station. Finally, they had thrown his corpse in the street to claim that he was attacked by some strangers in order to avoid responsibility.

All of this is a result for the oppression system that Mubarak control Egypt under emergency law which gives the police the upper hands to treat the residents as slaves.

A história começou em 07 de junho de 2010, quando Khaled Saeed foi para o seu habitual Internet café em Sidigaber – Alexandria, Egito.

Em seguida, dois selvagens policiais-detetives – Mahmoud Alfallah e Awaad Elmokhber / o detetive –  emboscaram o café pedindo às pessoas suas identidades, o que está totalmente fora de sua autoridade e sem autorização legal. Ele – Khaled – rejeitou essa forma de tratamento desumano e conequentemente foi atacado perversamente, foi severamente chutado no peito e na barriga, e seu crânio foi esmagado no balcão de mármore ante todas as pessoas e testemunhas no café enquanto Khaled estava sangrando. Então os selvagem policiais sequestraram Khaled e o colocaram dentro do veículo policial para continuar a torturá-lo até a morte na delegacia. Finalmente, eles jogaram o cadáver na rua para alegar que ele havia sido atacado por alguns estranhos, a fim de evitar a responsabilidade.

Tudo isso é o resultado para o sistema de opressão que Mubarak controla o Egito sob a lei de emergência que dá à polícia a permissão para tratar os moradores como escravos.

Shadowy acrescenta:

Eyewitnesses –cyber café clients and street pedestrians- asserted that the whole beat thing had carried on constantly for 20 minutes, and had been executed in full view of everyone, accompanied by Khaled´s screams, tears, and cries for help.

Another witness, Mahmoud Ali, reported that the two policemen had taken the victim´s body to “Seidy Gaber” police station, and brought it back 15 minutes later to the crime scene, and called an ambulance in order for them to get away with their crime.

Khaled´s brother certified to “Shorouk Newspaper” that Khaled had never been detained that particular night in any police station or elsewhere, and that he was very well-behaved, well-liked, and admired by his neighbors and friends. He also mentioned that he´s from a virtuous family, whose sons aren´t prison birds. “As soon as I had heard the police station´s conviction of my brother, I headed straight for the American Embassy and informed them of the incident, since I´m American citizen; I thought my American passport would safeguard me, in lieu of the Egyptian one, which is the main reason for his holder´s dishonor” He added.

The victim´s attorney, Waleed Saeed, had filed a complaint to the public prosecutor, accusing the two policemen of beating and torturing Khaled to death, and dragging his corpse all the way to the police station.

Who could have ever thought that the price Khaled would pay for asking “why” his basic rights were violated was going to be his life?! Well, as it turns out, this is the case under emergency law; every Egyptian should think twice, before he goes too far and decides stand up for his civil rights, assuming he is Martin Luther King of his age.

Testemunhas – clientes do cyber-café e pedestres – afirmaram que a coisa toda do espancamento aconteceu sem parar por 20 minutos, e ele [Khaled] foi executado em plena vista de todos, acompanhado pelos gritos de Khaled, lágrimas e gritos de socorro.

Outra testemunha, Ali Mahmoud, informou que os dois policiais haviam levado o corpo da vítima para a delegacia de “Seidy Gaber”, e [os policiais] trouxeram [o corpo] de volta à cena do crime 15 minutos depois, e chamaram uma ambulância, a fim de fugir com seus crimes.

O irmão de Khaled confirmou ao jornal “Shorouk” que Khaled nunca tinha sido detido [até] aquela noite em particular em qualquer delegacia ou em outro lugar, e que ele era muito bem-comportado, as pessoas gostavam dele e [ele era] admirado por seus vizinhos e amigos. Ele também mencionou que ele vem de uma família virtuosa, cujos filhos não são comumente presos. “Assim que eu ouvi sobre a prisão do meu irmão na delegacia de polícia , fui direto para a embaixada americana e os informei sobre o incidente, já que eu sou cidadão americano, eu pensei que meu passaporte americano iria me proteger, em vez de o egípcio, que é a principal razão para desonrar o seu titular “, acrescentou.

