Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Um dia na vida de um colhedor de brotos de bambu em Mianmar

Ko Pho La exibe brotos de bambu frescos e recém-colhidos. / Htet Wai / The Irrawaddy

Artigo escrito por Htet Wai para o The Irrwaddy, um site independente de notícias de Mianmar, e reproduzido na Global Voices como parte de um acordo de compartilhamento de conteúdo.

O broto de bambu é um prato popular em Mianmar. Os brotos aparecem com as chuvas de monções e ficam presentes durante toda a estação chuvosa, de julho até o final de setembro, quando há mais abundância em função das precipitações. Servidos com molho, os brotos de bambu cozidos são o acompanhamento perfeito para a mesa do jantar da maioria dos lares de Mianmar.

Entretanto, a vida de um colhedor não é nada fácil. Ko Pho La colhe brotos de bambu e mora na vila Kyee Binna, na região de Irrawaddy. A vila está situada ao oeste da rodovia Pathein-Monywa, na cidade de Ingapu, perto das montanhas Arakan.

Embora alguns moradores da vila trabalhem em fazendas, a maioria ganha a vida recolhendo madeira e colhendo brotos de bambu selvagens. Ka Pho La é arrendatário, mas na estação chuvosa, depois de transplantar mudas de arroz, colhe brotos de bambu para ganhar a vida.

Ko Pho La saindo para colher brotos de bambu na floresta / Htet Wai / The Irrawaddy

No início da estação de monções, os brotos são colhidos perto da vila. À medida que as monções ganham força, Ko Pho La tem que se embrenhar na floresta das montanhas Arakan para encontrar brotos bons para vender.

Segundo Ko Pho La, ao caminhar com dificuldade entre árvores e arbustos, o que mais incomoda os colhedores são os mosquitos, não os animais selvagens.

Brotos de bambu na floresta / Htet Wai / The Irrawaddy

Quando o sol nasce e a nuvem de mosquitos aparece, os colhedores de brotos de bambu têm que correr contra o tempo para colher a maior quantidade de brotos possível e acabar o trabalho quando a tarde chega. Além dos mosquitos, cobras são uma ameaça constante, diz Ko Pho La.

Os colhedores de brotos de bambu não voltam para casa ao pé da montanha andando. Voltam com seus brotos de bambu por água, navegando pelo riacho Na Ka Thu, que nasce nas montanhas Arakan.

Um colhedor de brotos de bambu voltando para casa / Htet Wai / The Irrawaddy

Eles tentam colher entre 10 e 20 visses (1 viss equivale a aproximadamente 1,6 kg) em uma ida à floresta. Ko Pho La conta que tenta colher em média 15 visses por vez. Depois que chega em casa, ele ferve os brotos para prepará-los para a venda.

Os brotos de bambu são vendidos ao longo da rodovia Pathein-Monywa por 300 kyats (US$ 0,20) por viss, mas no mercado de Kwin Kauk, a cidade mais próxima de Kyee Bin, eles chegam a 800 kyats (US$ 0,53) por viss.

Uma mulher prepara os brotos de bambu para venda. / Htet Wai / The Irrawaddy

Brotos de bambu fermentados e em conserva vendidos no mercado de Yangon. / Htet Wai / The Irrawaddy

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.