Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Notícias de Curtas

Presidente de Moçambique conversa com internautas, mas só se dirige a quem lhe elogia

Em um país onde o menos de 5% da população têm acesso à internet, o Presidente de Moçambique acaba de adoptar uma nova forma de se comunicar com os cidadãos designada ”Pergunte ao Presidente”.

Filipe Nyusi é Chefe de Estado desde 2015 e chegou ao poder num momento em que o país enfrentava uma crise política marcada por um conflito militar entre o governo e o partido oposicionista RENAMO.

O governo de Nyusi agora lida com uma grave crise económica do país, desencadeada após a descoberta de um bilhão de dólares em dívidas ocultas contraídas pelo presidente anterior Armando Guebuza. Essas dívidas fizeram com que países doadores suspendessem a assistência financeira da qual Moçambique depende.

Em sua página do Facebook, Nyusi tem gravado vídeos tanto convidando os internautas a colocar questões quanto respondendo a comentários — mas apenas aqueles que lhe foram elogiosos.

Até agora, Nyusi gravou três vídeos respondendo aos internautas Meque Levi, Lara Chicha e Daudo Saide que elogiaram sua iniciativa bem como sua a governação.

Mas nos comentários também abundaram as críticas. Uma das questões levantadas foi sobre o escândalo das dívidas ocultas. Marcos Miony quis saber:

Até quando se espera o esclarecimento da dívida pública, que até no olhar dos cidadãos suspeita-se que a lentidão deriva do facto de uma das siglas ABCD possa pertencer a sua excelência!

Fatima Mimbire, do Centro de Integridade Pública, um instituto de pesquisa local que investiga corrupção, perguntou:

Senhor presidente, quando é que vamos ter uma auditoria aos projectos de exploração de recursos minerais no país, para assegurar que as empresas estão a pagar o que devem pagar ao Estado? Neste momento de crise há que apertar o cinto e isso implica que temos assegurar que todos pagam o que devem pagar ao Estado, em termos de impostos.

Lucas Chave questionou o Presidente sobre o alto custo de vida que assola os moçambicanos:

Excelência Sr. Presidente da República, espero ser a sua conta oficial da rede social, tenho uma preocupação muito pontual a colocar que merece uma atenção especial, falo sobre o custo de vida que levamos, ate quando o povo moçambicano vai se sentir aliviado? Preço dos produtos alimentares tende cada dia que passa a subir, para não falar dos impostos e serviços.

No mesmo diapasão, Cris Smart Ebenezer Malate perguntou:

A minha pergunta é simples: porquê é o Sr Presidente deixa o seu povo morrer a passos galopantes assim? o povo que o elegeu, a qual o Sr apelidou de patrão está a sofrer e muito. O preço de pão subiu, os produtos alimentares de primeira necessidade subiram, a EDM agravou as tarifas de energia, o chapa está prestes a subir. Será que o Sr Presidente se alegra pelo sofrimento do seu povo?

Valentim Victor, residente na Zambézia, província do centro do país, está preocupado com a qualidade das estradas:

Parabéns Excia, Moçambique já merecia um Presidente com esta humildade, interractividade com com o povo, mas gostaria de saber se existe um plano de reabilitar a estrada N1 em especial no troço Gorongosa-Caia? E se existe também um plano asfaltar o estrada Morrumbala-Zero?

Alguns internautas aguardam respostas às críticas, como Julião João Cumbane:

As perguntas e a crítica, ainda que sejam mal feitas e nos causem alguma irritação à primeira, são melhores que os elogios, porque nos obrigam a reflectir. Os elogios têm o seu valor, quando são genuínos, porque nos informam de que trilhamos um bom caminho. Mas nem sempre é possível distinguir um elogio genuíno de uma adulação. Já a crítica, mesmo que motivada por inveja, encerra sempre algo de bom. Eu valorizo mais a crítica e os questionamentos do que os elogios, porque com eles aprendo mais.

Parceiro do Global Voices, MigraMundo lança campanha para financiar novo site

migramundo

Um dos únicos blogs totalmente dedicados a cobrir migrações e refúgio no Brasil, o MigraMundo, que é parceiro de publicação do Global Voices, busca ajuda de parceiros e leitores para dar um novo passo: se transformar em site.

