Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Poeta e ativista fijiano promove narrativa para os direitos LGBTQ+ no Pacífico

Peter Sipeli durante uma TEDx talk em Suva, no Fiji. Fonte: Facebook

O poeta e ativista fijiano Peter Sipeli tem promovido os direitos LGBTQ+ através de uma narrativa.

Peter abriu uma livraria e coletivo de poesia que promove leituras, atividades, publica antologias e coleções de poesia, prosa e textos de jovens fijanos. Peter também é conhecido por conduzir sessões para destacar a experiência de pessoas LGBTQ+ em Fiji.

Em uma entrevista por e-mail com este autor, Peter conta que a arte é essencial ao advocacy, fala sobre os desafios que artistas e ativistas enfrentam em Fiji, e destaca a necessidade de repensar como os advocacies são conceitualizados na região da Oceania.

Peter notou como problemas de desenvolvimento são apresentados de muitas maneiras que não refletem por completo as experiências vividas pelos ilhéus do Pacífico. Ele disse que o colonialismo é, em grande parte, responsável pela discriminação contra a comunidade LGBTQ+.

I think the problem we face in Fiji and generally across the Pacific is that the unjust laws that govern the lives of LGBTQ+ people are archaic and the ones created by the British that our people after independence have inherited; and that all these are not only reflected in our laws, but in Christian ideals as well that pervade and blur cultural ideas, and so we are left working to remind our peoples that before ‘contact’ we were quite sexually diverse and sexuality was very fluid.

Acho que o problema que enfrentamos em Fiji e, geralmente, em todo o Pacífico, é que as leis injustas que regem a vida das pessoas LGBTQ+ são arcaicas e foram criadas pelos britânicos, tendo sido herdadas pelo nosso povo após a independência. Além disso, não é só nas leis que tudo isso se reflete, mas também nos ideais cristãos que impregnam e distorcem as ideias culturais. Só nos resta trabalhar para lembrar ao nosso povo que antes do “contato” éramos bem sexualmente diversos e a nossa sexualidade era bastante fluída.

Peter apontou que o legado colonial tem impedido que os povos do Pacífico interajam entre si:

I think the problem even we in the Pacific face is that we are so busy looking down working in our own burrows that we don’t look up to see other people in the Pacific, in Asia, across the world in Africa and beyond. There need to be newer ways of seeing that allows us to look at creative work being used for societal change so we can not only know but to learn from each other.

Too often the utterance that we hear in the Pacific, is ‘Asia, Pacific region’ and Asia is so large that they cannot even see us. The Pacific is broken up in three parts, parts that the colonizers created 1) French Pacific – that is locked from us because of language 2) the North Pacific, that was colonized by the Americans, we are unable to see them because of geographic location … they’re so far north, we know a little about their nuclear history and us 3) the Anglo pacific and we all work in isolation from each other… there are political and trade relations but the people are divorced from each other.

Acho que o problema que até nós do Pacífico enfrentamos é que estamos tão ocupados olhando para o nosso próprio umbigo que não levantamos o olhar para ver outras pessoas no Pacífico, na Ásia, ao redor do mundo na África e além. São necessárias novas formas de ver que nos permitam observar o trabalho criativo sendo utilizado em mudanças sociais, para que possamos não só saber, mas também aprender uns com os outros.

Muito frequentemente, a expressão que escutamos no Pacífico é “Ásia, região do Pacífico”, mas a Ásia é tão grande que não consegue nos ver. O Pacífico é dividido em três partes, partes essas que os colonizadores criaram 1) Pacífico Francês – que está inacessível para a gente por causa da língua 2) o Pacífico Norte, que foi colonizado pelos americanos. Não podemos vê-los devido à localização geográfica… estão tão ao norte, sabemos um pouco sobre a sua história nuclear e nós 3) o pacífico Anglo-saxão e todos nós trabalhamos isolados uns dos outros… há relações políticas e comercias, mas as pessoas estão divorciadas umas das outras.

Para solucionar essa questão, Peter recorreu às artes para criar “uma conversa nova e mais humana sobre direitos, dor e o que nós da Ilha do Pacífico podemos fazer para reparar a ruptura causada pelos colonizadores”, acrescenta Peter.

The idea behind ‘storytelling for advocacy’ is about remembering. In the Pacific, if you speak truth and do so with power and with resonance about a lived experience, and the levels of fracture of that experience and indicate to different audiences this reality, people understand, people are awakened to our needs and our work for equal rights.

A ideia por trás da “narrativa para advocacy” se trata de recordar. No Pacífico, se você disser a verdade com propriedade e convicção sobre uma experiência que viveu e os níveis das consequências dessa experiência, e transmitir essa realidade para diferentes públicos, as pessoas compreendem e acordam para as nossas necessidades e a nossa luta pela igualdade de direitos.

Peter falou sobre como a narrativa, em vez de simplesmente contar com a pressão legislativa, tornou-se uma medida eficaz para defender os direitos LGBTQ+:

Too often the rights conversation is a linear one that talks about only one aspect of gaining equality, about advocating for rights, through this movement towards legislature and policy shift. I wanted to create a human conversation about the pain that we endure, that ostracization, and unpack that for people to see into. I also allow the talk to delve into scripture and to look deeply at the parts of the Bible that speak against homosexuality and to demystify these aspects for the audience, to again create a conversation about the biblical text and find kinder ways of caring for people.

Muito frequentemente, a conversa sobre direitos é linear e aborda apenas um aspecto da conquista pela igualdade, o da defesa dos direitos através de um movimento em direção a uma mudança na legislação e nas políticas. Eu quis criar uma conversação humana sobre a dor que enfrentamos, esse ostracismo, e colocá-lo à luz para que as pessoas o vejam. Também permito que a conversa se aprofunde em quanto às escrituras e que sejam analisadas as partes da Bíblia que falam mal da homossexualidade, com o objetivo de desmistificar esses aspectos para o público e criar uma conversa sobre o texto bíblico, encontrando também formas mais amáveis de cuidar das pessoas.

Peter disse que a narrativa provou ser “transformadora” nas sessões conduzidas com o Centro  de Crises para Mulheres em Fiji e até mesmo com membros das forças militares e da polícia.

I think my work through poetry and through the storytelling for advocacy is finding new ways of having a conversation about creating kinder communities for LGBTQ+ people.

Acho que o meu trabalho através da poesia e a narrativa para advocacy é encontrar novas formas de ter conversas sobre a criação de comunidades mais amáveis para pessoas LGBTQ+.

Finalmente, Peter destacou a necessidade de que seja desenvolvida uma “nova forma de ver” no Pacífico:

I think we need all collectively to find a new way of ‘seeing’ so we might appreciate, learn and thus become humanly connected to each other in a deeper way that can overcome meaningless utterances.

Acho que todos precisamos encontrar juntos uma nova forma de “ver” para que possamos valorizar, aprender e, assim, conectarmos-nos humanamente uns aos outros de uma maneira mais profunda que possa superar declarações insignificantes.

Assista à TEDx talk de Peter sobre “narrativa como advocacy” neste vídeo do YouTube:

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.