O advogado da vítima, Waleed Saeed, tinha apresentado uma queixa ao Ministério Público, acusando os dois policiais de espancar e torturar Khaled até a morte, e de arrastar o cadáver todo o caminho até a delegacia.

Quem poderia ter pensado que o preço que Khaled pagaria para perguntar “por que” seus direitos fundamentais foram violados ia ser a sua vida?! Bem, como se vê, este é o caso sob a lei de emergência; todos os egípcios deveriam pensar duas vezes, antes que ele vá longe demais e decida lutar por seus direitos civis, assumindo que ele é o Martin Luther King de sua idade.

Traveller Within destacou como a polícia tratou a cena do crime

Policemen subsequently returned to the scene in search of any recording devices or phones that could’ve reported the incident. They failed however to prevent the news from being covered and widely shared via Twitter and other social media tools, which detailed accounts of the events, shared photos of the deceased before and after his death, and began to organize for demonstrations and civil actions to bring the alleged perpetrators to justice and to protest the use of Emergency law, in place since 1981 and extended just last month for a further 2 years, with the explicit declaration by the state that it would only be used “in cases of terrorism and drug trafficking”.

Os Policiais posteriormente retornaram à cena em busca de todos os dispositivos de gravação ou de telefones que poderiam ter relatado o incidente. Eles não conseguiram, no entanto, impedir a notícia de ser coberta e amplamente compartilhada via Twitter e outras ferramentas de mídia social, que detalharam os acontecimentos; fotos do morto antes e depois da sua morte foram compartilhadas, e [o povo] começou a se organizar para manifestações e ações civis para trazer os alegados autores à justiça e para protestar contra o uso da lei de emergência, em vigor desde 1981 e prorrogada no mês passado por um período de dois anos, com a declaração explícita por parte do Estado de que seria usada apenas “em casos de terrorismo e tráfico de drogas “.

Foto por Sarah Carr

Will E. compareceu à demonstração de 13 de junho e deu o seguinte depoimento:

Upon my arrival I was pulled by the shirt and threatened to be arrested and was about to be if the policemen weren't busy dragging two other guys to the police truck, but that's an insignificant event in the scheme of things. I have to make it clear that I hadn’t uttered a word when I had first arrived and that I was addressed with the most impolite names and a very disrespectful manner. I was threatened that I would be ‘taken’, anyone that was in the area would be ‘taken’, the policeman said before starting to drag me.
The two that were dragged upon my arrival happened to be in the area outside the perimeter. The police routinely confiscated cameras, and deleted all videos and images. To the best of my knowledge some cameras were given back and I cannot bear witness to the fate of the cameras. The policemen were all over the buildings and whenever chants would start, they'd give them a few minutes and then charge them.
A few people were injured, one of our friends was taken to a hospital, another person fleeing a charge from the police fell on his head and his face was covered in blood. They put him in a cab with what looked like a security person but I don’t know where he was taken.
There was fear in the air, fear of expressing any opinion in the protest, those officially surrounded had their view blocked by the men in black (amn markazy). For the police themselves it was business as usual, they didn’t care what was chanted, or who they were abusing.
Após a minha chegada, fui puxado pela camisa e ameaçado de ser preso e estava prestes a ser se os policiais não estivessem ocupados arrastando outros dois rapazes para o caminhão da polícia, mas isso é um evento insignificante no esquema das coisas. Eu tenho que deixar claro que eu não havia dito uma palavra quando eu cheguei e que fui chamado dos nomes mais grosseiros e de forma muito desrespeitosa. Fui ameaçado de que poderia ser “levado”, qualquer um que estava na área seria “levado”, disse o policial antes de começar a me arrastar.
Os dois que foram arrastados após a minha chegada aconteceu de estarem na área fora do perímetro. A polícia, como de rotina, confiscou as câmeras e apagou todos os vídeos e imagens. Ao melhor de meu conhecimento, algumas câmeras foram devolvidos e não posso dar testemunho do destino das câmeras. Os policiais estavam  todos ao longo dos edifícios e em qualquer lugar em que cantos [de protesto] poderiam começar, eles [os policiais] lhes davam alguns minutos e depois avançava contra eles [os manifestantes].
Algumas pessoas ficaram feridas, um dos nossos amigos foi levado a um hospital, uma outra pessoa que fugiu de uma carga da polícia caiu de cabeça e seu rosto estava coberto de sangue. Eles o colocaram em um táxi com o que parecia ser uma pessoa de segurança, mas não sei para onde ele foi levado.
Havia medo no ar, o medo de expressar qualquer opinião no protesto, aqueles oficialmente cercados tinham sua visão bloqueada pelos homens de preto (amn markazy). Para a polícia em si [o protesto] era um negócio usual, a eles não importa o que fosse cantado, ou quem eles estavam abusando.