O objetivo é atender à demanda crescente de informação sobre esses temas, além de agregar novos serviços como tradução de textos para outros idiomas.

Para custear a empreitada, o blog lançou uma campanha junto à plataforma Eventos do Bem para arrecadar R$ 5000 (~1300 USD). O prazo vai até o dia 31 de outubro e apoiadores podem contribuir com qualquer quantia.

O blog MigraMundo está no ar desde outubro de 2012 e procura dar espaço a notícias e relatos sobre problemas vividos por migrantes dentro e fora do Brasil, mas também destaca avanços e reconhecimentos obtidos na questão migratória. O principal valor do blog é a defesa da migração como direito humano.

Considerado referência entre as pessoas envolvidas com o tema no Brasil, o MigraMundo também conta com reconhecimento internacional. Em maio de 2014, foi eleito o blog Favorito do Público em Português pelo The Bobs, premiação da Deutsche Welle para sites independentes que defendam a livre troca de ideias, a liberdade de expressão e os direitos humanos na internet.

 

Do Curdistão a Portugal: Caravana Feminista encerra travessia pela Europa

Sete meses depois do início da sua viagem, a Caravana Feminista entra na recta final da travessia pela Europa, ao chegar a Portugal, com paragens nas cidades do Porto, Coimbra e Lisboa. A iniciativa da Marcha Mundial das Mulheres partiu da província do Curdistão, no início de Março, com o intuito de estabelecer uma rede de solidariedade entre movimentos feministas de diferentes países e de chamar a atenção sobre as lutas pela igualdade de género.

Cartaz da Caravana Feminista em Portugal. Através do Facebook da Marcha Mundial das Mulheres é possível acompanhar as diferentes acções programadas.

Cartaz da Caravana Feminista em Portugal. Através do Facebook da Marcha Mundial das Mulheres é possível acompanhar as diferentes acções programadas.

No Porto, o Festival Feminista, a decorrer durante todo o mês de Outubro, organiza uma marcha contra a violência machista no dia 13, antecedida por uma instalação que denúncia os 44 femicídios que aconteceram em Portugal em 2014. No dia seguinte, a Caravana segue para Coimbra onde o foco é colocado nos Feminismos e Universidade. Estão previstas tertúlias, workshops, batucadas e acções de rua.

O culminar da viagem acontece em Lisboa, entre os dias 15 e 17, onde são esperadas activistas de mais de 20 países. Nos primeiros dias, haverá uma acção de solidariedade com as mulheres que têm sido alvo de despejos na Amadora (15.10), bem como uma série de oficinas, tertúlias e debates com o mote “Corpo e território” (16.10). Para o dia 17 está marcada a assembleia final da IV Acção da Marcha Mundial das Mulheres, e uma manifestação pelas ruas de Lisboa que terminará com música e festa.

 

 

 

Maputo vai acolher o primeiro fórum de Internet

Captura de Tela. Embaixada Suécia, Maputo

Captura de Tela. Embaixada Suécia, Maputo

A capital de Moçambique, Maputo, vai acolher no dia 8 de Outubro o primeiro fórum de Internet designado “Maputo Internet Forum”. Este é um evento que se enquadra no IV Fórum Mundial de Internet – “Stockholm Internet Forum” que vai reunir 450 participantes de todo o mundo de 20 a 21 de Outubro na Suécia.

O evento de Maputo pretende reunir o sector público, privado, da sociedade civil e das universidades, bem como diferentes actores da África Austral para discutir parcerias sobre questões relacionadas com a Internet e o desenvolvimento económico e social.

O fórum é organizado pela Embaixada da Suécia para comemorar os 40 anos de relações bilaterais entre Moçambique e a Suécia com o objectivo de realçar uma área para parcerias futuras. O Global Voices vai estar presente através dos seus colaboradores em Moçambique, Dércio Tsandzana e Tomás Queface.

