Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

O seu filme favorito promove a masculinidade tóxica? Pergunte ao Mango Meter

Em 16 de fevereiro de 2019, a revista digital feminista indonésia Magdalene (parceira da Global Voices para republicação de conteúdo), lançou o Mango Meter, um aplicativo móvel de avaliação de filmes criado para tratar a questão da representatividade de gênero nos filmes e na indústria do cinema.

Segundo a equipe do Mango Meter, a “sétima arte” é um “dos mais eficientes meios de difusão de normas e valores na sociedade”, e os filmes “reforçam estereótipos raciais e de gênero abertamente, objetificando mulheres e normalizando a violência de gênero, enquanto a indústria do cinema insiste que está apenas atendendo às demandas de mercado”.

mango meter mobile app

Captura de tela do aplicativo Mango Meter.

Esses aspectos ficaram mais aparentes em 2018, quando uma série de acusações de abuso sexual contra o produtor Harvey Weinstein desencadeou o  #MeToo, e o Time’s Up,  um movimento iniciado por roteiristas, produtoras e atrizes em reação à cultura tóxica de abuso sexual de Hollywood, que institucionaliza estereótipos e a discriminação.

Inspirada pela famoso site de avaliação de filmes Rotten Tomatoes, a equipe batizou o aplicativo de Mango Meter, em homenagem a uma das frutas mais populares da Ásia. Segundo as criadoras do aplicativo, um filme feminista abraça a inclusão e a diversidade, tem personagens femininas fortes, que não são simplesmente vinculadas às normas sociais, como casamento e maternidade, e retrata relacionamentos saudáveis. O sistema de avaliação do aplicativo classifica um filme numa escala de 1 a 5, onde uma manga indica que um filme está no extremo sexista do espectro, e cinco mangas indicam uma obra que respeita todos os requisitos feministas.

O aplicativo para dispositivos móveis foi criado por um grupo de jornalistas, ativistas e acadêmicas feministas de seis países asiáticos, incluindo a editora-chefe do Magdalene, Devi Asmarani.

Em entrevista à Global Voices, Asmarani disse:

We spent a lot of times debating the best statements to apply to the rating system, before we all agreed on the set of 11 statements that represent a host of concerns, from representation of women, agency, the concept of beauty, sexuality, relationship and proportional representation of marginalized communities.

Investimos muito tempo discutindo sobre os melhores critérios para o sistema de avaliações, até que concordamos em 11 princípios que representam um conjunto de questões, que vão desde a representação das mulheres, atividade, conceito de beleza, sexualidade, relacionamento e representação proporcional de comunidades marginalizadas.

As criadoras do aplicativo Mango Meter. Foto cedida pelo site Magdalene e usada sob permissão.

Questionadas sobre por que as pessoas deveriam utilizar o aplicativo, as criadoras responderam:

Let the film industry know that we do not buy tickets to their movies for misogynist, gender and diversity-insensitive content. One opinion at a time would validate someone else who is thinking just like you. We have every right to enjoy entertainment that does not demean us, and we certainly have a right to voice our views and opinions.

É preciso que a indústria do cinema saiba que não compramos ingressos para ver seus filmes com conteúdo misógino ou insensível às questões de gênero e à diversidade. Cada opinião conta para validar outra pessoa que pensa como você. Temos todo o direito de consumir entretenimento que não nos diminua, e certamente temos direito a manifestar nossas percepções e opiniões.

O desenvolvimento do Mango Meter contou com o apoio da Agência Friedrich-Ebert-Stiftung (FES) para a Cooperação Regional na Ásia. O aplicativo está disponível para iOS e Android.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.