Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Turquia: Podem as relações Turco-Israelenses serem reconstruídas?

Enquanto o mundo assistia os acontecimentos que ocorriam à bordo da “Flotilha da Liberdade para Gaza” comandada pela Turquia, [o mundo] também presenciava o deterioramento das relações políticas entre os governos da turquia e de Israel. A raiva contra o governo israelense é palpável na Turquia, e os ativistas que regressam recebem saudações dos funcionários em meio à comemorações e saudações de heróis. Como podemos avaliar a repercussão desses eventos na Turquia, a pergunta deve ser feita: é possível reconstruir as relações turco-israelense?

Uma Extensão da Política Externa Turca

Israeli flags were burned in Istanbul, tens of thousands of Israeli tourists cancelled Turkish holiday reservations and a lawyer attempted to punch an Israeli cyclist off his bike today, as relations between the erstwhile allies plunged to depths not seen in decades.

Bandeiras israelenses foram queimadas em Istambul, dezenas de milhares de turistas israelenses cancelaram suas reservas na Turquia para o feriado e um advogado tentou dar um soco e derrubar um ciclista israelense de sua bicicleta hoje, à medida em que as relações entre os antigos aliados caíam à profundidades não vistas em décadas

escreve James in Turkey [James na Turquia]. O sentimento público turco e o apóio ao povo de Gaza se intensifica, como se note neste tuíte do jornalista freelance Fredericke Geerdink:

flag seller #üsküdar used to sell only turkish flags, with or without portrait of atatürk. now he sells palestinian flags too. #turkey

O vendedor de bandeiras #üsküdar vendía somente bandeiras turcas, com ou sem o retrato de Atatürk. Agora vende bandeiras palestinas também. #turquia

É importante notar que a Flotilha da Liberdade para Gaza não era patrocinada pelo governo turco, mas o ataque à flotilha se converteu agora em um tema de importãncia nacional. Istanbul Calling explica a relação entre a flotilha conduzida por cidadãos e seus efeitos na política exterior turca:

Clearly, this rupture between Turkey and Israel has been long coming. As I've written before, Turkey has, for the last few years, pegged its relations with Israel to what happens on the Palestinian front (or, more specifically, on the Gaza front). Although technically not a bilateral issue between the two countries, the situation in Gaza has, in many ways, become the issue that defines the current relations between Israel and Turkey. In that sense, although the Gaza aid flotilla was organized by a Turkish NGO (the Islamist IHH) and was not sponsored by the Turkish government, it acted as a proxy for Turkish policy.

Claramente, esta ruptura entre Turquia e Israel vem de muito tempo atrás. Se escrevi antes, durante os últimos anos, a Turquia tem vinculado suas relações com Israel com o que se passa no front Palestino (ou, mais especificamente, em Gaza). Ainda que, tecnicamente não seja um tema bilateral entre os dois países, de muitas maneiras, a situação em Gaza se converteu no tema que define as relações atuais entre Israel e Turquia. NEste sentido, ainda que a flotilha de ajuda a Gaza tenha sido organizada por uma ONG turca (a islâmica IHH) e não tenha sido patrocinada pelo governo turco, atuou como um agente da política turca.

De fato, uma variedade de blogueiros e twitteiros turcos pediram ao governo turco que intervenha fisicamente e que envie a marinha turca para proteger a flotilha, como [se vê] neste tuíte de  Talk Turkey:

Why not Turkey send the Turkish Navy to protect the remaining ships traveling toward Gaza right now…

Porque a Turquia não manda a Marinha turca para proteger os navios remanescentes viajando até Gaza neste momento?

Questionamento de Intenções

Houveram significativas reações à percebida falta de justificativa para a agressão istaelense sobre a flotilha. De acordo com o Istanbullian:

There was no justification for the use of firearms against them. Especially on international waters… Facing knives and slingshots don't justify shooting on civilians, killing even sleeping people. Israeli forces should have waited until those ships are in Gaza waters. Then they should have forced the ships to reroute without boarding them. What Israel has done is definitely against international law and Turkey can easily win a case in international courts.