Moçambique: Líder da Renamo escapa ileso a um ataque à comitiva em que seguia

O Emblema do Partido RENAMOForças governamentais atacaram, este sábado (12.09), uma comitiva da RENAMO em que seguia o seu líder Afonso Dhlakama provocando cinco feridos. Segundo a agência de noticias Lusa, que estava no local, “Dhlakama escapou ileso ao ataque levado a cabo por homens da Unidade de Intervenção Rápida das forças de defesa e segurança de Moçambique (UIR).”

As ultimas movimentações da Renamo, que anunciou criar a sua própria policia e mais um quartel militar na região da Zambézia, estão a criar mal-estar no país:

Renamo: Policia própria + segundo quartel militar (…)

A alta comissária britânica para Moçambique, Joanna Kuenssberg, reagiu a este ataque na sua conta do Twitter da seguinte forma:

Espero que os ferimentos não sejam graves e que haja mais detalhes amanhã.

Países mais felizes do mundo são todos da América Latina

Ranking dos países mais (e menos) felizes do mundo.

Gallup entrevistou 150.000 adultos em 148 países, fazendo perguntas como “Ontem sorriu ou riu-se?” e “Ontem aprendeu ou fez algo interessante?” para construir um índice de experiências positivas. Surpreendentemente, os países com mais emoções positivas são todos da América Latina, do Paraguai à Nicarágua, de acordo com Quartz.

O estudo, que usa uma escala de 0 a 100, assinala que a média mundial em 2014 (para este índice de experiências positivas) foi de 71%, “a mesma de 2013 e como tem sido desde 2006.”

O país com o índice de emoções positivas mais baixo é o Sudão (47%). Os níveis de felicidade também são baixos na Tunísia, Sérvia e Turquia, entre outros, aparentemente por causa da guerra e outras formas de instabilidade política.

Na Bolívia e em El Salvador, por exemplo, 59% dos inquiridos responderam “sim” a todas as perguntas sobre emoções (tanto positivas como negativas), o que confere a estas nações um nível de emotividade particularmente alto.

Rafael Marques é finalista do prémio Allard do Canadá

Rafael Marques. Foto: MakaAngola. Reprodução autorizada

Rafael Marques. Foto: MakaAngola. Reprodução autorizada

Falar da falta de liberdade de expressão e violação de direitos humanos é descrever Angola dos últimos tempos. O Global Voices tem vindo a dar eco sobre os sucessivos atropelos a situações de violação da liberdade de expressão e de imprensa envolvendo activistas pacíficos e jornalistas naquele país.

Entretanto a comunidade internacional tem estado atenta à coragem dos jornalistas que são perseguidos e oprimidos. O jornalista angolano, Rafael Marques, autor do livro “Diamantes de Sangue” é finalista do prémio Allard para a integridade internacional, atribuído pela faculdade de direito da University of British Columbia, no Canadá.

Rafael Marques de Morais dedica a sua carreira à denúncia da violação dos direitos humanos, corrupção, em particular no governo e na indústria extractiva. Para Marques, a nomeação, que quebra o seu isolamento e constante assédio, impulsionará o seu trabalho. O prémio de 100 mil dólares americanos é tido como dos maiores que na área de combate à corrupção e promoção dos direitos humanos. Foi instituído em 2013.

Os outros finalistas são John Githongo, antigo jornalista queniano e activista contra a corrupção. O contabilistas e auditor russo Sergei Magnitsky, que se notabilizou ao denunciar fraudes fiscais do governo. Por último, a organização Indonesia Corruption Watch, focada no combate da corrupção. O vencedor será anunciado no dia 1 de Outubro.

Recorde-se que Rafael Marques tem tido problemas com a justiça angolana desde a publicação do livro que retrata os escândalos de corrupção no sector dos diamantes.

Decorreu a segunda edição do Cabo-Verde Social Media Summit

11258133_817367128359697_65515158688657125_nConforme fizemos referência aqui no Global Voices, Cabo-Verde foi palco do Media Summit, na Reitoria da Universidade de Cabo-Verde, tendo contado com oradores nacionais e internacionais. O evento focou nas tendências mundiais sobre as diversas vertentes do Social Media e sua adaptação na realidade cabo-verdiana.

