Enquanto os números da COVID-19 aumentam, Japão lança campanha de subsídios para viagens

Pontocho, Kyoto, August 2019

Pontocho, Quioto, julho de 2019. Pontocho é bastante popular entre os turistas, e a nova campanha do Japão “Go To” tem como objetivo atrair pessoas para visitarem lugares como esse. Foto de Nevin Thompson.

De um lado, mensagens contraditórias do governo metropolitano de Tóquio, que havia pedido para as pessoas diminuírem as viagens não essenciais. De outro, a campanha “Go To Travel” (em português, vá viajar), de 1,68 trilhões de ienes (15 bilhões de dólares) do governo central, que visa impulsionar o turismo local. Ambas acabaram deixando o Japão em “apuros” em relação ao vírus.

Na quarta-feira, 22 de julho, a governante de Tóquio, Koike Yuriko, pediu aos moradores da capital para “agir como se a segunda onda (da COVID-19) já estivesse aqui“. Com uma população de 15 milhões de pessoas, Tóquio continua sendo o epicentro do aumento do número de casos da COVID-19 no Japão. A região metropolitana contabilizou ao menos 5 mil casos da doença em julho, cerca de 45 por cento do total de infecções desde o início da pandemia.

Durante a semana de 20 de julho, Tóquio teve a taxa diária mais alta de casos confirmados de coronavírus, com o número de infecções acima de 200 por seis dias seguidos. Há o temor da possibilidade de uma explosão nos casos da COVID-19 na capital no mês de agosto.

Outras grandes cidades do Japão, dentre elas, Osaka e Fukuoka, também tiveram um aumento no números de casos em julho, enquanto a comunidade isolada da ilha de Sado teve o primeiro caso da doença. Yoron, uma pequena ilha no extremo oeste do Japão, popular entre os turistas, tem 34 infectados até o momento, 5 na última semana.

Apesar de um crescimento no número de casos de COVID-19, entre o final da semana e o início de um longo fim de semana de quatro dias, em 24 de julho, o primeiro-ministro Shinzo Abe, ignorando as orientações do governorecusou-se a declarar estado de calamidade pública, afirmando que a  situação continua “sob controle“. O Japão já havia declarado estado de calamidade pública anteriormente, em abril e maio, e havia conseguido reduzir o número diário de infecções.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: área metropolitana de Tóquio chega ao seu primeiro dia com mais de 300 novos casos de COVID-19.

——-

No primeiro dia do fim de semana de 4 dias, para o qual o governo vem desembolsando os bastante controversos cupons de viagem para alavancar as viagens entre as prefeituras, Tóquio registra o maior número de novas infecções.
Várias outras prefeituras também quebraram recordes ontem. Ah, o senso comum… 💩

Em vez disso, o governo de Shinzo Abe continuou com os planos de lançar a campanha “Go To Japan” na quinta-feira, 22 de julho, início do fim de semana prolongado. A campanha “Go To Japan” fornece aos viajantes uma variedade de subsídios, para cobrir os custos da viagem e da acomodação, de até 20 mil ienes (200 dólares) por pessoa, por noite em 40 prefeituras pelo Japão.

Devido ao crescente número de infecções desde o início da pandemia, Tóquio foi excluída como destino turístico. No entanto, isso não impede os turistas de Tóquio de viajarem por todo o Japão, inclusive para a Prefeitura de Iwate, que não possui nenhum caso de COVID-19.

Viajantes da campanha ‘Go To Japan’ na prefeitura de Iwate, que possui zero casos de COVID-19 até o momento.

————-

Vários turistas da campanha GoTo se amontoam em Iwate. ‘Como não houve nenhum caso, pareceu o lugar mais seguro para se visitar’.

A reação da população foi diversa. Uma pesquisa de 24 de julho sugeriu que a maioria dos japoneses  acha que um futuro estado de calamidade só seria necessário em algumas regiões, onde a COVID-19 é um problema sério, e não em todo o país. Outras pesquisas mostraram uma forte oposição ao plano COVID-19.

Também há crescentes denúncias de corrupção, incluindo subornos para políticos que apoiaram a campanha “Go To Japan” de 1,68 trilhões de ienes. A administração do plano foi terceirizada para uma grande agência de viagens, em vez de ser administrada internamente pelo próprio governo.

Além disso, há também uma certa perplexidade sobre como o slogan “GoTo Travel” (em português, vá viajar) foi escolhido:

‘Go To Travel’ está gramaticalmente errado (em inglês)? ‘Bem, essas são as palavras em inglês que a maioria dos japoneses conhece’.
—–

Asahi relata como o slogan da campanha governamental ‘Go To Travel’ faz os falantes de inglês franzirem o cenho. Segundo o porta-voz da campanha, o slogan foi escolhido porque ‘Go’, ‘To’, e ‘Travel’ são palavras facilmente compreendidas no Japão.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.