Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Moçambique: Porque Cobrem as Mulheres a Face com Máscaras Tradicionais Mussiro?

Na costa e ilhas da região norte de Moçambique é comum depararmo-nos com mulheres com a face coberta por uma máscara branca natural chamada mussiro ou n’siro. O propósito do seu uso parece ter evoluído com o tempo. Hoje diz-se que o mussiro serve só para embelezar a pele, mas, segundo a tradição, no passado o uso das máscaras implicava outros significados mais subliminares relacionados com o estado civil das mulheres.

Enquanto alguns dos significados podem ter-se perdido com o evoluir da história, várias homenagens àquilo que alguns consideram ser uma das mais fortes imagens de marca do país têm sido feitas através da internet.

Matope José, do blog Mozmaníacos, escreve sobre a tradição do mussiro:

Woman in a mussiro mask. Photo by VHGU on Flickr (CC BY-NC-SA 2.0)

Foto de VHGU no Flickr (CC BY-NC-SA 2.0)

A província de Nampula é tradicionalmente conhecida como a terra das “muthiana orera” ou, simplesmente, meninas bonitas.
As mulheres daquela região do país possuem uma técnica que lhes é peculiar de tratar da pele, desde tenra idade, com recurso a uma espécie florestal bastante procurada, denominada mussiro, uma planta que consta da lista das que devem ser preservadas e multiplicadas e que, regra geral, são usadas pelas comunidades para cura de diversas enfermidades, bem como para fins decorativos.

Ibo Island. Photo by Rosino on Flickr (CC BY-SA 2.0)

Ilha do Ibo. Foto de Rosino no Flickr (CC BY-SA 2.0)

No seguinte vídeo, feito por Julio Silva, mulheres de Angoche contam como a tradição foi passada pelos avós, de geração em geração, e mostram ainda como é feita a extração do creme da planta que o origina, Olax dissitiflora, usando uma pedra e água:

É esta planta que nós usávamos na cara como mussiro. É como está a ver na minha cara, é esta planta.
Eu sou Fátima natural de Angoche. É este o mussiro. Nossas avós pintava primeiro uma pessoa quando era virgem. Depois entrava dentro de uma casa. Depois pintava este mussiro para ficar branca, até vir um namorado para namorar e casar-se com ela é que deixava mussiro. Só depois, para fazer assim este mussiro, depois uma pessoa quando está fora para ficar clara, para ficar bonita a cara. É este o mussiro. A planta está no mato. Nós costuma ir buscar nossos marido, o bisavô vão cortar e isto começa aí vender. Agora vou mostrar a maneira como se faz este mussiro.

Mozambique Island. Photo from Rosino on Flickr (CC BY-SA 2.0)

Ilha de Moçambique. Foto de Rosino no Flickr (CC BY-SA 2.0)

Um artigo na Revista Baía explica que hoje em dia a tradição de marcar o mussiro em mulheres virgens, ou naquelas cujos maridos estão ausentes, já não é o que era:

Actualmente, esta pasta está massificada e “liberalizada” para todas as mulheres do norte a sul do país podendo ser usada não só pela mulher makwa ou makonde, mas também a manhungue, machuabo, maronga, machope, matswa etc. É já considerado um tratamento de beleza usado por todas aquelas mulheres preocupadas de forma especial com a beleza feminine africana. Algumas estilistas apostam as suas modelos a usarem esta “pasta afro” nas grandes passarelas como é o caso de Mozambique Fashion Week.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.