O Global Voices foi referenciado e destacado neste evento através da presença de um dos seus autores do GV Lusofonia, Mário Lopes, que também representou São Tomé e Príncipe, como co-organizador do TEDxSãoTomé e co-fundador do STP Digital, agência de noticias online. A agência, sediada em São Tomé, utiliza as redes sociais como ferramenta essencial na disseminação dos seus conteúdos para o seu público alvo. Mário falou da sua experiência, com a utilização destas ferramentas, para o incremento do marketing digital.

Usando as hastags #‎saotomepríncipe ‪#‎stpdigital ‪#‎socialmedia ‪#‎marketingdigital , o evento marcou presença no Facebook, no Twitter e no Instagram:

Para ter sucesso no ‪#‎marketingdigital é preciso respirar esse mundo! by Vadini Ferreira na segunda edição do Cabo-Verde Social Media Summit na Universidade de Cabo Verde – unicv ‪#‎socialmedia ‪#‎SãoToméeprincipe

No Twitter:

Cabo Verde promove a segunda edição do Social Media Summit

11258133_817367128359697_65515158688657125_nArranca sexta-feira (07.08.15) a segunda edição do Social Media Summit Cabo Verde II.

O tema deste ano consiste nas diversas vertentes do social media e pretende disseminar boas práticas na promoção das empresas através das redes sociais. Esta edição, vai ter lugar na Reitoria da Universidade de Cabo Verde.

Entre o painel dos oradores, o Global Voices estará representado através de Mário Lopes, editor das redes sociais do GV-Lusofonia e co-organizador do TEDXSTOME, que vai apresentar o tema: Internet enquanto impulsionador de micro empresas no comércio global. O Mário é também co-fundador do portal de noticias santomense STP Digital.

Homossexualidade vai deixar de ser crime em Moçambique

LGBT (Usada com permissão)

LGBT (Usada com permissão)

A Homossexualidade tem sido um dos assuntos mais controversos em relação ao direito das minorias em Moçambique. Em artigos, previamente publicados no Global Voices, destacamos a luta incansável da organização Lambda em prol da sua legalização. A Lambda pretende ser uma associação de cidadãos moçambicanos que advogam pelo reconhecimento dos Direitos Humanos das pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transexuais (LGBT).

Esta organização luta pela sua própria legalização e reconhecimento pelo Estado há sete anos. Até à data, não lhes foi concedido esse direito. Mas, à luz do novo Código Penal, que vai entrar em vigor a partir de 29 de Junho, a homossexualidade deixará de ser considerada como crime.

A revisão do Código Penal (CP) moçambicano ocorreu no passado mês de Dezembro e entrará em vigor a 29 de Junho. Na revisão do CP, promulgada pelo Presidente Filipe Nyusi, são revogados artigos que levantavam dúvidas sobre medidas a aplicar no caso de relações entre pessoas do mesmo sexo. O CP datava de 1886 e instava a aplicar medidas de segurança “aos que se entreguem habitualmente à prática de vícios contra a natureza” (artigos 70 e 71). A interpretação destes artigos poderia levar a criminalizar as relações entre pessoas do mesmo sexo com penas de trabalho forçado até três anos.

Nos últimos anos o trabalho da associação moçambicana Lambda, que promove a defesa dos direitos das pessoas LGBTI, foi fundamental para sensibilizar outras organizações da sociedade civil e instituições do Estado. No entanto, a mesma associação alerta que, apesar de a partir de Junho as relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo passem a ser legais, “tal não significa que os direitos das pessoas LGBTI estejam salvaguardados com igualdade.

Pode obter mais informações sobre os Direitos LGBT em Moçambique aqui.

Crowdfunding busca revitalizar favela carioca

Líderes da comunidade do Caranguejo, no Rio de Janeiro, estão fazendo uma campanha de crowdfunding para promover a revitalização da Praça do Vietnã, considerada o centro social e urbano da porção mais alta do complexo Pavão-Pavãozinho e mirante natural para dois cartões postais cariocas: as praias de Copacabana e do Arpoador. O projeto pretende melhorar a qualidade de vida dos moradores, com a pavimentação da praça e construção da Escolharte, um centro de educação itinerante de arte urbana. Até agora, já foram arre