Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Afeganistão: Os problemas nem tão óbvios

Um dos mitos que prevalecem sobre o Afeganistão sob a ocupação ocidental é que a parte do norte do país – que antes era controlada pela Aliança Atlântica — é calma, assentada e em desenvolvimento. Para ver isso mais de perto, Afghanistanica [en] nos leva para Taloqan, capital da província de Takhar, que faz fronteira com o Tajiquistão:

The Institute for War and Peace Reporting just published an article on the “peace” in a recent article subtitled “For residents of the northern province of Takhar, there are worse things than the Taliban.” Apparently, the things that are worse than the Taliban are their local armed commanders and their elected representative.

O Instituto de Observação da Guerra e da Paz acabou de publicar um artigo sobre “paz” chamado “Para os residentes da província nortista de Takhar, existem duas coisas piores do que o Talibã” [en]. Ao que parece, as coisas que são piores do que o Talibã são os comandantes armados locais e os representantes eleitos.

Ele continua citando uma notícia sobre como o governo local, Piram Qul, que foi eleito e desfruta de bons relacionamentos com Cabul, rapta esposas de dissidentes, e ocasionalmente mata e estupra os filhos deles. É algo remanescente das milícias locais e e comandantes que um dia comandaram a área como parte da Aliança Atlântica. Quanto confrontado, Qul alegou que estava apenas perseguindo o Talibã e seus organizadores. Afghanistanica responde:

That’s right, Piram Qul is a brave Mujahid fighting against the Taliban and their local sympathizers, who, inexplicably, are ethnic Tajiks and Uzbeks…

I remember a story about some low-rent village mullah who supposedly started his rise to power by killing a local commander who was fond of raping the locals. He started some sort of group. What was it called? Oh yeah, I remember. It was called the “Taliban.”

Tá certo, Piram Qul é um bravo Mujahid lutando contra o Talibã e seus simpatizantes locais, que, inexplicavelmente, são da etnia de tadjiques e uzbeques.

Eu me lembro de uma história sobre o mulá ordinário de uma vila que supostamente começou a ganhar poder ao matar um comandante local que gostava de estrupar os moradores. Ele começou um tipo de grupo. Como isso se chama? Ah, sei, eu me lembro. Era chamado de “Talibã”.

Na verdade, o Talibã de fato não parece se importar muito com o norte, vendo como Taloqan estava mais perto que nunca da dominação completa do país. A corrupção à mostra no norte é, no entanto, um problema que acontece em todo o país. Mais ao sul, ao lesta entre Cabul e o Paquistão, o Talibã continua tão penetrante como sempre [en], e eles contam com nessa corrupção para conseguir o que querem:

So Al-Jazeera embeds a reporter with the 50 Talibs who roam around Kapisa (yup, Kapisa), buy guns from the National Police, and feel the love from the locals…

So the locals warmly greet 50 armed men? To be honest, if 50 well-armed soldiers walked up to my house I would greet them warmly as well, whatever their affiliation. NATO troops now understand this very well. I have heard numerous soldiers remark about the smiling villagers who are probably cooperating with the Taliban. And then there are the times where villagers “warmly greet” the Taliban and then gladly tell Captain America all about where the Talibs are hiding.

These village folks have both the hospitality and deception down to a fine art. It’s a survival tactic that has surely served them well for the last few hundred years or so.”

“Então Al-Jazeera infiltra um repórter com os 50 membros do talibã que circulam por Kapisa (sim, Kapisa), compra armas da Polícia Nacional, e sente a paixão dos locais…

Então os locais deram calorosas boas-vindas a 50 homens armados? Para falar a verdade, se 50 soldados bem armados entrassem na minha casa, eu daria boas-vindas a eles também, qualquer que fosse a filiação deles. Tropas da OTAN agora entendem isso muito bem. Eu ouvi falar de várias observações de soldados sobre os moradores risonhos das vilas que provavelmente estariam cooperando com o Talibã. E depois existem os momentos que que os moradores “dão calorosas boas-vindas” ao talibã e com toda a alegria contam ao Capitão América onde os talibães estão se escondendo.