Não houve justificativa para o uso de armas de fogo contra eles. Especialmente em águas internacionais… Entrentar facas e estilingues não justifica atirar em civis, matando até mesmo pessoas dormindo. As forças israelenses deveriam ter esperado até que os barcos estivessem nas águas de Gaza. Então eles deveria ter forçado os barcos a modificar sua rota sem abordá-los. O que Israel fez é definitivamente contra ao direito internacional e a Turquia pode facilmente ganhar um caso em cortes internacionais.

Idilx nota o seguinte no Twitter:

Well then I guess #Israel set a precedent here. We are now allowed to shoot onto anything that we believe is smuggling arms. #flotilla

Bom, então creio que #Israel tenha criado um precedente aqui. Agora temos permissão para atirar em qualquer coisa que acreditemos estar traficando armas. #Flotilla

She acrescenta:

Oooo an icecream van.. BANG BANG. Oooo a 4 year old with a bulge in his pants.. HE MUST HAVE A GUN.. bang! Idjits. #Gaza #Flotilla #Israil

Ooooh um caminhão de sorteves… BANG BANG. Ooooh uma criança de 4 anos com um volume em suas canças. ELEDEVE TER UMA ARMA.. bang! Idjits. #Gaza #Flotilla #Israel

Alguns tuiteiros questionaram as reações (e possíveis reações futuras) do governo turco frente ao incidente da flotilha, de Talk Turkey:

Turkey to declare war against Israel? … Not far fetched … All of this is part of a bigger ‘script’

A Turquia vai declarar guerra contra Israel? …Não é um disparate …Tudo isto é parte de um “script” maior

E este é de fgeerdink:

turkish friend: ‘erdogan just orchestred this whole #flotilla thing to increase his popularity again’ he's serious #conspiracytheory #turkey

Amigo turco: “Erdogan acaba de maquinar todo este assunto da #flotilla para aumentar sua popularidade de novo”.  É sério uma #teoriadaconspiração #turquia

Seja como for, a deterioração das relações também trazem questões de segurança, de Idilx:

Is #Turkey becoming a dangerous place for Jewish Turks? It seems that racists are everywhere and their idiocy is endless. So easily fueled.

A Turquia está se convertendo em um lugar perigoso para Judeus Turcos? Parece que os racistas estão por todo lado e sua idiotez não tem limites. Tão facilmente atiçados.

Somente o tempo dirá o que acontecerá com as relações entre Turquia e Israel. A última palavra neste post vai para o blogueiro e colunista The White Path [O Caminho Branco] que descreve as diferenças entre a filosofia turca e a filosofia israelense:

When I asked that question to an Israeli hawk some years ago, I received a very revealing response: “Might,” he said, “makes right.” Well, that might be a popular belief in Tel Aviv and Occupied Jerusalem, but not here in Istanbul. In fact our creed tells us that the exact opposite is true: Right, sooner or later, makes might.
The hundreds of heroes who sailed to Gaza last weekend had this faith in their hearts. Here in Turkey, 70 million more stand by them. We mourn for our fallen, but also know that they did not die in vain. Their sacrifice unveiled to the world not just the suffering of the innocents in the Gaza ghetto, but also the brutality of the rogue state that imposes it.
Read my lips: This spirit is really not going to die. We Turks will continue to stand for what is right, regardless of Israel's might. None of her lobbying, bullying or killing is going to change that.

Quando e fiz aquela pergunta a um israelense partidário da linha dura alguns anos atrás, recebi uma resposta muito reveladora: “Poder”, ele disse “dá a razão”. Bem, esta pode ser uma crença popular em Tel Aviv e na Jerusalém Ocupada, mas não aqui em Istambul. Na realidade, nossa crença nos diz que o oposto é correto: A razão, cedo ou tarde, dá o poder.
As centenas de heróis que navegaram a Gaza no fim de semana passado, tinham fé em seus corações. Aqui na Turquia, mais de 70 milhões estão do seu lado. Estamos de luto pelos nossos caídos, mas também sabemos que não morreram em vão. Seus sacrifícios revelaram ao mundo não somente o sofrimento de inocentes no gueto de Gaza, mas também a brutalidade do Estado pária que o impôe.
Leiam meus lábios: Este espírito não vai morrer. Nos turcos continuaremos a seguir do lado do que é correto, não importa o poder de Israel. Nenhum de seus grupos de pressão, intimidação ou assassinato vai mudar isso

2 comentários

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.