Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Quem são as mulheres afrodescendentes recém-eleitas ao parlamento português

Joacine Katar Moreira é uma das deputadas eleitas. Foto Partido Livre, CC BY-SA 4.0, usada com permissão

Beatriz Dias, Joacine Moreira, e Romualda Fernandes são três mulheres afrodescendentes eleitas para o parlamento português no dia 6 de Outubro. Todas são de origem guineense e foram eleitas pelos partidos Partido Livre, Bloco de Esquerda (BE) e Partido Socialista (PS), sendo estes dois últimos integrantes daquilo que se chamou geringonça no Governo antes das presentes eleições. 

O Partido Socialista do actual Primeiro-Ministro António Costa venceu com folga as eleições legislativas, obtendo 37% dos votos, contra 27% do Partido Social-Democrata, principal sigla da oposição. Ainda assim, o partido deverá estabelecer novas alianças para constituir governo.

O Jornal Público deu um longo destaque sobre o percurso de Joacine Katar Moreira até chegar ao Parlamento:

Quando era pequena, Joacine Katar Moreira era conhecida como “la chica ente” porque, diz a própria, era tudo o que acabava em “ente”: impertinente, insolente, inconsequente.

Joacine conta que gostava muito de ir à escola, mas, quando chegou a Portugal, foi colocada de novo no segundo ano porque era o que se fazia habitualmente às crianças de origem africana. Esta contrariedade motivou-a a esforçar-se nos estudos, o que não a impedia de passar “o tempo todo a questionar tudo”.

Acabou por entrar na universidade. Para pagar a licenciatura trabalhou em supermercados e em hotéis. Licenciou-se em História Moderna e Contemporânea, tirou um mestrado em Estudos do Desenvolvimento e doutorou-se em Estudos Africanos no ISCTE, onde é investigadora do Centro de Estudos Internacionais.

A deputada tem usado o seu Twitter para divulgar as propostas que pretende levar ao parlamento, sendo entre outras o combate à violência doméstica e a defesa da saúde mental:

O Jornal Sábado traçou o perfil das outras duas deputadas:

Romualda Fernandes nasceu na Guiné-Bissau há 65 anos e é jurista, especialista em Direito Internacional aplicado às Nacionalidades, Condição de Estrangeiros e Direito Humanitário. Foi assessora em vários departamentos governamentais e é militante do PS há mais de 20 anos. Foi a penúltima deputada eleita pelos socialistas pelo círculo eleitoral de Lisboa, ocupando o 19.º lugar da lista do PS. (…)

Beatriz Gomes Dias, de 48 anos, nasceu em Dakar, no Senegal, oriunda de uma família guineense. Formada em Biologia, foi professora do ensino secundário e é aluna do mestrado de Comunicação de Ciência na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Várias foram as pessoas que destacaram a eleição das três mulheres, entre elas Miguel de Barros, pesquisador e activista da Guiné-Bissau:

Histórico! Eleitas pela primeira vez em #Portugal #mulheres #negras para o #parlamento, sendo 3 de uma assentada e todas originárias e/ou descendentes da #GuinéBissau: Beatriz Dias (Pedagoga/BE), Joacine Moreira (Historiadora/Livre) e Romualda Fernandes (Jurista/PS)! Fabuloso

No mesmo diapasão reagiu Sidney Cerqueira, natural e residente em Guiné-Bissau:

Três mulheres NEGRAS foram eleitas para o Parlamento Português. Sim, NEGRAS, e são todas do meu país, Guiné-Bissau. Tenho dito e volto a dizer, a pátria de Cabral está num ponto de viragem. Chegou aquele momento de virarmos a página e fecharmos definitivamente este ciclo vergonhoso de pós independência.

Estamos a um passo de nos libertarmos das garras dos traficantes, incompetentes, bandidos, corruptos e inimigos da nossa GRANDE NAÇÃO. Por isso, convém escolhermos bem o nosso caminho e a quem estendemos a mão… Viva nó DEPUTADAS!

ORGULHO PASSANTA NA MINHA PITO, MINDJERIS BALENTIS!!

Joacine Katar Moreira acabou se envolvendo em uma polêmica após a divulgação dos resultados. Ela aparecera a comemorar a vitória envolta de uma bandeira da Guiné-Bissau, o que motivou a divulgação de uma petição contra ela. Na mesma pode ler-se:

Não se percebe por que a recente eleita senhora deputada Joacine Katar Moreira, de forma direta, deixou que nos festejos da sua eleição fosse exibida a bandeira da Guiné-Bissau.

O Art. 12º [da Constituição da República Portuguesa] na primeira alínea refere que: ‘Todos os cidadãos gozam dos direitos e estão sujeitos aos deveres consignados na Constituição’. Ora, o comportamento da suposta cidadã, Joacine Katar Moreira, fica novamente em causa por se verificar um comportamento antipatriótico com o ato descrito anteriormente

Joacine Katar Moreira reagiu no Twitter:

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.