Essa gente das vilas sabe bem a arte da hospitalidade e da trapaça. Trata-se de uma tática de sobrevivência que com certeza tem tido boa serventia há cem anos mais ou menos.”

No entanto, apontar para esses tipos de problemas fez com que o governador Governador Murad fosse despedido. Corrupção e favoritismo étnico é um problema sério: Fahim Khairy alega que o Mellat Afeganês, um poderoso partido nacionalista do Pachtun comandado pelo Ministro das Finanças Anwar ul-Haq Ahadi, não é nada menos do que uma missão de limpeza étnica [en]:

Anwar Ul-Haq Ahady, who heads the Afghan Mellat and current Finance Minister of Afghanistan, has been in a position to influence the Karzai administration in general as well as Karzai himself to take an increasingly blatant and adamant ethno-racist shift toward the ethnic domination of Afghanistan by the Pashtun people…

Though originally designated to highlight a specific range of Pashtuns, the idea of the Afghan Mellat has, over time, developed into a dangerous, over-encompassing ideal, a socio-political phenomenon that extends beyond an organized entity and no longer limited by the structural definitions of a political party. This Afghan Mellat mentality that is prevalent among Pashtuns defines their atrocious ideals and promotes their perceptions on the socio-political status of Afghanistan which has essentially proven to be hypocritical, diabolic, immoral, destructive as well as violent as depicted by its history.

Anwar Ul-Haq Ahady, que lidera o Mellat Afeganês e no momento Ministro das Finanças do Afeganistão, tem estado na posição de influenciar a administração de Karzai em geral, assim como a Karzai em si a tomar um rumo étnico-racial cada vez mais flagrante e incontrolável na direção de uma dominação étnica do Afeganistão pelo povo pachtun…

Embora originalmente designado para abranger especificamente o grupo pachtuns, a idéia do Mellat Afeganês, tem, com o tempo, se desenvolvido num ideal perigoso, super-abrangente, um fenômeno sócio-político que se estende além de uma entidade organizada e não mais limitado pelas definições estruturadas de um partido político. A mentalidade do Mellat Afeganês que prevalece entre os pachtuns define seus ideais cruéis e promove suas perspectivas sobre a situação política e social do Afeganistão, o que é comprovadamente de uma essência hipócrita, diabólica, imoral, destrutiva, assim como violenta, como mostra a sua história.

Essas são palavras duras. Eu não estou francamente na posição de intermediar uma disputa étnica como essa, mas a frustração que Khairy sente é certamente comum, e em propagação. Essa frustração não é limitada ao povo Afeganês; Ocidentais também ficam frustrados tanto com a vagarosidade quanto a quebra do progresso, até mesmo quando o apoio parece estar secando em casa. Um conselheiro policial em uma ronda em alguma parte do campo (ele não pode dizer onde, já que sua operação está em andamento), contou o seguinte episódio [en]:

I've sat in Shuras as the village elders pled their case, insisting that they hadn't seen any Taliban in months, only to have a citizen on the outer reaches of the circle stand up and throw the “bullshit flag,” recounting a recent event. That changed the song… it became, “What are we to do? They will kill us if we tell you anything about them.” Lying is an art form in Afghanistan. At times it seems as if everyone is lying about at least some part of what they are telling you. Even the estimates of enemy strength are basically lies…

There is a lot of work to do, and some of my counterparts on another PMT gave their lives recently while doing it. The entire team. When you are out there all alone and things go bad, they have a tendency to go horribly bad… there is still a war here. I think that we are winning the war, but we haven't won it yet.

Eu me sento para a consulta enquanto os idosos da vila se defendem, insistindo que eles não têm visto ninguém do talibã há meses, apenas para ver um cidadão do outro lado do círculo se levantando e jogando a “toalha de merda” ao recontar um evento recente. Aquele fato mudou a música… ela virou “O que é para a gente fazer? Eles nos matam se dissermos algo sobre eles”. Mentir é uma forma de arte no Afeganistão. Às vezes parece que todos estão mentindo sobre pelo menos uma parte do que eles estão contando a você. Mesmo as estimativas da força do inimigo são basicamente mentiras…

Tem muito trabalho a ser feito e alguns dos meus companheiros em outra missão perderam suas vidas enquanto a cumpriam. A equipe inteira. Quando você está lá sozinho e as coisas não vão bem, elas tendem a ir terrivelmente mal… Há uma guerra aqui. Eu acho que estamos numa batalha vencedora, mas não a vencemos ainda.