The Traveller Within postou vídeos, fotos, clips ao vivo, e escreveu:

There were several demonstrations across Cairo yesterday, demanding justice for Khaled Mohamed Said and for his assassins to be judged – all the way up to the Minister of Interior, Habib El Adly. As one of the slogans chanted said–
“If that were Israel (or anywhere else, for that matter), El Adly's head would be gone”

Not in Egypt. Not when, as, once again, people chanted, the main purpose of the Police's existence is to protect the regime from the people.

Houve várias manifestações no Cairo ontem exigindo justiça para Khaled Mohamed Said e para que seus assassinos serem julgados – todo o caminho até o ministro do Interior, Habib El Adly. Como um dos slogans cantados disse: “Se fosse em Israel (ou em qualquer outro lugar, para dizer a verdade), a cabeça El Adly teria caído”Não no Egito. Nem quando, como mais uma vez, as pessoas gritavam, a finalidade principal da existência da polícia é para proteger o regime das pessoas.

Do protesto, Zeinobia escreveu:

The best photo I found for the protest was this photo from Assad.
Also here is another photo from Affet
I do not know how the regime dares and opens its mouth in front of the photos showing the brutality of the police against peaceful protesters.Just see the videos and slide shows below to understand what I mean.

A melhor foto que encontrei para o protesto foi esta foto de Assad.
Também aqui uma outra foto, de Affet
Eu não sei como o regime ousa e abre a sua boca na frente das fotos mostrando a brutalidade da polícia contra os manifestantes pacíficos. Apenas veja os vídeos e slides mostrados abaixo para entender o que eu quero dizer.

A blogueira e jornalista Sarah Carr também foi uma testemunha do Governo dos Javalis [fotos detalhadas]

More blundering, crass stupidity from the police yesterday, as they responded to demonstrators protesting police violence with violence, again.

Some 150 people assembled in Lazoghly Square – home of a state security headquarters – at 5 p.m. This number quickly grew as protestors prevented from gathering outside the main gate of the Interior Ministry – as had originally been planned – converged on the square. They managed to circle the square twice before the police were able to get their shit together. The usual black cordon of cannon fodder was quickly formed and we were hermetically sealed in.
We were well and truly kettled.

Mais estupidez, grosseria desajeitada da polícia ontem, enquanto eles respondiam aos manifestantes que protestavam contra a violência policial com violência, mais uma vez.

Cerca de 150 pessoas reunidas na Praça Lazoghly – sede de uma central de segurança do Estado – às 17:00. Esse número cresceu rapidamente com os manifestantes sendo impedidos de se reunir fora da entrada principal do Ministério do Interior – como tinha sido inicialmente previsto – convergiram na praça. Eles conseguiram dar a volta na praça duas vezes antes de a polícia ser capaz de organizar sua tropa. O usual cordão preto de buchas de canhão foi rapidamente formado e nós estávamos hermeticamente fechados.
Estávamos bem e verdadeiramente sitiados.

Amr Salama postou mais fotos do protesto aqui.
Kareem El Beheiry postou vídeos vídeos da repressão policial e das agressões aos manifestantes aqui.

