Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Eleições 2019 em Moçambique

Eleições em Moçambique | Foto de Dércio Tsandzana, Maputo – usada com permissão

Passados 25 anos desde a realização das primeiras eleições multipartidárias do país, Moçambique vai pela sexta vez em sua história eleger o próximo presidente da república, pela quinta vez os 250 membros da Assembleia da República, e pela primeira vez governadores provinciais — cargo este actualmente nomeado pelo presidente.

Previstas para acontecer no dia 15 de Outubro, o escurtínio traz consigo alguns aspectos que iremos abordar nesta cobertura especial.

O actual presidente, Filipe Nyusi, busca a reeleição. Seu partido FRELIMO está no poder desde as primeiras eleições gerais. Já a RENAMO, maior partido da oposição, pela primeira vez disputará o pleito sem o seu líder histórico, Afonso Dhlakama, falecido em 2018 e sucedido por Ossufo Momade.

FRELIMO e RENAMO travaram 16 anos de guerra civil até 1992, ano em que as partes assinaram o acordo de paz que converteu o segundo em partido político. O acordo concedeu à RENAMO permissão para manter uma guarda armada para proteger o então líder Dhlakama.

Violência entre os dois partidos costumeiramente eclode após as eleições devido, em parte, à não-aceitação dos resultados pela RENAMO. Dois outros acordos já foram assinados desde 1992 — o primeiro em 2014, e o último em Agosto de 2019. Desta vez, no entanto, os termos foram veementemente rejeitados pela facção armada da RENAMO, que tampouco reconhece a liderança de Momade.

Enquanto isso, a chefe da bancada do partido Renamo veio a referir que o sucesso do último acordo de paz dependerá em grande medida das eleições de Outubro próximo:

(…) O sucesso deste Acordo vai depender da integridade, liberdade, justiça e transparência com que forem realizadas as próximas Eleições Gerais a terem lugar no dia 15 de Outubro de 2019.

(…) temos consciência de que há problemas de fundo que ainda não foram resolvidos. O recenseamento eleitoral que aconteceu foi uma autêntica fachada, uma farsa, que nos coloca dúvidas com relação as eleições que se avizinham…

Confira a nossa cobertura das eleições até agora:

Em ano de eleições, Moçambique debate ‘fake news’ e seus perigos

O que já se sabe sobre as próximas eleições gerais em Moçambique?

Papa Francisco visitará Moçambique durante campanha eleitoral

Última actualização: 5 de Setembro de 2019