Infelizmente, parece que existe um movimento crescente para fazer retiradas ainda maiores de forças inúteis do Afeganistão. Peter Marton relata que na verdade não há dúvidas de que a retirada de tropas do Reino Unido no Iraque é um bom passo:

“In The Times Online Iain Duncan Smith (former Tory leader) has come up with an article telling readers: “Don't leave Iraq: Quit Afghanistan instead.” I have an instinctive answer to suggestions like that, but I actually kind of like that when someone takes up the challenge to try and, using rational arguments, convince me, as well as people in general, of something that seems wrong, in the sense of countering whatever is claimed to be self-evident at a point in time, and I admire those who then point to arguments I never would have thought of… to say that “It is strange that, at the moment General Petraeus is demonstrating that the surge in US forces is yielding results in Baghdad and beyond, the British seem to quit the field. It sends all the wrong signals to the insurgents and Iran,” well… I never knew Britain was fighting al-Qaida in Southern Iraq”

“No The Times Online Iain Duncan Smith (ex-líder do partido conservador) escreveu um artigo [en] dizendo aos leitores: “Não deixe o Iraque: Em vez disso, desista do Afeganistão”. Eu tenho uma resposta instintiva a sugestões como essa, mas eu na verdade meio que gosto quando alguém toma para si o desafio de tentar, usando argumentos lógicos, me convencer, assim como as outras pessoas em geral, que algo deve estar errado, no sentido de contar o que seja lá tido como evidente em um determinado período no tempo, e eu admiro aqueles que então levantam argumentos que eu nunca teria pensado… dizer que “É estranho que no momento em que o General Petraeus está demonstrando que o aumento das forças dos EUA está trazendo resultados em Bagdá e mais além, os britânicos parecem estar desistindo do território. Isso dá o recado errado aos insurgentes e ao Irã”, bem… Eu nunca pensei que a Grã-Bretanha estava lutando contra o al-Qaeda no Sul to Iraque”

Enquanto isso, no Canadá, tem um debate acirrado sobre se as tropas deles – que pegaram uma proporção em escala maior da luta [en] perto de Kandahar – deveriam ficar ou ir embora. Peter [en] destaca um dos comandantes militares que se aliou às forças canadenses, mas pode estar perdendo tempo se as preocupações políticas em casa forçarem os canadenses a evacuarem. Nas palavras dele:

it might be difficult to get people to decisively ally with you if your support to them hinges on by-elections in a small town they'll only have a chance to see in person if they persuade you to evacuate them and the surviving part of their family once you decide to leave their homeland behind.

será difícil conseguir fazer com as que pessoas decisivamente se aliem a você se o seu apóio a elas depende apenas em eleições paralelas em uma cidade pequena que eles só terão a oportunidade de ver por si se eles persuadirem você a retirar a eles e a parte sobrevivente de suas famílias assim que você decidir deixar a sua terra para trás.

Vixe. Mas os Estados Unidos também não têm a cabeça no lugar: seja por que está matando de fome a já enganada tropa de homens que eles precisam ou finalmente acordando para as desvantagens causadas pela guerra no Iraque, os americanos não parecem nem um pouco mais confiáveis que os europeus a essas alturas. O que é ruim de mais, já que o Afeganistão realmente merece a chance de suceder e brilhar além dos criminosos de baixo escalão que, pelo menos por enquanto, servem apenas para arrastar o país de volta à idade da pedra da qual ele tenta desesperadamente escapar.

(texto original de Joshua Foust)

 

O artigo acima é uma tradução de um artigo original publicado no Global Voices Online. Esta tradução foi feita por um dos voluntários da equipe de tradução do Global Voices em Português, com o objetivo de divulgar diferentes vozes, diferentes pontos de vista. Se você quiser ser um voluntário traduzindo textos para o GV em Português, clique aqui. Se quiser participar traduzindo textos para outras línguas, clique aqui.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.