Então porque Khaled realmente morreu? Tabula Gaza respondeu:

Over the past few months I have been working on a video project about torture, so when I heard about the public beating and murder of 28-year old Khaled Sayed Thursday night it came as no surprise. According to blogger Mfatta7, Khaled had either filmed or obtained a video that reveals a number of police officers involved in a drug deal. This is the video provided by his sister [exposing police corruption and a drug dealing incident]

Ao longo dos últimos meses tenho trabalhado em um projeto de vídeo sobre tortura, então quando eu ouvi sobre o espancamento público e assassinato de Khaled Sayed, de 28 anos, na quinta-feira, não foi nenhuma surpresa. De acordo com o blogueiro Mfatta7, Khaled ou tinha filmado ou obtido um vídeo que revelava um número de policiais envolvidos em uma transação de drogas. Este é o vídeo fornecido por sua irmã [expondo a corrupção policial e um incidente com o tráfico de drogas]

Amr Salama anotou a conversa no vídeo

انتشر صباح اليوم السبت أحد مقاطع الفيديو الحديثة التي أثارت جدلاً واسعاً في قضية مقتل الشاب “خالد محمد سعيد” بين مجموعة كبيرة من المدونين ونشطاء الإنترنت المصريين، حيث أكد ناشروا هذا الفيديو أنه كان السبب الرئيسي وراء حادثة التعذيب التي تعرض شهيد الطوارئ وأفضت إلي وفاته علي حد تعبيرهم، ويظهر هذا الفيديو المصور داخل أحد المكاتب الذي يعتقد أنه مكتب مباحث قسم شرطة ضابط ومعاونوه الذين يرتدي بعضهم الملابس العسكرية المميزة لأمناء الشرطة، وهم يقومون بتقسيم كمية من الأحزار المضبوطة في أحد القضايا والمكونة من 80 كيلو من مخدر الحشيش وبعض النقود، وذلك تمهيداً لتحديد الكمية التي سيتم تسلميها إلي النيابة ضمن أحراز القضية والكمية الأخري التي سوف يتم تقسيمها فيما بينهم بحسب الرواية المذكورة من قبل ناشري هذا الفيديو، كما يسمع في هذا الفيديو صوت لأحد الموجودين وهو يقول”لزوم المزاج”، وصوت أخر يقول”مبروك عليك يا باشا” موجهاً حديثه إلي الضابط الذي يرد عليه عارضاً أخذ قطعة من الحشيش فيرفضها.
Clips de uma gravação de vídeo recente foram amplamente partilhados e divulgados na Internet entre os usuários e ativistas. Os clipes foram diretamente relacionados com o assassinato de Khaled Said. O vídeo mostra um oficial de polícia e seus auxiliares em um escritório onde eles estavam dividindo 80 kg de drogas entre si. Você pode ouvi-los comentando, dizendo: “para ficarem altos” e felicitando o patrão.

Sandmonkey escreveu:

When the story went out, and people saw the pictures, they were of course enraged. About a 1000 people gathered after the Friday prayers to protest in front of the police stations, and there are plans to do sit ins and demos this entire week, demanding that people take action, before they become the next Khaled. The Ministery of Interior swiftly responded, by stating that Khaled was a criminal and a womanizer and a drug dealer and responsible for 9/11, and that he died from Asphysxiation, and the picture is simply after his body was diagnosed by the Coroner. And that really, really, we should be glad that such a menace to society at large is not with us anymore.

Quando a história saiu e as pessoas viram as fotos, elas ficaram naturalmente furiosas. Cerca de 1000 pessoas se reuniram depois das orações de sexta-feira para protestar em frente das delegacias, e há planos para se fazerem sit ins [espécie de manifestação onde as pessoas pacificamente se sentam no chão] e demonstrações por toda esta semana, exigindo que as pessoas ajam, antes de se tornarem o próximo Khaled. O Ministério do Interior respondeu prontamente, afirmando que Khaled era um criminoso, um mulherengo, um traficante de drogas e responsável por 11/09, e que ele morreu de asfixia, e a foto é simplesmente depois de seu corpo  ser autopsiado pelo médico legista. E que, realmente, realmente, devemos estar contentes que tal ameaça para a sociedade em geral não está mais entre nós.

