Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Enquanto alguns brasileiros tentaram ensinar aos alemães sobre o nazismo, outros se desculparam envergonhados

No vídeo intitulado “como eles ensinam história na Alemanha”, a embaixada do país diz: o povo alemão não esconde seu passado | Imagem: Reprodução / Facebook

Nos últimos anos, tornou-se uma tendência no Brasil afirmar que Adolf Hitler e seu partido nazista eram de esquerda. A ideia é baseada no simples, e bastante literal, fato de que o nome completo do partido se traduz como Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães. E “socialista” é igual à esquerda, correto?

Não exatamente, é claro. Mas, a teoria absurda ressurgiu mais uma vez entre os brasileiros depois que o Consulado da Alemanha em Recife, Pernambuco, postou um vídeo explicando como a Alemanha valoriza “conhecer e preservar sua História para não repeti-la.”

Em pouco mais de um minuto, o vídeo, que tinha 829.000 visualizações no momento em este artigo estava sendo escrito, pergunta o que aconteceria “se a direita extremista voltasse ao país?” A resposta é uma citação do ministro de Relações Exteriores, Heiko Mass:

We need to oppose to extremists from the right, we shouldn’t ignore them, we have to show our face against neonazis and anti-Semites (…) Whoever protest agains Nazis is not from the left, is normal.

Precisamos nos opor aos extremistas de direita, não devemos ignorá-los, temos que mostrar nossa luta contra neonazistas e antissemitas (…) Quem protesta contra os nazistas não é de esquerda, é coerente.

Depois de postar o vídeo, a página oficial do consulado foi inundada com comentários de grupos de direita questionando como os próprios alemães encaram o nazismo:

Outro comentarista na página do consulado alemão no Facebook contestou a afirmação do vídeo de que o país criou uma lei em 1976 proibindo as pessoas de questionarem “a veracidade do Holocausto, porque os especialistas estavam desmascarando essa farsa”. Uma pessoa distinta respondeu, dizendo que “os dias do holofraude estão contados”.

Em maio, um âncora veterano da TV Globo, Alexandre Garcia, também tuitou uma declaração em apoio à teoria:

Desta vez, no entanto, a reação foi rápida. Enquanto alguns brasileiros envergonhavam a nação (um usuário do Twitter brincou dizendo que isso era pior do que o placar de 7 a 1 na Copa do Mundo de 2014), outros estavam se desculpando por eles:

Um usuário chegou a inventar um novo termo especialmente para o momento:

Após a polêmica, em entrevista ao jornal O Globo, o embaixador alemão no Brasil, Dr. Georg Witschel, declarou que “dizer que o nazismo era um movimento de esquerda é besteira completa”.

Tornando mais claro 

Em entrevista ao jornal El Pais, Damaris Jenner, porta-voz da embaixada, explicou como surgiu a ideia do vídeo:

“Na semana em que pensamos em fazer esse vídeo, aconteceram as manifestações em Chemnitz e vários jornais brasileiros noticiaram”, disse ela. Os protestos foram realizados por militantes da extrema direita desde o final de agosto contra a morte de um alemão, supostamente esfaqueado por dois imigrantes, e que terminaram em atos de violência. “Achamos que seria interessante ligar esses dois assuntos para mostrar essa discussão na Alemanha”, afirma Jenner. Mas a reação dos internautas surpreendeu. “Não imaginávamos que repercutiria dessa forma”, diz.

O jornal também menciona que há uma palavra em alemão para descrever este episódio: Fremdschämen, utilizada quando você está envergonhado pelas ações de outra pessoa.

A revista SuperInteressante tentou encerrar a discussão, explicando que o nazismo estava muito mais alinhado à direita do que à esquerda. Apesar de carregar “socialista” em seu nome, o regime desprezava o comunismo ao estilo soviético e inclinava-se mais para o liberalismo econômico, um sistema político tradicionalmente ligado à direita.

Mais importante do que estar à direita ou à esquerda, o que realmente definia as políticas e os objetivos de Adolf Hitler não era nem o capitalismo nem o socialismo: era o racismo. O nazismo, da forma como se consolidou na década de 1930, era caracterizado por um nacionalismo para poucos, os alemães “arianos”. Qualquer outro grupo que não se encaixasse nisso não poderia participar do Estado alemão.

O Holocausto foi “um dos episódios mais brutais da História”. A “solução final” dos nazistas, um plano para exterminar o povo judeu de seu país e as terras conquistadas pelo regime, terminou com milhões de mortos. Conforme explica a BBC:

The Jews were not the only victims of Nazism. It is estimated that as many as 15 million civilians were killed by this murderous and racist regime, including millions of Slavs and ‘asiatics’, 200,000 Gypsies and members of various other groups. Thousands of people, including Germans of African descent, were forcibly sterilised.

Os judeus não foram as únicas vítimas do nazismo. Estima-se que cerca de 15 milhões de civis foram mortos por este regime assassino e racista, incluindo milhões de eslavos e ‘asiáticos’, 200.000 ciganos e membros de vários outros grupos. Milhares de pessoas, incluindo alemães de ascendência africana, foram esterilizadas à força.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.