No dia 12 de Junho de 2010, o departamento de mídia e relações públicas do ministério egípcio do interior emitiu um comunicado negando o teor dos depoimentos das testemunhas, bem como os relatórios de organizações de direitos humanos sobre a morte de Khaled Said, em Alexandria, acusando aquelas declarações de imprecisão, falsificação flagrante, e de cruzar a linha na divulgação de mentiras e etc. e Tabula Gaza compartilhou a declaração oficial do Centro Al Nadeem [declaração na íntegra aqui]

The MOI [Ministry Of Interior] statement then concluded that it will not “back down no matter how much the allegations”. Nor shall we, no matter how much MOI spread their lies and terror. We shall continue to expose crimes of torture, reach out for the victims, provide legal, psychological and media support as well as all other forms of support until the torturers are brought to justice.. As long as there is no public apology.. as long as there is torture.. as long as the perpetrators are not brought to justice.. we shall not back down

A declaração do MOI [Ministério do Interior] depois concluiu que ele não “recuará, não importa o quanto sejam as alegações”. Nem vamos nós [recuar], não importa o quanto MOI espalhe suas mentiras e terror. Vamos continuar a denunciar os crimes de tortura, chegar às vítimas, prestar apoio jurídico, psicológico e de mídia, bem como todas as outras formas de apoio até que os torturadores sejam levados à justiça .. Enquanto não há nenhum pedido de desculpas público .. enquanto houver tortura .. enquanto os autores não são levados à justiça .. não vamos recuar

Limpando a imagem de Khaled, Zeinobia escreve:

The people are very angry in Alex especially in Sidi Gaber with the false reports about Khalid that led his friend and journalist Bahaa El-Tawil to write an Op-ed about late Khalid , the other Khalid the MOI did not know who refused to leave this county because he loves this country !! The other Khalid who did not escape from his military service as the MOI has claimed , the other Khalid who did not smoke a cigarette.

As pessoas estão muito irritados em Alex[andria] especialmente em Sidi Gaber com os relatórios falsos sobre o Khalid que levou o seu amigo e jornalista Bahaa El-Tawil a escrever um artigo de opinião sobre o finado Khalid, o outro Khalid que o  MOI não conhecia e que se recusou a deixar este país, porque ele ama esse país! O outro Khalid que não escapou de seu serviço militar, como o MOI alegou, o outro Khalid que não fumou um cigarro.

Ela também postou um vídeo dos vizinhos de Khalid o defendendo e o testemunho do dono do cyber-café.

E mesmo se Khaled fosse um “maconheiro”, um delinquente sexual ou um terrorista como o Ministério do Interior alegou, Zeinobia se pergunta:

Do the police plain clothed agents have the right to search other citizens !!?? If No – which is the answer – then why they were searching the people !!??
Was there an official investigation warrant issued to search anyone in that street!!??
How did those agents know that Khalid was a dangerous con !!??
If we believe the MOI statement, shall we wonder how Khalid knew that the two men walking in the street in plain clothes were actually police agents !!??

Os policiais vestidos a paisana tem direito de revistar outros cidadãos!? Se não – que é a resposta -, então por que eles estavam revistando o povo!?
Havia um mandado de inquérito oficial emitido para revistar qualquer um na rua!?
Como é que os agentes sabiam que Khalid era um criminoso perigoso!?
Se nós acreditamos na declaração do MOI, vamos nos perguntar como Khalid sabia que os dois homens andando na rua à paisana eram realmente agentes da polícia!?

Sandmonkey conclui seu post dizendo:

Egypt likes to refer to itself as the land of Security and Safety. Please note that we always put the word Security first. We like to think we are safe, that we are better than those evil western countries, where a woman is raped every 48 seconds or whatever, but we are not. We are not Safe. None of us is. Not n this country, not in this world. Any one of us could lose that spark of life at any minute, and the lucky ones get it quickly and painlessly. The unlucky ones suffer. The really unlucky ones end up like Khaled.

O Egito gosta de se referir a si mesmo como a terra da segurança e da proteção. Por favor note que colocamos sempre a palavra Segurança primeiro. Gostamos de pensar que estamos seguros, que somos melhores do que os países ocidentais do mal, onde uma mulher é estuprada a cada 48 segundos, ou qualquer outra coisa, mas não somos. Nós não estamos seguros. Nenhum de nós está. Não neste país, não neste mundo. Qualquer um de nós poderia perder aquela centelha de vida a qualquer momento, e os sortudos conseguem rapidamente e sem sofrimento. Os azarados sofrem. Os realmente azarados acabam como Khaled.

3 comentários

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.